Sobre as Calças Mortas [Música]

Da esquerda para a direita: Andi, Breiti, Campino, Kuddel e Vom 

Dentre as bandas alemãs que conquistaram reconhecimento mundo afora está Die Toten Hosen (As Calças Mortas, em tradução literal). Em geral, é uma das primeiras bandas a ser descoberta por quem se interessa em aprender alemão. Apesar de não ter seu logo em inúmeras camisetas vestidas por brasileiros, como acontece com Rammstein e Scorpions (sim, eles são alemães) por exemplo, o DTH também tem fãs por aqui. Mas a maior parte dos fãs latino-americanos da banda está na Argentina - até gravaram um DVD lá - e neste mês de maio a banda faz cinco shows lá em Buenos Aires. 

Em homenagem a essa rápida turnê argentina, pensei em fazer um especial sobre a banda por aqui, com músicas traduzidas e tudo mais, mas a mania de direitos autorais do pessoal da Alemanha fez com que boa parte das minhas traduções fosse eliminada do youtube, o que me desanima, confesso. Eu tinha tema para ao menos três ou quatro posts, mas vou me apegar às traduções que ainda existem no meu canal e tentar fazer esse post valer a pena. Quem sabe surjam outros depois...

A banda foi criada nos anos 80, em Düsseldorf, e atualmente é formada por Campino (vocal), Andi (baixo), Kuddel (guitarra), Breiti (guitarra) e Vom (bateria). É provavelmente a banda com mais  integrantes chamados Andreas da história da humanidade. Campino é Andreas Frege, Andi é Andreas Meurer e Kuddel é Andreas von Holst. Além disso, eles mesmos são sua melhor banda cover: Die Roten Rosen (As Rosas Vermelhas, em tradução literal). 

Mas enfim, vamos às músicas. 

Os integrantes da banda são adoradores de futebol. Aliás, uma das características da banda é que, apesar da superfama (eles fazem shows de 40 mil pessoas por toda a Alemanha, sempre lotados - e com ingressos esgotados rapidamente, como aconteceu com os shows desse ano na Argentina), eles continuam andando pra cá e pra lá como qualquer outra criatura comum do universo - inclusive vão em jogos do Fortuna Düsseldorf, clube da banda. Como a maior parte dos alemães, eles odeiam o Bayern München. Tal ódio inspirou essa bela canção - a qual eles fazem questão de tocar em Munique:

Bayern (Álbum Unsterblich, 2000)




A banda também tem um posicionamento bem claro em relação ao nazismo: são completamente contra, assim como qualquer outro preconceito. Eles são muito claros com isso em suas letras e eu acho isso espetacular. Sempre que eu ouço falar em punks, relaciono com protestos contra a sociedade e a política. O DTH, que se define como punk, trabalha muito bem suas letras no individuo, busca passar boas mensagens aos seus fãs. A luta contra o preconceito é uma delas. Em um post meu anterior, inclui Willkommen in Deutschland, mas essa é um dos maiores sucessos da banda e, a meu ver, a mais significativa canção da banda em relação ao nazismo - sem falar que traz uma ironia fabulosa, que infelizmente é rara nas músicas da banda. 

Sascha... ein aufrechter Deutscher (Álbum Kauf MICH!, 1993)



O Campino, principal compositor da banda, é especialmente bom no que se refere a letras humanas. Com 'letras humanas' eu quero dizer composições que tornam possível uma fácil identificação de qualquer pessoa. Os exemplos são inúmeros, mas essa música eu acho especialmente marcante. Além de estar entre os sucessos da banda, ela é sempre um baita apoio. Sem falar que, nos shows, o Campino faz TODO MUNDO (isso, milhares de pessoas) se agachar e pular no momento do refrão. É FABULOSO.

PS: Coloque nos seus favoritos do youtube, pros momentos de desânimo.

Steh auf, wenn du am Boden bist (Álbum Auswärtsspiel, 2002)




Claro que eles também têm suas canções de amor, dentre as mais conhecidas está a que segue. Ela é meio maníaca, mas ainda pode-se classificá-la como romântica.

Alles aus Liebe (Álbum Kauf MICH!, 1993)




Em 2012 a banda comemorou 30 anos com o álbum Ballast der Republik, cuja música título, aliás, traz a melhor explicação do sentimento pós-guerra que ainda pesa nos ombros dos alemães. O single do CD foi um sucesso tamanho que a dona Angela Merkel chegou a usar em sua campanha de reeleição (e a banda se pronunciou oficialmente dizendo que isso foi sem autorização e apoio dos integrantes). Inegavelmente é uma baita música, assim como todas as do álbum:

Tage wie diese (Álbum Ballast der Republik, 2012)




Para mais vídeos legendados da banda AQUI

Até mais ver,
@AnaSeerig
Compartilhe no Google Plus

Sobre Ana Seerig

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário