103 Contos de fadas [Resenha Literária]


Li esse livro durante um ano. Não foi uma leitura fácil, sabe? Não por causa do jeito que a autora descreveu as histórias, ela não tem um vocabulário trincado nem escreve como se fizesse um relatório, mas possui uma visão bem cruel e dura dos contos de fadas, ao menos para alguém que cresceu encantada pelos contos da Walt Disney.



Acho que não estava preparada para lê-lo. Na época eu ainda não tinha lido O grande massacre de gatos, um livro que fala sobre os contos de fada no período medieval e então nem desconfiava que na tradição europeia todos aqueles heróis foram inspirados numa realidade dura de gente sofrida. Para não ficar muito abstrato, vou dar alguns exemplos do que encontrei no Grande massacre de gatos e depois compararei com a obra de Carter: Chapeuzinho Vermelho, por exemplo, perde a avó para a fome do lobo e é estuprada por ele enquanto o dito cujo fingia ser sua avó.



A Bela adormecida é estuprada pelo príncipe consecutivas vezes e só acorda quando uma das crianças que ela pariu dormindo por acaso lhe arranca o espeto do dedo. Já no conto da Cinderela, as irmãs postiças cortam o próprio calcanhar para casarem com o príncipe e ao invés de fada madrinha, “originalmente” a gata borralheira conversava com a mãe morta.



Angela Carter não dá uma explicação historiográfica como Robert Darnton (no outro livro que citei), mas ela não esconde a maldade, a violência e a malícia. Temos contos que falam da violência contra a mulher, alguns sobre incesto (como a avó que se transformava em caçador e engravidou a neta) e muita boca suja. Vejam o seguinte trecho:
“ Ela conseguia vencer a maioria dos homens e então lhes dizia: “Onde você estava na distribuição de testículos?”. Ás vezes essa Sermerssuaq exibia o próprio clitóris.Ela era tão grande que a pele de uma raposa não podia cobrí-lo por completo. Aja, e como se isso não bastasse, ela ainda era mãe de nove filhos!" (essa é a introdução de um conto inuíte).
Outro tema que aparece muito é sobre pessoas tirando vantagem do outro ou se safando com a inteligência, o que aparece no livro do Darnton,como uma característica importante dos contos de fadas. De certa forma, Carter traz uma versão mais próxima da tradição medieval do que as versões contemporâneas (como da Disney, por exemplo) que escondem a dureza da vida camponesa. Porém, o que gostei mesmo no livro foi que a autora trouxe as versões de Cinderela e outras princesas em culturas orientais e também trouxe vários contos da Àfrica, do Alaska, da Birmânia e muitos outros lugares que a gente nem sabe direito onde fica.



Recomendo para maiores de dezoito anos, nerds interessados em entender um pouco mais desse universo de contos de fadas e para curiosos em geral.

Dados do Livro:

Titulo: 103 Contos de Fadas
Título Original: Angela Carter's Book of Fairy Tales
Autora: Angela Carter
Ano de publicação: 2007


Um Abraço, Alê lemos.
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

12 comentários:

  1. Fiquei muito curioso em ler esta obra! Vontade de verdade! Deve ser rico e histórico! Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo! É maravilhoso apresentar livros para as pessoas.
      Bjus Alê

      Excluir
    2. Obg Alê! Vou procurar sim. Bjs!

      Excluir
  2. Não gosto muito de contos

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!!

    Realmente os contos de fadas não tem nada de bonitinho como a Disney nos fez imaginar. Talvez seja por isso que ando tão chata quando se trata de animações da Disney com princesas e tals. Eu já havia lido sobre o grotesco e verdadeiro caso da cinderela e do estrupo.

    Essa obra é bastante curiosa aliás, justamente por desmascarar o que a Disney um dia chamou de "bonitinho" rsrsrs

    Quem sabe não o leio qualquer dia desses?

    ResponderExcluir
  4. Oi Alê!
    Eu já sabia que os contos de fadas originais não eram bonitinhos como os da Disney, mas esse trecho que você postou chega a ser bizarro. Leria esse livro mais por curiosidade em conhecer essas versões.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bizarro mesmo. Quer dizer, muitos deles são principalmente os do alaska, mas tem coisas legais também.
      Beijos Alê

      Excluir
  5. Eu já havia lido em algum lugar sobre a crueza dos contos de fadas em suas formas originais, mas na ocasião acabei não indo em busca do livro para ler, porém agora quero fazê-lo. A Disney tem uma visão muito colorida das coisas, já duvidava cá comigo que, na época em que os contos eram tradição oral, eles fossem dessa forma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah então leia os dois livros que comentei. O do Darnton é ainda melhor.
      Beijos da Alẽ!

      Excluir
  6. Olá Alê! Gostei muito da dica do livro, não conhecia e me interessei bastante. Gosto dessas versões de contos de fadas...só não curti mesmo a capa. kkk
    Beijos!
    Monólogo de Julieta.

    ResponderExcluir