TCM, Bonanza, Os pioneiros e Dra Quinn [Devaneios]


Todo mundo conhece o telecine cult, né mesmo? Todos os filmes dele são ou velhos ou alternativos/independentes. Enfim, coisa de gente intelectual (ou pseudo intelectual) metida a besta (o que não quer dizer que eu não assista, às vezes). Mas nem todo canal que passa filmes e séries antigas é tão antipático.

Eu costumo assistir ao TCM quase todos os dias por causa de 3 séries, elas são: "Os pioneiros", "Bonanza" e "Dra Quinn". Em todos eles eu sinto uma sensação de conforto, pela inocência que passam. Em nenhum deles o "mal" é enraizado de forma a transformar as pessoas em caricaturas. Todos tem seu lado bom e o mau (bom, talvez não a senhora Ollieson e a filha dela em "Os Pioneiros").



Bonanza

Em "Bonanza", a famíla CartWrigth composta pelo pai Ben, pelo filho Hoss e pelo outro filho o John, vivem ajudando as pessoas por onde passam. É claro que trocam muitos "pipocos" em todos os capítulos, e nem sempre conseguem regenerar o personagem que tenta se aproveitar deles (já quase foram enganados, por ciganos, pais mentirosos, falsos videntes, amigos que se juntaram ao crime), mas o final é sempre feliz e um tanto moralista. Hoss é o irmão que mais cai nas armadilhas, porque apesar de grandão tem um coração feito de açúcar. Vive salvando donzelas indefesas e fazendo amizade com crianças abandonadas. Acho que é o meu preferido, apesar de John ser o irmão bonito. O pai, Ben Cartwrigth, é tranquilão, carinhoso e sábio. Ele não perde nenhum pouco para os filhos, pois é tão bom com o gatilho quanto os garotos. Cada episódio normalmente tem um CartWrigth como principal, mas também tem os que os três agem juntos. O que importa é que no fim eles ajudam as pessoas, não importando se vão ou não perder dinheiro com isso.

Em "Os pioneiros", John de Bonanza é Charles Ingles. O ator troca o gel por madeixas rebeldes e cacheadas e de rico vai para um pobretão, pai de família adorável. Ele tem três filhas: Mary, Laura e Raquel, e me parece ser o pai mais meigo e compreensivo do mundo. A filha mais velha de Ingles é Mary, a menina mais bonita e inteligente da cidade, que todos dão em cima, mas que infelizmente é terrivelmente tímida. Já Laura, a do meio, é a menina dos olhos do pai. "Pinguinho" como ele a chama, é a menina das travessuras. Vive arrumando encrenca com Nelly (a menina mimada da cidade que adora uma maldade) e com o irmão dela, que seguem aquele paradoxo de meninos que têm tudo, mas estão sempre infelizes porque os outros não gostam deles. Laura é do tipo "despachada", teimosa que por mais que tenha a melhor das intenções faz tudo errado e sempre precisa do pai para consolá-la. Raquel é muito nova e normalmente só aparece para perturbar as irmãs, mas mesmo assim é muito fofa. Meu episódio favorito é quando a Laura se apaixona. Ela na cara de pau vai atrás do garoto e o conquista com aquele jeitinho cheio de energia. Nela só não gosto da dubladora que é muito esganiçada, mas é o tipo mais fácil de criança para amar.  



E por fim vem a "Doutora Quinn": a mulher que cura. Nesse não tem personagem de outro seriado que eu conheça, mas ainda sim é muito legal. Micaela Quinn se formou em medicina numa faculdade para mulheres. Depois foi trabalhar no hospital do pai, mas quando este tem um AVC e sua mãe lhe enche a paciência para virar uma "mulher de verdade" (na sociedade da época ainda significava ser esposa e mãe), ela resolve exercer a medicina em "Colorado Springs". Nessa cidadezinha nos confins do oeste, Micaela precisa provar que não é preciso ser homem para curar doenças. Lutando contra falsos médicos que arrancavam dentes bons ou sangravam pacientes já muito debilitados, e também contra pessoas preconceituosas, Dra Quinn vai construindo sua reputação com muito sacrifício, principalmente porque do nada ela herda três filhos de uma amiga falecida.


