O vento da Noite [Resenha Literária]


Emily Brontë é uma das autoras inglesas mais celebradas do mundo. O único romance escrito por ela O morro dos ventos uivantes, com justiça, foi suficiente para garantir a ela um lugar no meio dos cânones da literatura mundial. Porém, o romance não foi a unica forma de expressão artistica utilizada por ela e suas irmãs - Anne e Charlotte -, elas também escreviam poesias.


Emily escreveu um número considerável de poemas, mas esses textos não chegaram a vir a luz enquanto ela estava viva. Apenas em 1850 Charlotte Brontë, a irmã mais velha, fez uma coletânea de poemas dela própria e de suas irmãs Anne e Emily e publicou com o titulo Poemsusando os pseudônimos Currer, Ellis e Acton Bell com o intuito de preservar a si e as suas irmãs do escrutínio público.

Dessa coletânea de 1850, Lúcio Cardoso em 1944 recolheu os poemas que compõe o livro por ele batizado como O vento da Noite, em referência ao primeiro poema da seleção de 33 por ele elencados para compor a unica coletânea de poesias de Emily Brontë publicada no Brasil, até o presente momento.


Na minha opinião, de todas as irmãs Brontë, a Emily é a mais complicada, densa, misteriosa, aflitiva e conflituosa. Também ela é quem tem tido mais da minha atenção ao longo dos anos. Não sei se gosto ou desgosto dela, porém, nos últimos dez anos, li seu livro três vezes e estou me preparando psicologicamente para a quarta leitura.

Para quem já leu seu O morro dos ventos uivantes, sua poesia não vai trazer nada de inédito. Ela traz a tona o mesmo mundo marcado pelo sofrimento, frio, inverno, forças misticas, forças da natureza, aflição e conflitos emocionais expressos em seu livro. Aqui temos contato com um pouco mais da genialidade intoxicante dela. Essa genialidade capaz de nos lembrar da existência de lugares frios em mundos de luz e de lugares de luz em mundos de frio.


Particularmente penso em todo reencontro com a Emily como uma ocasião única. Sendo uma pessoa introspectiva e observadora essa mulher fez de sua escrita uma porta para seu mundo particular e sempre me sinto honrada quando ponho os pés no mundo dela. Sei que vou sentir suas angustias e as minhas, no entanto também sei o quanto vai ser um grande encontro, uma imensa viagem, algo do qual vou sair diferente.

Modestamente falando, lendo a tradução dos poemas dela feita pelo Lúcio Cardoso tive a impressão que ele ao ler os textos de Emily era invadido por sentimentos semelhantes aos meus. A angustia, luz, sombra e escuridão dela se encontrava com a dele e dialogava. Esse livro é produto desse diálogo entre almas separadas no tempo e no espaço unidas apenas pelo fio da literatura.


Talvez por isso Lúcio não tenha se esmerado em transpor a poesia dela para o português ipsis litteris. Ele preferiu dialogar com a poesia da inglesa dobrando-a, moldando-a, recriando-a através de paráfrase do texto original. O vento da Noite emerge como produto final do dialogo de dois gênios, um do século XIX, o outro do século XXI. A possibilidade de ter esse diálogo em mãos, em uma edição bilíngue, não deixa de ser algo a ser celebrado.


O Vento da Noite - Edição Bilíngue
Autora: Emily Brontë
Tradução de Lúcio Cardoso
Civilização Brasileira
Ano: 2016

P.S.: Gostaria de agradecer a Michele Lima e ao Rafael Castro por me ajudarem a compreender um pouco melhor como funciona o trabalho de um tradutor. Em especial a Michele responsável por me fornecer os léxicos utilizados por mim para verbalizar minhas sensações com o trabalho do Lúcio Cardoso na tradução da Emily Brontë.

Pandora
Compartilhe no Google Plus

Sobre Pandora

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

8 comentários:

  1. Olá, Pandora.
    Confesso que O morro dos ventos uivantes foi um dos livros mais chatos que já li na minha vida. Sei que o povo ama, mas eu não gostei. Quanto a esse livro eu acho que não leria. Não sou muito fã do gênero. Mas que bom que o livro te trouxe tantos sentimentos.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oie
    Eu nunca li nada da autora, na verdade eu comecei a ler O morro dos ventos uivantes e ainda não consegui concluir, achei uma leitura dificil, mas um dia pretendo retomar a leitura. Fiquei com vontade de ler este.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Pandora,
    Já li O Morro dos Ventos Uivantes e achei uma boa leitura, não sei se me aventuraria em outro livro da Emily por enquanto.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir
  4. Gostei da resenha Pandora. Amo Emily Brönte e O Morro dos Ventos Uivantes é um dos meus livros favoritos! Não sabia da existência desses poemas e fiquei muito interessada. E o livro, pelo que eu pude perceber nas fotos, parece ser bem caprichado. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Pandora,
    Eu já li 'O Morro dos Ventos Uivantes' e adorei. É diferente de outros clássicos.
    Esse não tinha interesse de ler até o momento, mas fiquei curiosa.
    Acho que prefiro a Emily a Jane Austen. Estranho dizer isso, hein? Tenho que pensar se essa afirmação é verdadeira, mas tem grande potencial para ser.
    Beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. O morro dos ventos uivantes eu já li e amei! Agora esse livor nunca li, mas tenho certeza que vou adorar tbm. Eu gosto muito dessa autora :3
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá.
    Eu não gosto muito de poemas, e para falar a verdade, ainda não consegui ler nenhum livro clássico, apesar de querer muito ler Jane Eyre. Acredito que as autoras naquela época ou eram muito fáceis de entender ou eram como Emily, completamente secretas em seus diálogos. Cada coisa que ela escreve pode ser interpretado de alguma forma diferente da outra. Sinceramente não sei se teria cabeça para tentar entender alguma coisa do que ela escreveu, como disse, poesia não é minha escrita favorita, ainda mais repleta de mistério e sentimentos profundos.
    Abraço, Participe do sorteio do livro Twist de Tom Grass

    ResponderExcluir
  8. oi flor tudo bem?

    eu tenho o morro dos ventos uivantes, queria ler ele por que o livro
    crepúsculo tinha citado ele, mas na verdade não li ainda, gostei de saber
    desse livro de poemas, ultimamente tenho lido muito o gênero. Quem sabe eu não compre
    futuramente beijos

    Taynara Mello | Indicar Livros
    http://www.indicarlivros.com/2016/10/projeto-escritores-anonimos.html

    ResponderExcluir