O Mistério da Libélula [Resenha do Filme]


Acredito que todos conheçam essa história magnífica, mas não pude deixar de comentá-la. Vi no outro dia, então ainda está fresca na minha memória a emoção (sim eu chorei kkkk) que esse filme deixa na gente.

Bom, Joe Darrow é um médico que acaba de enviuvar. Sua esposa Emily devia ser sagitariana ou aquariana, porque foi logo se meter numa missão altruísta no meio da selva Venezuelana. Ela cuida do povo Ianomami  por um tempo, e quando resolver partir, o ônibus em que estava sofre um acidente. Nessa parte eu não pude evitar de lembrar do meu professor de antropologia, que no mestrado dele foi fazer trabalho de campo nessa tribo. Deve ser uma experiência muito bacana e um choque cultural terrível.

Estão vendo as cruzes tortas?
Porém, seguindo com o bonde, Joe está tentando superar sua dor, mas uma promessa feita à esposa o faz cuidar dos seus pacientes na ala de oncologia infantil do hospital onde Emily e Joe trabalharam antes do acidente. Acontece que essas crianças tiveram uma EQM (Experiência de quase morte) onde visualizavam um arco-íris, uma cruz torta e a esposa de Joe. Aliais, só pelo fato da cruz torta encher o saco do inicio ao fim, acho que o nome do filme deveria ser: "mistério da cruz torta" e não da libélula, afinal, a única participação desse inseto é ser o formato da marca de nascença de Emily.

De primeira Joe está um pouco cético, mas aos poucos vai ficando obsessivo com essa história e resolve ir sozinho para a Venezuela descobrir o paradeiro de sua esposa.  Gente eu queria dar um spoiler do fim, mas spoiler é crueldade né? Somente no fim vocês vão entender porque eu amo esse filme (se é que já não sabem). É a coisa mais linda, fofa e bacana que eu já vi. Acho que tem um pouco de preconceito na fala final do Kevin Costner, mas também concordo que o que ele encontrou entre os Ianomâmis foi um milagre, não pelos motivos dele, mas pela forma que encontrou a surpresa final, em meio a grandes riscos, dos quais foi salvo sempre no ultimo minuto, e  pela disposição dos mortos em ajudá-lo.
Aiaiai. Não dou mais nenhum pio! Beijos
Alê Lemos.

Nota:


Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

10 comentários:

  1. boa dica dispensa comentários tem meu voto !!
    Abraços até ...

    ResponderExcluir
  2. Ainda não assistir \o/, mas já conhecia a história ((=
    Meu Filme virou Livro

    ResponderExcluir
  3. minha mãe gosta desse filme. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  4. Este filme é lindo! Quando a gente é mãe tem estas coisas de pressentimento e uma forte sensação de proteção aos filhos, por isso acho que não seria impossível esta história acontecer na realidade. Tá, pirei, né? bjs

    ResponderExcluir
  5. Minha mãe ama esse filme, já eu não sou tão fã assim, mas adorei a sua resenha!

    www.whoisllara.com

    ResponderExcluir
  6. Eu já assistir esse filme e sinceramente achei que era uma coisa e no final foi outra completamente diferente. Não é a toa que as mães gostam tanto desse filme porque, pelo o que vejo delas, o seu pior pesadelo é deixar seus rebentos desamparados e a sua maior esperança é mesmo depois de tudo poder cuidar deles. Tenho uma professora que depois que virou mãe se tornou devota de Nossa Senhora, só porque na santa ela encontrou uma figura de mãe nas mãos da qual entregar a filha.

    ResponderExcluir
  7. Ainda bem que você não deu o spoiler porque ainda não vi o filme hehehhehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Olá! Nossa, faz muito tempo mesmo que eu vi esse filme. Tava tentando lembrar aqui, pois algumas coisas me pareciam bem familiar. Não me lembro da história toda, mas de certas partes apenas.
    Beijinhos

    Bia - Blog Escrevendo Mundos
    www.escrevendomundos.com

    ResponderExcluir
  9. Já ouvi falar muito bem desse filme mas não assisti ainda. Uma amiga também disse que chorou horrores quando viu... e eu que nem sou emotiva... já vi que precisarei de lenços de papel, hehehe!

    ResponderExcluir