Frozen: Uma aventura congelante [Resenha do Filme]


Baseado no conto "A rainha da Neve" de Hans Cristian Andersen, "Frozen" é a história de duas princesas: Elsa e Anna que viveram por muito tempo trancafiadas num castelo. Elsa, a mais velha, nasceu com poderes especiais: o dom de manipular e produzir gelo. Sua irmãzinha a adora, mas um dia o poder de Elsa prejudica Anna e a princesa herdeira decide se afastar da irmã. Aconselhada por trolls, a garota tenta controlar seus poderes, mas a super proteção de seus pais acaba confundindo-a e ao invés de desenvolver controle sobre seu dom, ela o inibe, sufoca e quase é engolida por ele, diga-se de passagem.

Gostei bastante dessa animação, sabe? Não só nos surpreende pelo direcionamento do enredo para um final feliz pouco convencional para o gênero, como a parte gráfica dele é sensacional. Meu amigo que faz design ficava gritando de êxtase no cinema (achei bem divertido observar isso, é o tipo de orgasmo profissional que eu sinto quando alguém produz algo sobre história para leigos que surpreende pela excelência do conteúdo), xingou todos os palavrões que podia.  Eu que entendo muito pouco sobre animação admirei a elegância da Elsa e o minimalismo dos cenários. Mesmo não tendo assistido em 3D dá pra sentir um certo volume nos objetos e nos personagens, o que acredito ser a característica da animação em CGI.

A parte do som também foi perfeita. Eu assisti legendado no cinema, mas quando vi a versão dublada no Youtube quase caí para trás. A Voz de Indina Menzel e da dubladora são muito parecidas, muito bonitas (ao menos eu acho). Combina com esse jeito mais maduro da Elsa e o trabalho da dublagem (por mais que critiquem por aí) me impressionou. Diferentemente da versão espanhola cantada pela Martina (da novela Violeta) a brasileira conseguiu criar uma versão com a sonoridade das palavras e rimas muito parecida com a inglesa. Achei bastante criativo.

Além de elogios a parte técnica, vou rasgar um pouco de seda para os roteiristas que criaram personagens muito cativantes. A Elsa é mais controlada emocionalmente, madura e responsável, já a Anna é alegre, imatura e totalmente amável. De certa forma, acho que elas representam duas fases do amadurecimento, em outras palavras, todo mundo nasce meio Anna e depois de umas porradas adquire a experiência da Elsa.  No início eu não estava gostando muito da irmã mais nova, porque era muito pentelha, mas a relação bacana que elas tinham me cativaram, e depois me apaixonei individualmente por cada uma, ao entender seus problemas individuais. Mas não foi só as principais que me chamaram atenção não! O meu preferido do filme era o Olaf, que constantemente era deixado de lado pelos mocinhos, por mais que estivesse sempre lá por eles. Como não sentir pena enquanto ele sonhava com o verão ou não se emocionar com a dedicação dele? Gostei da dublagem dele, apesar de estar acostumada com o Porchat falando um monte de palavrões, o comediante soube dar um toque de inocência e humor na medida certa ao bonequinho.

Um detalhe, que acho que muita gente não está comentando, é o par romântico da Anna: o Kristof. Gente, eu achei genial aquela cena dos trolls cantando para a Anna sobre o rapaz. Naquela hora tivemos décadas de príncipes disney jogadas no lixo. Fala sério, os trolls colocaram ele abaixo de zero! O rapaz até fedia! Pode parecer que eu sou louca, mas Kristof apesar de ser bonitinho, parece um garoto de verdade cheio de defeitos e que não corresponde aos sonhos femininos de perfeição masculina, mas que pelas qualidades de caráter foi escolhido. Nós, nessas décadas de 2000, temos visto muitas princesas que desafiam os velhos padrões, mas acho que essa inovação dos príncipes estava faltando.

Mas é melhor deixar de trolóló. Não posso monopolizar a prosa, né?
E você o que pensa disso tudo?

Nota:




Beijos Alê Lemos.
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

15 comentários:

  1. Quis muito assistir, mas não fui na época em que estava nos cinemas justamente porque só tinha dublado. Não questiono a qualidade das dublagens, mas dou preferência ao idioma original.

    Até hoje sempre detestei todas as dublagens que cheguei a ver em espanhol, de qualquer filme, seja animação ou filme mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ver no idioma original é legal porque não perdemos as piadas, mas acho nossos dubladores muito legais, principalmente quando se trata de desenho animado.
      Bjins da Alê.

      Excluir
  2. Acredita que ainda não assisti ao filme? Pois é, não fui na época que estava no cinema e agora fico enrolando para ver. Mas vou tentar assistir logo. Me animei com a postagem.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de agosto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não viu? Então que bom que eu não dei spoillers dessa vez kkkk
      Bjins da Alê.

      Excluir
  3. Adoro esse filme. O final foi lindo *--*

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei o final muito bacana, pena que tenha gente bossal falando que a Anna e a Elsa são apaixonadas uma pela outra, como se incesto fosse coisa que a Disney colocaria em filme...

      Beijos da Alê.

      Excluir
  4. Eu gostei do seu texto pelos detalhes que vocês expôs e que na maioria das vezes não prestamos atenção a eles. Eu assisti e achei fofinho, rsrsrsrs. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Achei muito fofinho também =^ ^=

      Beijos da Alê.

      Excluir
  5. Ah...fofo! Eu amo animação, e fico mais empolgada ainda para ver essa aii quando alguém fala sobre. Quero mergulhar nesse universo de cabeça.
    Beijos!
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  6. Eu não tinha muito interesse nesse filme. Mas amo o conto A rainha da neve. É um dos meus favoritos e agora que você falou que é baseado nele, vou ter que assistir.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Acredita que eu ainda não assisti ao filme, mesmo já tendo visto algumas versões de Let it Go? Fiquei com birra pré-conceito da obra por há pessoas idolatrando, como se fosse a melhor obra da Disney e esquecendo-se que mesmo as antigas souberam inovar a sua maneira, a.k.a. Mulan. rsrsrsrsrs
    Gostei da sua crítica, foi boa e sensata. Estou pensando em assistir ao filme em breve.

    Até mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo muito com você Natália. A Disney desde que iniciou vem inovando com um filme atrás do outro. O Mickey foi o desenho que melhor sincronizou som e imagem no seu tempo e As flores e as árvores foi o primeiro desenho colorido. "Branca de neve" foi o primeiro longa metragem, "A Bela Adormecida" foi o que melhor realizou o encontro da animação com a arte europeia. "A Bela e a Fera" foi um desenho feminista e Mulan também. Todas essas obras foram incríveis para cada época onde foram lançadas e não dá pra esquecer delas na hora de falar dos estudios Disney, mas Frozen também não deixa de ser inovador, só que de um jeito diferente.

      Excluir
  8. Ta todo mundo falando desse filme e nao assisti ainda.. Preciso conferir pra n ficar por fora..

    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. é muito fofo, não tem como não se apaixonar! let it go fica na cabeça!

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Alicia Jaramillo6 de julho de 2015 15:40

    Congelado acho que é uma proposta incrível da Disney veio para conquistar jovens e velhos. Agora é um dos mejores películas disponible en HBO não perca a oportunidade de ver e desfrutar a magia da Elsa e Anna, nesta história de amor pouco convencional

    ResponderExcluir