O único que desde o início que parece aceitar Micaela, apesar de não entendê-la, é Byron Sully, um ex soldado que "surtou" por ter perdido mulher e filho e que só encontrou consolo entre os povos indígenas. Acho legal que o seriado fale da polêmica dos nativos nos Estados Unidos, porque foi um assunto complicado nesse país. Muitos índios foram dizimados em reservas covardemente. O governo roubava as terras deles e os colocava nesses lugares junto com tribos rivais. Foi legal perceber que a dra Mike (apelido para Micaela) conquistou respeito primeiro entre os nativos e muito tempo depois entre os seus. Quanto ao casal Sully-Mike, eu só tenho elogios a fazer. Ele é caladão e ela hiper intrometida, mas os dois sempre estão perto quando alguém precisa de ajuda, por prazer em ajudar. É legal ver o amadurecimento da relação deles, pois um vai ganhando características do outro e se tornando um só (em alguns aspectos).

Dos três seriados, acho que gosto mais da Dra Quinn, apesar de ser muito moralizante às vezes. Ao contrário dos outros dois não é uma série tão inocente e as mulheres não possuem um lugar tão passivo na sociedade, sem falar que por não ser tão inocente as desgraças não parecem tão dramáticas. Mas o motivo principal de gostar dessa série, é que Micaela revoluciona o pensamento dos cidadãos. Ela chega obrigando que a aceitem e mostrando que é preciso combater o preconceito em vários níveis, mas com certeza os debates de gênero são os principais, pois dá-se voz a mulheres negras, a prostitutas, viúvas espancadas, leprosas, feministas e imigrantes (sejam chinesas ou escandinavas que eram tratadas da mesma forma:como lixo). Em outras palavras, Dra Quinn é polêmica e provavelmente seria um bom material educativo ainda nos dias de hoje.

Bom, por hoje é tudo. Deixo 4 Harrys para as três séries e um abraço para vocês.



Alê Lemos.

Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. bom, eu confesso que vejo uns trechos de bonanza de vez em qd e acho-os bem machistas. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah é verdade! Bonanza é bem machista. As mulheres estão lá só para serem objeto de decoração. Mas gosto dos personagens masculinos, o Hoss é um fofo.

      Excluir
  2. Oi Alê!
    Acredita que eu nunca vi nenhuma dessas séries? Pra ser sincera com você, eu nunca tive interesse. Não é o estilo que eu costume ver, mas até que eu fiquei curiosa por Doutora Quinn. :)

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  3. TCM é o canal que passa as coisas antigas e boas. Sempre me vejo no canal assistindo a algum filme antigo. Teve uma época que de série eu só assistia o Batman com suas onomatopeias exageradas e hilariante. Um dos melhores Batman, aliás.

    Quando estiver a toa vou dar uma espiada em Os pioneiros e na Dra.Quinn, já que Bonanza eu conheço um pouco.

    Até mais

    ResponderExcluir
  4. ADORO BONANZA E DRA QUINN. EU NÃO ACEITO O TÉRMINO DAS DUAS SÉRIES;. HOJE É DIA 02/06/2016 E JÁ FAZ TRÊS DIAS QUE NÃO MAIS VER. ESTÃO PASSANDO UM MONTE DE BOBEIRAS BEM DESAGRADÁVEIS. EU SÓ ASSISTO TCM ( FIELMENTE ) SÓ POR CAUSA DE BONANZA E DRA QUIM ( BONANZA EM ESPECIAL ) AGORA NÃO VOU MAIS ASSISTIR TCM, NÃO ME INTERESSA.PRIMEIRO TIRARAM O PERNELL ROBERTS, E NUNCA MAIS DERAM NM UMA PALINHA DELE PARA NÓS. O QUE DIGO É QUE A TCM NÃO QUER AGRADAR O PÚBLICO, MAS A ELA PRÓPRIA. BOM PROVEITO SEM O PÚBLICO FIEL, CAMBADA DE TRAÍRAS. ENTÃO TCM ACABOU PRA MIM. FIM

    ResponderExcluir
  5. Concordo com você Hellenice, peguei um pacote de canais com o TCM só para assistir Bonanza e agora não estão mais passando, no lugar estão passando a porcaria chamada Shena a princesa guerreira, que porcaria quem será que assiste isso. Estou indignado.

    ResponderExcluir