O Visconde Partido ao Meio [Resenha Literária]

Olá gente, quanto tempo! Após uma longa luta escrevendo a dissertação, (que ainda não está terminada) consegui um tempo livre para ler algo mais recreativo. e quem me convidou desta vez, foi Italo Calvino, um autor que vem me surpreendendo a cada nova leitura. Depois de ler “As Cidades Invisíveis”, livro absurdamente fabuloso, chegou a vez de “O Visconde partido ao Meio” obra que me atraiu justamente pelo seu título sugestivo.

Versão em e-book. Tomei a liberdade de trocar a capa original (amarela) pela versão da edição de bolso.
O italiano consagrou-se com seus contos e histórias em estilo de fábulas, onde sua criatividade extrapola e muito  a realidade, despertando em nosso imaginário as mais fantásticas interpretações de seus contos.

Neste livro, Calvino narra a história do visconde  Menardo di Terralba, que durante uma guerra contra os turcos, acaba sendo bombardeado por uma bala de canhão. Ferido, os médicos conseguem lhe restaurar apenas metade exata de seu corpo: meio rosto, meio tórax, um braço, uma perna, ficando o restante esmigalhado amputado. Partido ao meio, o visconde volta a sua terra e em seu castelo passa a demonstrar um temperamento diferente do que os seus servos estavam acostumados a ver, mostrando-se maligno. No decorrer da história, surgem personagens interessantes, como o escudeiro Curzio, a ama Sebastiana, ou ainda o Dr. Trelawney, médico que não gosta de ser médico. A história é narrada por seu jovem sobrinho bastardo, que não divulga o seu nome, e ainda a moça do campo Pamela, que tem papel de destaque do meio para o final da história. 

A surpresa vem quando o visconde Menardo encontra com o restante de seu corpo, o lado esquerdo, que incrivelmente foi encontrado e curado. Diferentemente da sua face má, o outro lado do visconde vive a fazer bondades e caridades. Descobre-se então dois viscondes controversos: um rico, arrogante e maligno, dono das terras, e outro maltrapilho, que vive a vagar pelas ruas, mas a fazer o bem. Que interessante!: Um único indivíduo, mas dividido ao meio, onde um lado, o direito, é maléfico; e o outro, o esquerdo, é bom. As visitas dos dois Menardos às aldeias onde vivem leprosos em festa e orgias (!!), e também ao sitio dos Huguenotes, trazem a narrativa a  multiplicidade dos sentimentos existentes entre os habitantes de Terralba para com o visconde. Tanto a maldade excessiva do Menardo direto, quanto a bondade demasiada do esquerdo faz com que nem um nem outro sejam bem vindos na localidade.

Por meio dessa improvável história, Italo Calvino apresenta as ambiguidades do ser humano, e sua incompletude natural. Calvino visualiza em uma metade de humano a integridade desejada dos sentimentos, seja o bom ou o mal, mas ao mesmo tempo, propõe seus máximos efeitos, que incluem  a sua não aceitação completa por partes da sociedade. O autor propõe paradoxalmente em uma metade, a visualização da integridade, e em um inteiro, a incompletude do ser humano. A extrapolação do real faz parte da narrativa das obras de Italo Calvino. O livro é curtinho e vale a pena ser lido. No Brasil,  é editado pela Cia das Letras, que tem duas versões nas livrarias: a mais simples,(amarela) que segue o mesmo padrão dos outros livros do Calvino pela editora, e a de bolso, que tem uma capa, ao meu ver, mais bonita. 

Informações do livro:

Livro: O Visconde Partido ao Meio
Autor: Italo Calvino
Editora: Companhia das Letras
104 pgs
Preços: R$11,90 a R$ 31,58
E-book: R$ 15,50

Nota: 


Alexandre Melo

Compartilhe no Google Plus

Sobre Alexandre Melo

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

8 comentários:

  1. eu sou apaixonada por esse livro. cheguei a viajar para belo horizonte para ver uma peça baseada nessa obra do Grupo Galpão que foi maravilhoso. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Olá Alexandre!
    Não conhecia nada sobre o autor nem sobre o livro, mas só de ler sua resenha fiquei com uma imensa vontade de conhecer! Achei a premissa do livro muito interessante e já estou indo em busca do meu exemplar!

    Beijos
    http://estantedafer.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da resenha e vou adicionar na minha lista de compras rs, mais livros e uma fila que não acaba mais rs.

    Adorei seu blog, vou sempre conferir as novidades.

    www.livreando.com.br

    ResponderExcluir
  4. Quando vi o nome do livro não tinha me interessado muito, mas lendo a sua resenha gostei. E também prefiro a capa que está no kobo, além de ser mais bonita, chama mais a atenção.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Olá!!

    Livro curioso esse, embora eu tenha ficado intrigado com as duas metades... Elas estão juntas ou separadas? O.o
    Interessante o livro. Irei procura-lo para um futuro próximo (já deixei muitas leituras acumuladas)

    Até mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Separadissimas Natália. Pois é, Calvino era muito viajado! Rsrsrs abraços!

      Excluir
  6. Alexandre,

    Calvino está naquela lista de autores que eu acredito que devo conhecer mas que acabo sempre protelando - alô, Mia Couto?! - mas sua resenha me deixou intrigado, e o final dela é um convite a leitura, já que fiquei aqui imaginando um ser completo enquanto metade, mas incompleto inteiro. E, como disse que o livro é curto, vou fazer força para ler.

    Dois abraços!

    ResponderExcluir
  7. Esse assunto é um daqueles q nos fazem refletir por um pedaço de tempo, certo? acho q mesmo q seja uma fabula ou conto de fadas, nada mais é interessante do q ver refletido em historias aparentemente tão simples os complexos sentimentos humanos, Boa resenha! bjooo

    ResponderExcluir