Admirável Mundo Novo [Resenha Literária]

Uma obra instigante, e bem atual. O escritor inglês Aldous Huxley escreveu na primeira metade da década de 1930 um romance bastante curioso intitulado “Admirável Mundo Novo".

Livro: Admirável Mundo Novo
Autor: Aldous Huxley
Editora: Globo
Preço médio: de R$ 9,70 a R$17,90

Apesar da infelicidade na escolha da capa,é um bom livro com um ótimo preço.


A obra futurista de Aldous retrata o mundo do futuro, onde se preza pela estabilidade social. A Obra trata da história de um grupo de pessoas que vivem no ano de 632 "Depois de Ford".  O escritor conta o cotidiano de uma época em que os hábitos e costumes da sociedade capitalista já estavam completamente distintos dos tradicionais padrões do mundo em que Huxley vivia.

No Admirável Mundo Novo as pessoas não nascem naturalmente, mas são criadas em laboratórios e decantadas. Lá elas são reproduzidas sob encomenda. As decantações são de grandes lotes formados por gêmeos para as castas inferiores. Estes estão predestinados  a mão-de-obra nas indústrias. O projeto de Bokanovskização, é o instrumento para a tão sonhada estabilidade social.  O indivíduo já nasce destinado a pertencer a uma espécie de casta e condicionado a aceitar sua posição na grande engrenagem que é a sociedade. 


A trama apresenta personagens bastante interessantes, como Bernard Marx, um Alfa (casta superior) - Mais que por possuir uma péssima reputação é excluído pelos outros de sua casta; Lenina Crowne, uma mulher “maravilhosamente pneumática”, que a início era muito desejada por Bernard, e que não suporta viver longe da sofisticação da “sociedade moderna perfeita”; e por fim, John, chamado de Sr. Selvagem, filho perdido de um casal de Alfas, Jonh foi criado em uma “Reserva para Selvagens” no Novo - México. Este lugar preserva tudo que a sociedade moderna repudia. O Selvagem é encontrado por Bernard e Lenina, e é levado até a Europa. lá fica emocionado ao ver a oportunidade de conhecer o seu pai e o Admirável Mundo Novo, contudo vê-se frustrado com as maravilhas efêmeras oferecidas pela sociedade dos prazeres infantis, entretanto Jonh ama profundamente  a Lenina.

Haviam os Alfa, os Beta, os Gama e os Ípsilons, de ordem crescente. Os valores familiares já não existem, foram abolidos, por serem considerados obscenos e ameaçarem a felicidade coletiva. O casamento foi extinto. As pessoas eram consideradas imorais se demonstrassem possuir parceiros fixos. Todos podem se relacionar com qualquer um que esteja desejando. O sexo é livre. As crianças já o praticam desde cedo, com as chamadas "brincadeiras eróticas". Os esportes tradicionais são excluídos, sendo enaltecidos jogos, como o Golfe Eletromagnético, por se considerar, além de um jogo divertido, um grande motivador para o consumo de produtos.  Não era tido como útil nada que não envolvesse a aquisição de bens. Cada individuo possui seu helicóptero, chamado de aparelho. A religião única constitui-se à adoração a Ford. Além do que, a maioria das coisas são de certa forma artificiais Ao exemplo da música sintética, a pseudochampanha,  o cinema sensível, o pseudossangue, chicletes de hormônio sexual, ou bolsas de pseudomarroquim verde.

Tudo isso é justificado em prol da consolidação de uma "sociedade perfeita", plenamente feliz, longe de guerras, violência e de problemas. Quando eventualmente  surgem adversidades as pessoas ingerem dois, três ou quatro comprimidos de meio grama de soma, uma espécie de "droga legalizada", que proporciona uma fuga rápida e que não causa no dia seguinte efeitos colaterais. “Eufórico, narcótico, agradavelmente alucinatório.”. Os trabalhadores recebem do governo sua ração diária de soma.

Enfim, o mundo imaginado por Huxley é assim: rodeado de prazeres, obcecado pelo novo, mas, principalmente, com repúdio ao antigo. A trama daria um ótimo filme, principalmente se levarmos em consideração aos avanços tecnológicos cinematográficos de computação gráfica atuais. Recomendo, apesar de ter achado sofrível a arte da capa da edição e bolso da Editora Globo. (Na minha opinião uma das capas mais feias de livros que tenho em minha estante) Contudo, o seu baixo preço e seu conteúdo superam este ponto negativo.

Nota:



Alexandre Melo
Compartilhe no Google Plus

Sobre Alexandre Melo

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

16 comentários:

  1. Alexandre, estou relendo esse livro e contemplo absurdada a atualidade do texto de Aldous, é assustador... Sua resenha ficou ótima, muito legal ver esse livro ser comentado, ele é clássico, inquietante e daqueles que após a leitura eu jamais fui a mesma novamente.

    Cheros e parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostou, Jaci. É um livro muito interessante e reflexivo. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Taí um clássico que ainda não li, mas depois da resenha fiquei morta de vontade! Parabéns Alexandre, a resenha está instigante!

    ResponderExcluir
  4. Realmente é muito atual, imagino que tenha uma crítica magnífica e que mudaria minha vida por causa dessa dose imensa de realismo, mas falando sério tô afim de me alienar kkkkkkkkkkk a cabeça tá pesada de informação.

    ResponderExcluir
  5. Olá!!!, Deus te abençoe boa tarde, amigo esse livro
    deve ser maravilhoso amei a resenha sucesso amigo.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderExcluir
  6. Mesmo a edição sempre fraca, parece ser um daqueles livros indispensáveis para a leitura
    Gostei da dica

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oii, tudo bom?
    Esse livro é beem famoso, né? Eu já tinha ouvido falar dele, mas confesso que nunca tinha me interessado muito pela história, mas parece muito boa! Fiquei morrendo de curiosidade agora.
    E realmente, ninguém merece mesmo essa capa, bem feinha =(

    Beijoss
    Thaís - Instinto de Leitura

    ResponderExcluir
  8. é realmente incrível como esse autor é atual. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  9. Parece uma leitura daquelas indispensáveis, vou ver se encontro em alguma livraria, se não, baixar em pdf mesmo. Adorei sua resenha, bem detalhada e explicativa.
    http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Tenho uma grande curiosidade em ler esse livro e a sua resenha só me motivou mais a fazer isso hahaha adorei.
    Leitora nova, beijos!
    Se puder dar uma olhadinha no meu blog e dizer o que acha eu ficaria muito feliz: http://feitadepalavras.blogspot.com.br/ =]

    ResponderExcluir
  11. Fiquei com vontade de ler após sua resenha.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  12. Oi, eu não conhecia este livro, mas me interessei pela história. Parece ser um livro muito bom.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Ótima resenha Alexandre.Esse livro é um dos grandes ícones da distopia, ouvi falar muito sobre ele na faculdade. Depois da sua resenha minha vontade de ler só aumentou ainda mais.
    Te desejo um ótimo Natal e Ano Novo
    Beijos
    Paloma Viricio- Monólogo de Julieta.

    ResponderExcluir
  14. Faz tanto anos que li esse livro, Alexandre, que não lembro dos detalhes.
    Mas tenho ele na minha biblioteca. O que não tenho é tempo para reler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia Liliane! é ótimo! Clássico sempre é clássico! rsrs
      Volte sempre!

      Excluir