50 Tons de Cinza [Resenha Literária]


Livro: Cinquenta Tons de Cinza
Autor: E. L. James
Editora: Intrínseca

Cinquenta tons de cinza é o livro 1 de uma série de três livros, nele a E. L. James conta como a estudante universitária, moça simples, meio estabanada, Anastasia Steele conhece o milionário Christian Grey e a começar por uma forte e mutua atração começa uma relação afetiva com ele na qual o sexo ocupa um lugar central.

A centralidade do sexo na obra é atribuída a falta de experiencia de Anastasia, até então virgem, misturada ao fato do Mrs. Gray ser um praticante de sadomasoquismo. Para equilibrar o excesso de experiência sexual do Gray e a total falta da Anastasia. O Christian é uma pessoa emocionalmente perturbada e a Ana tem uma boa estabilidade e certa maturidade nesse sentido. Enfim, a relação dos dois promete muito sexo e amadurecimento para ambos.

Sim, eu sei, o 50 tons não é mais o livro da moda... No entanto, desde que ele deixou de ser o livro da moda o mercado literário ainda não conseguiu emplacar outro fenômeno editorial e eu não resisto a tentação de começar falando desse livro que virou notícia no mundo nesse inicio do século XXI.

Apesar de compreender o mundo de hoje como uma grande aldeia na qual sussurros e um pouquinho de incentivo $$$$ nos lugares certos The New York Times por exemplo podem fazer milagres por um livro, ainda sinto dificuldade em compreender o "impacto" dessa trilogia por toda parte.

Normalmente eu não caracterizaria "Cinquenta tons de cinza" como um livro péssimo, horrível ou o pior que li na vida. Confesso que se tivesse encontrado ele entre algum livro da Série Momentos Íntimos o classificaria até como regular. Ele é de fácil leitura, tem uma protagonista capaz de se impor, um herói dentro dos padrões normais desse gênero e o mais importante é de fácil leitura. Em síntese para um romance de banca hot o 50 tons é até bonzinho.

Mas, o trabalho de E. L. James não foi lançado como romance de banca. No formato no qual foi lançado e dentro dos parâmetros dentro dos quais ele promete muito, faz praticamente juras de qualidade e no final entrega pouco, muito pouco, quase nada, ou melhor ele é uma grande, imensa, gigantesca, ululante enganação.

Não sou contra livro do tipo "Momentos Íntimos" com cenas sensuais, textos simples, adoráveis pervertidos, homens irreais do cabelo a medula e heroínas que conseguem ser inocentes, sofridas, boas de cama e mulheres fortes ao mesmo tempo. Já li muitos livros de banca nessa vida. Em embora dispense os hots eles também fazem parte de minha coleção.

Parte de minha coleção - para ninguém dizer que to mentindo.

Agora eu sou rigorosamente contra anunciar um livro como se fosse a última novidade do pacote das novidades literárias, como se NUNCA NA HISTÓRIA DA LITERATURA algo assim existisse, chamar isso de pornô para mamães, como se as mães fossem seres com desejos sexuais reprimidos e capacidade intelectual inferior para distingui um livro ruim de um bom. Portanto, não da para perdoar o "Cinquenta Tons de Cinza" nem por brincadeira, nem por implicância literária.

Isso é um livro hot.
Sinceramente, se as mamães quiserem ler pornografia ou tiverem o habito de fazer isso, elas facilmente encontrarão coisa muito melhor, da Série Momentos Íntimos para cima com muita facilidade. Mamães não são otárias em potencial sofrendo de falta de senso critico crônica. A maternidade não transforma ninguém em otária.

No final das contas esse foi o pior livro que li em 2012... Um fenômeno editorial incompreensível para mim... Sempre que me pego sentido necessidade existencial de gastar tinta com esse livro tenho raiva de mim mesma... Tantos autores bons para curtir no mundo e eu lendo esse troço, tantos livros para falar e eu falando nisso... Ao menos posso dizer que não comprei o livro, li o e-book e fui infeliz com ele, mas ao menos não gastei. E se alguém leu isso, me perdoem por ter feito vocês gastarem as pupilas com esse papo chato.

Pandora (Jacilene)

Nota:
Dou 1 Harry para o livro, pior impossível!
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

7 comentários:

  1. Bem, vamos lá! Eu não gosto desse livro por vários motivos, mas não acho que ele realmente seja um livro ruim, só acho que a autora tinha um grande tema pra desenvolver e não desenvolveu, no caso o sadomasoquismo. Poxa, se ela tivesse trabalho esse tema, mesmo com romance o livro poderia ter sido um macro, mas dai ela muda o protagonista da água pro vinho sem nem sequer se aprofundar direito no assunto! Por conta disso virou só mais um romance hot! E como vc mesma falou Jaci, esse tipo de livro não é nenhuma novidade, é só ler os romances de época da Meg pra saber disso!

    Beijocas, Michele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi, concordo com seu ponto, o livro poderia ser uma coisa bem interessante... Mas, para nossa alegria e pena escrever um livro não é simplesmente ter uma ideia e escrever, precisa de experiencia-pesquisa-maturidade e isso acho que faltou a autora!!! O livro ficou muito dãh

      Excluir
  2. Jaci, concordo com tudo! Fizeram uma publicidade tão grande que parecia mesmo que se tratava de um livro maravilhoso, inovador e super quente. Achei fraquíssimo em todos os sentidos. A história é muito bobinha e clichê e nem as cenas de sexo são lá essas coisas. E essa história de pornô para mamães é ridícula mesmo. De onde tiraram que mamães não entendem de sexo? Realmente, não é o pior livro do mundo. A leitura flui fácil e serve pra passar o tempo num dia em que a cabeça está cheia de problema e não dá pra se concentrar em nada muito profundo rs. Mas é só isso.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nadia, as vezes eu acho que as pessoas realmente acreditam que os bebês são enviados pela cegonha ou nascem de repolhos!!! rsrsrs.... Acho que o ponto mais forte do livro é exatamente a fluição da leitura de resto tudo é muito tedioso!!!

      Excluir
  3. Você não leu nem vai ler os outros, Pandora? O 2 é melhorzinho.
    A trilogia deixa muito a desejar, vc falou tudo na resenha.
    Fiz um post sobre os livros, mas a febre deles passou e não publiquei. Demorei a ler, esperei a poeira baixar e o fiz por curiosidade mesmo, para entender o que estava mexendo tanto com a cabeça das mulheres. Para mim, foi uma história de amor, que ela (a autora) apimentou, passou rasamente pelo sadomasoquismo, que não conheço nem um pouco, só de ver reportagens na TV, nunca me interessei em ler nada da área.
    Enfim, gostei de tudo que vc falou. Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina se não li, sou um poço sem fundo de curiosidade Lúcia. E sim, também estava esperando a onda passar para falar do livro, nem sempre gosto de falar dos assuntos na crista da onda!!! Posteriormente pretendo postar as outras resenhas por aqui! E sim, posta tua opinião também, agora fiquei mega curiosa!!!!

      Excluir
  4. Hahaha...
    Pandora...
    Eu li toda a série e gostei bastante...
    Mas, isso foi até que li a série da Silvia Day...
    Então me desapaixonei de 50 Tons de Cinza...
    Realmente, descobri gostei e me encantei com a escrita da Silvia...
    A mulher é boa no que faz...
    Depois que li sua série...
    Bem...
    50 Tons perdeu a graça pra mim...
    Huahuahua...
    Fazer o que...
    Sou de lua com livros...

    Bjo, bjo!!!

    ResponderExcluir