Os três mosqueteiros [Especial Alexandre Dumas]

De todos os romances histórico que falam sobre a Monarquia Francesa, para mim, "Os três mosqueteiros" é O MELHOR! Dumas mistura bom humor, romances improváveis, sarcasmo e uma vilã psicopata sem igual. Gente é PERFEITO.

E não vou dizer mais NADA, leiam o texto e se joguem!



"-E a Bastilha? - perguntou Aramis.
- Ora! Vós me tirareis de lá! - respondeu d'Artagnan.
- Sem dúvida - concordaram Aramis e Porthos, com admirável desassombro e como se fosse a coisa mais simples do mundo. - Sem dúvida que te haveremos de tirar(...)."
(Os três mosqueteiros - Capítulo XXIX - Visão)

A chegada de d'Artagnan a Paris com o cômico cavalo amarelo dado por seu pai é descrita por Dumas com uma beleza ímpar, descrevendo como o jovem reprimia risadas alheias com seus "olhos mais ferozes do que altivos" e retomando a despedida deste dos pais. O Sr. d'Artagnan pai lhe deu três humildes presentes, além da carta de recomendação ao Sr. de Tréville, capitão dos mosqueteiros: o cavalo amarelo, 15 escudos e seus conselhos, dos quais destaco as belas palavras seguintes: "És jovem e deves ser bravo por duas razões: a primeira, porque és gascão, e a segunda, porque és meu filho. Não temas ocasiões e busca aventuras. Eu te ensinei a manejar a espada; tens pernas de ferro e punhos de aço, bate-te a propósito de tudo: bate-te principalmente porque os duelos são proibidos, e que, por consequência, o bater-se exige dupla coragem". Da mãe, que muito chorava por despedir-se de seu filho único, recebeu como presente a receita de um bálsamo milagroso para cura de feridas.

D'Artagnan não demorou a mostrar a coragem recomendada pelo pai e natural dele, além de demonstrar sua humilde origem e boa vontade na primeira oportunidade, tornando-se assim, facilmente admirável. Travar logo conhecimento com "os inseparáveis" Athos, Porthos e a Aramis talvez tenha sido a maior sorte do jovem, encontrando então amigos e companheiros de batalha incomparáveis com os quais divide momentos difíceis e de glória. O nome d'Artagnan logo se torna conhecido do rei Luís XIII e de seu ministro, Cardeal Richelieu, ou seja, é conhecido pelas três maiores figuras de Paris, segundo o Sr. d'Artagnan pai, já que seguido destes dois está o grande pai dos mosqueteiros, de Tréville. Sempre misturando personagens históricas a fictícias, Dumas tempera o livro com a personalidade indomável e diabólica de Milady Clarick, cunhada do Lord de Winter, criatura boníssima; o belo e poderoso ministro inglês, Georges Villiers, Duque de Buckingham, e seu amor pela rainha da França, Ana d'Aústria; o casal Bonacieux, formado por um merceeiro avarento e por uma jovem encantadora; além de outras tantas figuras que passam despercebidas ou preferem se manter escondidas.

Com um dom natural para a narração, Dumas usa do humor, da simpatia, dos fatos históricos, do talento para definir personalidades e de belas palavras para nos transmitir de maneira leve e interessantíssima aquela que se tornou uma das mais clássicas histórias da literatura mundial. Eu, de minha parte, jamais me canso de cada palavra escrita e, por vezes, me pego reagindo a elas, seja com um sorriso ou a ansiedade pelo que vem a seguir. De minha parte, tornaria obrigatória a leitura desse livro, porque ele me tem um encanto que parece infinito, mas o máximo que posso fazer é sair distribuindo por aí exemplares, o que, infelizmente, está fora de minhas condições financeiras.



Minha edição, parte da coleção "Os imortais da literatura universal" da editora Abril, lançada em 1971. Linda ou não?



Posts do especial publicados anteriormente:

Compartilhe no Google Plus

Sobre Ana Seerig

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. eu adorei esse livro. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Este livro é mesmo genial mas, preciso, infelizmente, pedir que corrija a citação. Você colocou que ela foi extraída do capítulo XXIX do livro quando, o correto é XXXIX. São dez capítulos depois.

    Sou Alberto Valença do blog Verdades de um Ser e colaborador do Meu pequeno vício. Agora criei também um blog de viagens - O seu companheiro de viagem

    Verdades de um Ser
    O seu companheiro de viagem

    ResponderExcluir
  3. Oi.
    Eu fiquei com uma vontade enorme de ler esse livro depois da sua resenha.
    Apesar de ser uma história que praticamente todo mundo conhece pelas adaptações feitas, acredito que o original deve ser ainda melhor.
    É uma pena que não existam mais escritores como Alexandre Dumas e Jane Austen.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
  4. é um dos grandes clássicos da literatura e quem não leu, perde muito! Li sem ter visto nenhum filme sobre eles, mas quando vi e pude transportar as imagens para o que eu tinha lido, li de novo, com mais gosto. Um livro sensacional. E você fala lindamente sobre ele, com amor e admiração, Ana. Sempre ótimo ler o que escreve.
    Beijo.

    ResponderExcluir