Culpa de mãe [Resenha Literária]


Titulo: Culpa de Mãe
Autora: Vanessa Anacleto
Editora: Independente

"Culpa de Mãe" é o primeiro livro da Vanessa Anacleto, editora do Fio de Ariadne, a personagem principal dele é a Fernanda, uma mãe de primeira viagem que a principio me pareceu ser meio louca, mas depois de ler o livro e conhecer melhor a Fernanda, percebi que não era para tanto.

O problema da Fernanda não é loucura, ela é mesmo é mimada, ou melhor uma figura terrivelmente mimada. Sabe aquele tipo de pessoa que tem tudo? Uma mãe legal, um marido dos sonhos (meu Deus dá um Olavo para mim \o/), a chefe que todo mundo pediu a Deus, o emprego que gosta, uma vida perfeita, um casamento ótimo, uma gravidez ideal e uma filhinha linda! Ela tem T-U-D-O mesmooo, até comida caseira saudável congelada na geladeira feita por outra pessoa. Acho que o primeiro dilema realmente sério da Fernanda é o dilema relacionado ao ser mãe, sendo que é nesse momento em que ela não pode mais ter tudo que ela quer ao mesmo tempo (o trabalho e a  maternidade) é que ela entra em crise e é nessa crise que nós a encontramos.

A maternidade foi o fator responsável por colocar diante dela a primeira grande questão existencial de sua vida, quando nós a encontramos pela primeira vez ela simplesmente está meio enlouquecida pela urgência do fim de sua licença maternidade e o livro narra justamente o processo dela de aprender a abrir mão de uma coisa em prol de outra, enfrentar certas impossibilidades e pequenos sofrimentos inadiáveis.

Mas, tenho de confessar, apesar de mimada, a protagonista é super fofa e carismática. Confesso: passei o dia inteiro lendo "Culpa de mãe", falando da Fernanda e mostrando as pérolas dela para minhas amigas pedagogas. Meu Deus, a mesma pessoa que parece chiar para pagar R$ 5,00  ao flanelinha é a pessoa que paga uma creche que custa o preço de uma universidade e planeja comprar uma esteira nova. Oi? O que é R$ 5,00 para a Fernanda que pode pagar uma creche que custa uma mensalidade de universidade e um esteira ao mesmo tempo? Cinco reais não é nem um cafezinho ou um salgado no shopping.

Enfim, a Fernanda é mega classe média e as pérolas dela a humanizam, a tornam ainda mais real. De repente todos cruzamos com gente assim todo dia, ela não é uma pessoa PERFEITA, ela é uma pessoa, com seus altos e baixos, com suas chatices e fofuras. Aliás, não só a Fernanda é um personagem que cativa a gente, tem também as pessoas que estão ao redor dela.

Sua chefe, a Cora, é ótimaaaa e rouba a cena do livro várias vezes. Em vários momentos ela faz a vez do Grilo do Pinóquio alertando a protagonista com ou sem sucesso. Ela é um personagem tão cativante que mais de dois anos após a leitura do livro ainda é fácil vê-la materializada em minha frente, com os óculos na ponta do nariz, divertindo-se as custas dos dramas da Fernanda.

Além da Cora, ainda existe na trama outras mães culpadas, responsáveis por criar um clube com direito a camisa, reuniões periódicas para desabafar e buscarem ajuda mútua na difícil tarefa de lidar com os desafios impostos pela maternidade.

Como nem tudo são flores, ainda continuo destacando um ponto incomodo: em determinado momento a Fernanda acaba optando por contratar uma babá. Sinceramente, a menina parece o que minha irmã chama de #McEscravaFeliz. A  mãe doente, vida dura pra chuchu, a entrevista excessivamente invasiva das suas contratantes, a falta de confiança latente das duas em seu trabalho e ainda assim ela aparenta ser uma pessoa tagarela e despreocupada, sorridente sempre.

Foi muito curta a abordagem da Vanessa em relação a atuação da babá na vida da Fernanda, mas apenas a sua entrevista de emprego foi o suficiente para me causar certa "revolta", pois também trabalho com a pequena infância (embora seja a pequena infância pobre, não de classe média) e talvez por isso sinta necessidade existencial de frisar: a vida pessoal de quem trabalha com a pequena infância é pessoal, se fumamos, bebemos, se ... e com quem não é da conta de nossos empregadores. Basta saber que não fumaremos, beberemos ou ... no espaço de trabalho.

Mas, apesar do meu friso, tenho a impressão que o padrão de "empregada perfeita" para uma mulher de classe média é a Babá Antônia, ela sorri para tudo, é sempre boazinha e ainda fornece a patroa um bom motivo para reclamar e fazer drama, seja porque sorri demais ou porque falta para cuidar da mãe/pai/filho doente. Aos meus olhos isso não é legal.

Enfim, voltando para as questões gerais do livro, "Culpa de Mãe" é envolvente, rápido, sua protagonista é ótima e está cercada por personagens igualmente ótimos. Foi fácil me envolver com essa história, amar, me irritar, ter vontade de dar uns cascudos na Fernanda, ter vontade de colocar ela no colo enquanto acompanhava seu processo de amadurecimento.

Só para constar: a Vanessa Anacleto disponibiliza o livro em e-book grátis AQUI.

Pandora (Jacilene)


Nota:

O livro é bom demais, vale a pena ser lido!!!
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Vai ser meu primeiro e-book. Comprei um tablet daqueles bem baratinhos e ainda não coloquei nada nele, como sou mãe e tenho que lidar com a culpa diariamente acho que vou adorar este livro. bjs

    ResponderExcluir
  2. Hum...parece um livro bem interessante e divertido. Pena que não leio e-book, porque ainda não consegui me acostumar com livros digitais. kkk A Fernanda parece ser bem engraçada com essas pérolas que você mencionou, leria!
    Beijos!
    Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  3. Parece bem legal! Adorei seu blog, bjss

    ResponderExcluir
  4. Ahh Pandora.. vida de mãe é assim. Parece ser um livro legal!

    ResponderExcluir