Forrest Gump [Resenha do Filme]


Esse filme, eu confesso: devia ter colocado na sessão nostalgia dos anos 90. O problema é que por mais que passasse na Sessão da Tarde, eu só fui assistir esses dias pela primeira vez (pasmem!). Não foi por falta de vontade, mas estranhamente sempre que ia passar de tarde depois do "Vale a pena ver de novo", eu tinha alguma coisa para fazer. 

Esses dias, porém, o telecine anunciou e decidi assistir. Deu até raiva dessas coincidências da vida que me impediram de assisti-lo. Que filme mais cômico, cara! Ri demais durante aquelas 2 horas e no final até me emocionei um pouco, mas vamos à história:


Forrest Gump era um menino de QI 75 (para quem não sabe é um QI bem abaixo da média) e que tinha um problema nas pernas que obrigavam-o a usar botas ortopédicas. Sua mãe tentou matriculá-lo na escola pública da cidade, mas o governo tinha instituído que a capacidade mínima  para entrar era de 80 pontos.  No entanto, a sra Gump oferece alguns favores ao diretor da escola, e Forrest entra pela janela no fundamental da cidade.

A vida de Forrest é cheia de histórias fantásticas. Ele tem o mesmo nome que o fundador da Ku Klux Kan, pois sua mãe queria que ele nunca esquecesse que às vezes as pessoas fazem coisas idiotas na vida. Além disso, ele conhece Elvis Presley (que rouba seus passos de dança), Jonh Lenon (a quem chama da "aquele inglês bonzinho que voltou para casa ver o filho e tomou um tiro") e o presidente dos Estados Unidos (com quem esteve em duas ocasiões). Ele foi o jogador de futebol americano mais rápido (e mais burro), herói de guerra, jogador profissional de ping pingue-pongue do exército, dono de empresa de camarão multimilionária, celebridade/messias, porque passou uns 5 anos correndo por todo o país (depois que tomou um toco), etc.


Acho que a mensagem principal do filme, é que não importam suas limitações, ainda assim você pode ser uma pessoa incrível e fazer  as coisas mais maravilhosas também. Além de Forrest, no filme também aparece as frustrações de deficientes físicos como o tenente Dan Taylor que perde as pernas no Vietnam e é salvo por Forrest (a contragosto porque seus antepassados todos morreram na guerra e ele queria seguir o mesmo destino) e precisa achar graça na vida de novo.

Foi um filme muito bacana, porque de uma forma bem-humorada falou de superação. Aliás, quase todos os personagens tinham grandes desafios a superar, desde Jenny que fora abusada pelo pai à propria mãe de Forrest que foi abandonada pelo marido.



Falando em Jenny, ela foi a primeira amiga de Forrest e quem o incentivou a descobrir seu talento para correr, pois para fugir dos garotos da escola Gump só tinha uma saída: correr o mais rápido possível. No entanto, Jenny cresceu e estava ainda tão perdida por causa do que seu pai lhe fizera, que nada que ela tentasse fazer na vida dava certo e se afastava sempre da pessoa que mais lhe queria bem: seu melhor amigo e herói desta história. Os dois tiveram muitos encontros e desencontros durante o filme, mas vocês terão uma bela surpresa no fim.

Antes de terminar, é preciso dizer que às vezes o filme apresenta um humor bem crítico, mas é tão leve que pode ficar despercebido. Um exemplo é uma piada com o exército que nem todos poderão gostar, mas é uma crítica interessante à impossibilidade de questionar ordens. Ou seja, é um filme completo: você ri, chora e reflete com ele. Cê tá esperando o quê, fia? Baixa o filme aí!

Nota:




Um grande beijo,
Alê Lemos

Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

9 comentários:

  1. Meu filme favorito! Sempre que passa na TV eu corro pra assistir, nem que seja só um pedaço, e relembro a sensação de quando o vi pela primeira vez. Chorei demais na cena da Guerra onde ele salva os colegas e no final... <3 muito amor pelo Forrest <3
    Descobri recentemente que em o livro, quero muito ler.

    Beijo
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. ah, então vc tb tem filmes da série: "todo mundo viu mesmo vc" de vez em qd isso acontece comigo. adoro esse filme. eu gosto do filme quebrar pré conceitos. as pessoas tem muita impaciência com as limitações do outro, como se nós não tivéssemos as nossas. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Olá meninas! Adorei...a resenha e 'pasmem' também nunca vi esse filme. Ainda pretendo ver, muitas pessoas falam bem dele e fico curiosa. Gostei de saber que além de engraçado te umas pegadas reflexivas.
    Beijos!
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  4. Ainda não assisti esse filme! Ele é tão bem elogiado e bem comentado e sempre tive curiosa em assisti-lo. Pensei que teria mais drama do que humor, mas seu texto me disse o contrário, o que contribui pra me incentivar mais à ver <3

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá! Amo esse filme acho ele super engraçado, quase morro de rir toda vez que assisto!

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
  6. Acredita que não assisti ainda. Li o livro tem um tempão e adorei, mas não tive vontade de ver o filme com medo de me decepcionar. Agora pela sua nota até que me animei.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Nossa Alê, eu assisti esse filme há eras, preciso vê-lo novamente pra refrescar minha memória, adoro o Tom Hanks =)
    Beijos... Elis Culceag. * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
  8. Adorei o post!

    Sensacional!!!!!!! Esse filme é um clássico, preciso me atualizar e ver novamente e curto muito os trabalhos do Tom Hanks.

    www.livreando.com.br

    ResponderExcluir