V de verso [Resenha Literária]



Livro: V de verso
Autora: Elisa DiCastro
Editora: Decápole

Quando Elisa DiCastro, autora de "V de verso", me procurou pra me mandar seu livro eu fiquei mega feliz. Fazia tempo que não lia poesia, principalmente de autores modernos! E mais feliz ainda fiquei com o livro, pequeno e bonito, quase como um caderno!

O prefácio foi escrito por Aura Lyris e é possível já perceber o que encontrar pela frente: “sinceridade brutal” e uma autora “multifacetada”, pura verdade! O livro é composto por diversos temas, mas alguns acabam aparecendo mais que outros como a insônia ("A culpa é toda sua", "O velho", "A vida é bela"), o suicídio ("Por favor, não se mate", "Amores"), o poeta e a poesia ("Criatura", "O poeta", "Escrever", "Poema em Construção") e o amor (presente em quase todas as poesias).

A autora não se preocupa com a métrica e nem todos seus versos rimam, mas o lírico está fortemente presente, por vezes com um tom mais pessimista de quem sofre por amor, outras vezes num tom mais irônico e humorado. Alguns poemas me fizeram lembrar Carlos Drummond de Andrade, principalmente “Amores”:

Maria não acreditava no amor.
Ela amou José que amava Lúcia que se suicidou.
José virou padre. Doeu para Maria, mas acabou, esqueceu.


Maria amou então Fernando que amava Clarice que não amava ninguém.
Fernando entristeceu-se e virou mendigo.
Doeu para Maria, mas acabou, esqueceu.


Maria amou Caio que amava Doca que amava Lucas que amava a si mesmo.
Caio jurou não amar mais ninguém e assim o fez;
Doeu para Maria, mas acabou, esqueceu.

Maria amou Carlos que a amava também.
Mas então Maria percebeu que só o amor não bastava.
Mas acabou, esqueceu.
E jurou a si mesma nunca mais amar ninguém. E assim o fez.


Quadrilha
Carlos Drummond de Andrade

João amava Teresa que amava Raimundo 
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili 
que não amava ninguém. 
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o 
convento, 
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, 
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto 
Fernandes 
que não tinha entrado na história.


Bom, enquanto que no de Elisa a história gira em torno de Maria e sua busca pelo amor, em "Quadrilha" de Drummond como o próprio nome diz é uma quadrilha amorosa de desencontros amorosos. É perceptível a semelhança dos desencantos amorosos nos dois temas e inclusive na construção do poema. No final, Lili se casa com um homem de sobrenome, alusão a posse financeira e no caso de Maria, apesar de finalmente encontrar o amor, percebeu que só ele não bastava, provável alusão ao aspecto financeiro também. Outras semelhanças são perceptíveis tais como: Lili não amava ninguém, tal como Clarice, Joaquim se suicidou, tal como Lúcia, José virou padre e Teresa freia.

Totalmente explicito que Elisa bebeu na fonte do mestre Drummond e fez de sua maneira uma nova dança das cadeiras do amor. Fica claro ao longo do livro que Elisa é uma poetiza mais da alma e do coração, sendo que as estruturas do poema não a preocupam, é como se ele a escrevesse deixando seu “eu” lírico fluir, uma dos motivos pelos quais talvez ela se aproxime mais de Drummond, já que uma das características dos poetas modernista é a instituição do metro livre e liberdade linguística. Outros traços modernos são os poemas-pílulas, já que alguns de Elisa são curtos e concisos ("O poeta", "O meu amor", "Das Pedras"), assim como os de outro poeta moderno, Oswald de Andrade. 

Enfim, “V de verso” mostra claramente que Elisa Di Castro é uma autora em ascensão, com poemas melancólicos, com temas já amplamente debatidos (como a criação da poesia) e poemas mais modernos, em que aparece um pouco mais da cultura que a rodeia (como em "Contos de fadas", um dos meus preferidos), aliás, acho que Elisa deveria se enveredar mais por esse caminho, fazendo poemas colocando mais da cultura moderna. Para quem é amante da poesia não vai se arrepender de ler esse sensível e bem humorado livro!

Michele Lima

Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

2 comentários:

  1. O livro não faz muito meu estilo
    Mas gostei da proposta
    Já estou seguindo ;)

    Beijos
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu amo poesia, não sei viver sem ela. E embora seja mais Fernando Pessoa que Drummond gostei daquilo que tu mostrou sobre o livro da Elisa e ela já esta na minha listinha de autoras que pretendo conhecer, espero que em breve ela escreva mais e que vá melhorando cada vez mais a sua escrita!!!

    ResponderExcluir