Remake de Footloose [Resenha do Filme]



Todo mundo sabe que remakes são normalmente um grande fracasso. O da Lagoa azul foi um desses, mas na minha singela opinião, esse não foi o caso de footloose. 

Kenny Wormald me convenceu como Ren McCormick, um jovem cheio de estilo e opinião própria que sofre preconceito após voltar para a cidadezinha de sua mãe (Boumon, só não sei como escreve) para viver com os tios até ter sua maioridade. Isso porque apesar da pouca idade que sua fisionomia transparece ele sabe se impor entre os adultos e tem personalidade muito forte, coisa rara em adolescente, pois quantos não se diminuem pelo afeto do outro? Kenny demonstra muita firmeza não apenas nas palavras, mas no andar e na expressão facial (eu reparo muito, né?).


O motivo para tanto caráter já formado precocemente, é que garoto acabara de perder a mãe para um câncer e aprendera a ser forte, só que os cidadãos de Boumon confundiram isso com rebeldia, falta de respeito, obediência e acreditaram que ele correspondia ao estereótipo do garoto de cidade grande, que se droga e está acostumado às farras.

Só que esse não é o caso de Ren. Ele não lutou pela legalização da maconha, pelo passe livre ou meia entrada em ônibus. Ren se rebela contra a proibição da música alta, e do direito dos jovens dançarem. No tribunal, ele afirma que proibir o jovem de se divertir é querer antecipar o amadurecimento, é ferir o direito de crescer no próprio tempo. Em momento nenhum foi desrespeitoso com as autoridades da cidade como elas foram com ele.


Acredito que o envolvimento dele com Ariel, a filha rebelde do pastor que comandava a cidade, tenha piorado as coisas, principalmente porque o coitado do Ren recebia a culpa pelo que o namorado maluco de Ariel fazia com ela, pois o pastor não sabia que ela namorava Chuck. No entanto, desde que pisou na cidade e recebeu a multa por ouvir música alta, Ren ficou visado. Dá muita raiva da sociedade ao assistir esse filme....

Voltando às partes técnicas do filme, acho também que a Ariel de Julianne Hough me convenceu bem. Deu para ver que a personagem era uma pessoa perdida, uma típica adolescente rebelde (tá, ela tinha uma causa: a perda do irmão, que era o heróis dela) querendo se afirmar e passar pros outros que tinha personalidade forte, quando na verdade sucumbia aos desejos dos outros, e era manipulada como uma boneca. Não sei dizer se foi melhor que o footloose de Kevin Bacon, porque também gostei muito dessa versão, mas acho que a adaptação para nossa época foi muito boa.

De zero a cinco, dou 4,5.

Nota:







Alê Lemos
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

10 comentários:

  1. Eu assisti a verão orignial de Footloose, a qual eu gostei muito. Realmente, dá muita raiva da sociedade por ela ser tão hipócrita ao ponto de proibir música, dança e diversão. A pior parte é que isso realmente acontecia naquela época.
    Porém, quando vi essa nova versão fiquei com um pé atrás. Não sei, ela não consegue me convencer, nem os autores nem o ambiente. Mas, vou dar uma chance.
    2surrealistas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica tranquila Isabelle, às vezes quando a gente gosta muito de um filme acaba não simpatizando como remake. Acontece!
      Um bjin da Alê

      Excluir
  2. Acredita que não assisti a primeira versão? Mas lendo a sua resenha me interessei muito pelo filme. Realmente dá muita raiva em ver como a sociedade agia. Já assisti outros filmes parecidos e passei bastante raiva. Acho que vou aproveitar e já ver os dois hehehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que goste! Pra não me acusar de propaganda enganosa kkkk
      Alê.

      Excluir
  3. Oi!
    Assisti há pouco tempo esse remake e gostei bastante, mas para falar a verdade não tenho muito interesse em assistir o original, então não tenho com o que comparar... Gostei bastante da história e também passei muita raiva enquanto Ren tentava legalizar a dança, além disso o filme tem alguns momentos bem divertidos.
    Bjs
    sobrelivrosesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Eu assisti esse filme com minha irmã há algum tempo, e gostei bastante. Não sabia que tinha uma primeira versão *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Acredita que nunca tinha ouvido falar nesse filme? Nem sei o que dizer, porque não posso falar do Remake se não conhece nem o original. kk
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  6. Não vi o filme original, sendo assim fica um tanto difícil falar sobre o texto. Mas ao que pude perceber, o remake é tão bom quanto o filme original e ambos valem a pena ver. Vou dar uma procurada (esperar algum canal da TV por assinatura passar)...

    Pelo seu texto, esse me pareceu aqueles filmes que os adolescente tem o poder de mudar a sociedade em que vivem.

    Até mais

    ResponderExcluir
  7. Oi Alê!
    Eu assisti somente a primeira versão desse filme e amo demais! <3 Não assisti a segunda justamente por conta dessa maldição do remake. Fiquei com medo de passar raiva em ver um filme que gosto tanto ser "destruído". Mas já que vc falou que é legal, vou me arriscar.
    Espero gostar. :)
    Beijos
    Coisas de Meninas

    ResponderExcluir
  8. Não vi a versão original,
    Mais essa de agora vi, eu simplesmente amo esse filme, passa uma visão super legal que os jovens podem decidir e mudar o mundo.

    Literanôni.blogspot.com.br

    ResponderExcluir