Eu e a Literatura Brasileira [Devaneios]


Quando era adolescente frequentava uma biblioteca publica na qual os livros não eram divididos por ordem alfabética e sim pela nacionalidade dos autores e autoras. Eu achava essa divisão o máximo, pois de acordo com meu humor e curiosidade podia escolhe de qual país ia sair os próximos livros a serem lidos.

Quando acordava mais melancólica escolhia livros da estante francesa, quanto estava me sentido pratica corria para a de literatura inglesa, quando queria algo mais século XX corria para os americano e quando acordava especialmente curiosa ia para da República Tcheca, China, a Índia ou até para a da Russia... Mas, quando eu queria me encontrar na narrativa, quando queria buscar alto-conhecimento ou redescobrir minha própria história, sempre procurei a literatura brasileira.

José de Alencar foi um dos melhores professores de história do Brasil que já tive. Hoje vez ou outra discuto comigo mesma a veracidade da história que ele contou ou os personagens do Império que ele excluía de sua narrativa.

Machado de Assis foi o autor que me ensinou a pensar criticamente sobre a realidade, a forma como ele descrevia seus personagens, as situações nas quais eles se metiam  e suas intensões influenciou minha forma de interpretar o mundo e as pessoas.

Lima Barreto me ensinou os primeiros anos da República do Brasil e suas hipocrisias. Raquel de Queiroz sobre a vida no Sertão. Graciliano Ramos sobre o lado negro do Estado Novo de Getúlio Vargas, poucos livros foram tão impactantes quanto "Memórias de Carcere".

E vocês o que pensam e sentem a respeito da literatura brasileira? Quais seus autores favoritos? E na atualidade, quais autores gostam mais?

Cheros, Pandora.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Pandora

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. as bibliotecas foram muito importantes pra mim. a maioria tinha livros mais antigos, são raras as bibliotecas com livros recentes. mas a do sesi que foi infelizmente desativada e os livros espalhados por aí, foi muito importante para me apresentar autores que não conhecia. dos brasileiros eu amo lygia fagundes telles, hilda hilst, rachel de queiroz. adoro vários da lista dos mais lidos por aí. da foto que colocou. gosto muito de bernardo de carvalho, embora dele só li um, idem do cristovão tezza.. que li um e amei. gostei demais de a muralha de dinah silveira de queiroz. amei falência da júlia lopes de almeida. miguel sanches neto é fantástico. o maravilhoso jorge amado. enfim. a lista é imensa. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. O autor que fez com que eu me reconciliasse com os autores brasileiros foi José Lins do Rego. Acho um tiro no pé quando professores obrigam alunos a ler acreditando que estão formando leitores. Não estão. Dê um livro do Machado de Assis, com a obrigatoriedade de um relatório e um seminário a um aluno e ele ficará traumatizado - e, sim, estou falando por mim.

    Com José Lins eu descobri um novo tipo de literatura, uma que falava do nordeste, de onde boa parte da minha família veio, e que não se preocupava em ser bonita: era como era. Depois disso quis conhecer mais autores nacionais, e conheci o José Cândido de Carvalho, o Domingos Pellegrini, o Murilo Rubião e o genial Fernando Sabino. Nenhum livro me fez rir tanto - e depois chorar - como O Grande Mentecapto. São meus favoritos.

    ResponderExcluir
  3. Oi Pandora. Amo Graciliano Ramos. Os livros dele são simplesmente maravilhosos. Adorei o post. Bjoks da Gica.

    umaleitoraaquariana.blogspot.com

    ResponderExcluir