Hades [Resenha Literária]


Titulo: Hades
Autora: Alexandra Adornetto
Editora Agir
Sinopse (Skoob): Bethany Church é um anjo enviado à Terra para combater as forças das Trevas. Apaixonar-se nunca fez parte da sua missão, mas o vínculo entre ela e seu namorado mortal, Xavier Woods, é forte. Mas mesmo o amor de Xavier e os cuidados de seus irmãos anjos, Gabriel e Ivy, não impedirão que Beth seja levada a um passeio de moto que acabará no Inferno. Lá, o demônio Jake Thorn não permitirá que Beth volte à Terra e pedirá a ela algo que poderá destruí-la e também a seus familiares.


Hades é o segundo livro da trilogia Halo que resenhei há algum tempo neste blog. Fiquei muito feliz com o rumo que a autora deu à história nesta continuação, pois é uma das primeiras vezes que vejo um segundo livro superar o primeiro. Se Halo foi bom, Hades é "maneiro", um pouco surpreendente para quem esperava um retorno à narrativa lenta e cheia de "lero-lero" adolescente,

Antes de traçar os elogios, é preciso dizer que Bethany ainda é super dependente emocionalmente de Xavier e não me parece que ela tenha amadurecido do primeiro para o segundo livro. Há muitas passagens em que ela demonstra que não consegue pensar em si mesma como alguém único que ama Xavier, ela e ele são a mesma coisa. Isso me irrita um pouco, porque amor não é se anular para viver a vida do outro. Tirando isso, porque não quero me aprofundar muito nesse aspecto, Beth recebe alguns pontos positivos por não ser salva toda hora por um cara lindo e sarado, de vez em quando é salva por amigas também [risos]. Brincadeiras à parte, a heroína ainda é frágil, tola, boazinha e facilmente enganada, porém, ela começa ações importantes na história, como fazer aliados, tentar fugir, conhecer o inimigo e seu território e procurar uma forma alternativa de se comunicar com sua família para pedir ajuda. Em Halo a história só passou a ter movimento quando Jake Thorn apareceu e desencadeou a trama,  Beth  parecia uma simples coadjuvante.

A mudança nas atitudes acontece porque Bethany caiu numa armadilha que atraiu o demônio de volta a Vênus Colve e ele a arrasta para o inferno, ou Hades como Lúcifer gosta de chamar. Lá ela fica sem Xavier, sem Gabriel ou Ivy e precisa aprender a viver no inferno, driblar as investidas de Thorn e descobrir como sair de lá. Por causa disso, a história ficou mais instigante desde a página 54 (praticamente desde o início) até o fim, pois várias coisas acontecem que vão dando vontade na gente de prosseguir com  a leitura. O que não entendo é porque a autora não fala mais sobre os poderes, ou melhor "as virtudes" de Bethany. Tenho medo que ela não revele no próximo livro e eu fique chupando dedo ou elaborando várias especulações sobre o significado de certas passagens que só aumentaram o mistério. Porém, como ela me surpreendeu dessa vez, estou esperando que me surpreenda de novo no próximo livro.

Bom, dessa vez a resenha ficou curtinha, mas acho que talvez eu tenha quase escorregado a ponto de dar spoilers importantes. É melhor eu fechar a minha matraca. Um beijo para vocês e saibam que a nota foi de 4,5 harrys.

Nota:




Alê Lemos.
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

7 comentários:

  1. Oi Alê!
    Eu ainda não li nenhum livro dessa série, fiquei com vontade de ler quando ela saiu mas acho que a vontade passou...

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah eu bem te entendo! Só persisti na leitura porque tinha comprado o box. O Primeiro livro é fraquinho, o segundo é melhor, porque tem menos melação.

      Excluir
  2. A única modalidade de livros infanto-juvenis que consigo ler são as fantasias como Crônicas do Mundo Emerso, por exemplo.

    Ademais, não gosto muito das resenhas que mergulham muito fundo nas opiniões pessoais como dizer que o que é tratado no livro não é amor, ou que os personagens do livro estão enganados quanto a uma definição do mundo ficcional criado pelo escritor. Prefiro saber qual é o aspecto geral envolvido neste amor e porque ele é tratado desta maneira.

    Mas de forma geral gostei da resenha.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pietro! Não li as "Crônicas do Mundo Emerso" então não sei bem quais são os tipos de fantasia que você gosta. Obrigada pelas críticas, vou pensar sobre elas. Só vou defender uma coisa: quando falei do tipo de amor que a autora propõe estou criticando uma ideologia maior que está presente não só na ficção quanto na nossa sociedade. Acho que esse tipo de ideia que a autora vende é opressiva e contribui para a reprodução de relações machistas. Um abraço, Alê Lemos.

      Excluir
  3. Oi Alê!
    Sempre vejo os livros dessa série em promoção no Submarino, mas a sinopse nunca me chamou a atenção. Mas gostei da tua resenha, mais para frente quando der uma acalmada nas minhas leituras pendentes, vou comprá-los para conferir e ver se me agrada.

    Beijos!
    www.booksandmovies.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oii Alê
    Halo já está na minha lista de desejados já faz algum tempo, mas infelizmente não tive a oportunidade de ler.
    E toda vez que vejo alguma resenha dessa série ficou com mais vontade ainda de ler.
    Amei a resenha e essa capa é a coisa mais linda ♥

    Beijos,
    http://saracavalcantes2.blogspot.com/

    ResponderExcluir