A Nona Vida de Louis Drax [Resenha do Filme]

Conferimos a Cabine de Imprensa de A Nona Vida de Louis Drax

Se outro dia eu trouxe aqui um filme com o Mr. White, hoje eu vou falar de um filme com o Jesse Pinkman, bitch! – tá, e vou parar com essas referências a Breaking Bad, porque já deu, né... Aaron Paul é Peter neste novo longa de Alexandre Aja. Peter é pai do garoto Louis Drax (Aiden Longworth), uma criança especial em vários sentidos, e constitui uma família padrão, e aparentemente satisfeita, com Natalie (Sarah Gadon). O trio de atores é acompanhado por Jamie Dornan, fazendo o Dr. Allan Pascal – seria uma menção ao pensador francês Blaise Pascal? Aliás, há outras referências interessantes despontando neste filme, muito marcado também por uma estética lúdica e arroubos de fantasia; mas não se engane: é um suspense dramático, e aborda, na verdade, uma temática até mais séria.

A rápida e incisiva sequência inicial vem carregada de pequenas gags de humor negro, sob a voz off do menino Louis Drax explicando sua infância desde o nascimento e como é “especial” por ser mais propenso do que os outros a “sofrer acidentes” – ilustrados nas cenas – e que já quase morreu pelo menos umas oito vezes. Como fica óbvio no título, veremos então a história de sua nona vida, misteriosa e reconstituída como num filme policial (o menino conduz a recriação da “cena do crime” a partir de vários dados gradualmente revelados), e como ele renasceu para esta, sua vida definitiva, embora ao custo de muita tragédia.

Drax não nos narra sua história apenas na sequência de abertura, também durante o estado de coma ele nos conta mais enquanto é “entrevistado” por uma misteriosa voz de um bizarro monstro marinho, cujo conheceu quando caiu no mar, de cima do penhasco, neste seu nono “acidente”, e que agora o acompanha nas alucinações do coma (e quem viremos a descobrir ser algo mais além de mero produto de sonho). Ele então conta da preocupação e do amor da mãe consigo desde bebê, do carinho e atenção do pai, apesar das ausências, e das idas ao icônico Dr. “Gordo” Perez, psicólogo e hipnólogo no qual a mãe o levava na tentativa de “curar” seu perfil introvertido, hostil e borderline.

 Louis Drax é de fato um menino estranho. Na verdade, nas idas ao Gordo Perez pode-se dizer que era ele quem analisava o analista. Não basta a presença do nome de um filósofo (Pascal) no roteiro, Drax é por si só um filósofo; e um dos da “pior” espécie: aquele extremamente lógico e frio, racional e provocador, de um existencialismo profundamente nietzschiano. O tempo todo o garoto desafia os adultos ao seu redor com verdadeiras trincas filosóficas; questiona o jogo de aparências do mundo adulto, certa hipocrisia ou certa fuga do compromisso com as próprias posições, típica do adulto – especialmente face às crianças. Drax é o puro arquétipo junguiano do trickster, a todo tempo desnudando os outros personagens e escancarando suas contradições com sarcasmo e ironia.

Nosso herói mirim será ajudado em grande parte pelo renomado Dr. Allan Pascal, um médico teórico e neurocirurgião meio famoso, com livro lançado e palestras no Ted Talks. Quem irá gostar bastante desta ajuda é a mãe do menino, e quem não irá gostar muito disso é a esposa do médico, se é que você me entende... Pascal é tentado pelo charme da jovem mãe, e este é um dado importante, pois a psicologia da personagem de Natalie será explorada no suspense. 

Na verdade, há até uma sutil referência, hilária para quem captar, e escondida numa cena insólita, inteligentemente sugerindo uma traição. Natalie chega ao hospital e saindo da porta do elevador é enfocado com detalhe em suas mãos, o viveiro do hamster de estimação do filho; o pequeno roedor chama-se “Rasputin”. Para quem conhece a história, sabe que Rasputin, conselheiro e místico da Corte do Czar Nicolau II, na já decadente Rússia feudal, de “pequeno” não tinha nada, e era famoso por seu membro e seu sucesso entre as damas da Corte, inclusive a própria Rainha – todas curiosas para dar uma conferida na sua “fama” e dispostas a trair seus maridos para isso. O momento específico no qual essa cena é colocada na decupagem, os enquadramentos e o efeito de câmera lenta sugerem uma traição, mas escancarada só para quem sacou a referência. Uma das maiores belezas da linguagem do cinema é poder jogar com os detalhes, e é realmente muito divertido quando um enredo e um roteiro fazem isso bem – como temos inúmeros exemplos nas séries da Marvel na Netflix.

Se por um lado, grande parte do efeito cômico do filme (apesar de um drama) é dado pelo comportamento insolente de Louis Drax, por outro, compreendemos essa sua natureza, pois ele esconde um segredo mais obscuro. Na verdade nem ele mesmo sabe qual o motivo de ser assim e possuir tal comportamento. O Dr. Pascal, ajudado pelo Dr. Perez, irá explorar com métodos psicanalíticos profundos o próprio subconsciente de Louis, onde toda a investigação encontrará seu fim. Com efeito, grande parte das respostas está ocultada lá, devido ao sofrimento experimentado por ele durante a vida (ou as vidas), e o suspense centra-se nessa revelação. 

A fantasia serve para acobertar a realidade, muito mais profunda e triste, lembrando bastante a trama de Ponte para Terabítia (2007), de Gabor Csupo – filme bem mais interessante e underrated do que parece. Esse movimento narrativo, aliás, é velho no cinema, e já esteve em filmes como Labirinto: A Magia do Tempo, de Jim Henson – com um David Bowie memorável na trilha e na atuação – ou O Labirinto do Fauno, de Guillermo Del Toro. É perceptível, aliás, certa influência de Del Toro no francês Alexandre Aja, pelo hábito de criar seres fantásticos e mundos mágicos para permear suas histórias dramáticas (como neste seu Louis Drax e em Amaldiçoado), ou na predileção pelo cinema de horror (diretor e produtor de filmes como Espelhos do Medo, Viagem Maldita e Alta Tensão, e também do genialmente tosco Piranha 3D).

O ponto de vista infantil é a força narrativa, de tom inocente e fantasioso, trata, no fundo, de obsessão, amor e ódio; da desestruturação de um núcleo familiar; e também da carência por um amor saudável (não tanto pela ausência de carinho, mas pelo seu excesso doentio). O argumento do filme, portanto, é muito bom; o que faltou a este longa foi uma boa execução (talvez por falta de experiência ou até talento mesmo). O suspense, por sua vez, não é tão bem construído, e em alguns momentos até entrega a cena antes do clímax. O roteiro eventualmente é marcado por um didatismo (como na sequência final, quando rola uma desnecessária explicação do óbvio). A fotografia incomoda em algumas cenas de realidade, por soar novelística, porém, funciona bem nas cenas de fantasia. Nenhuma atuação se destaca também, sendo tudo bem regular (nem mesmo a do garoto Aiden, um dos possíveis novos atores mirins queridinhos que Hollywood tenta emplacar).

Como antes eu afirmei, coincidência ou não a referência ao nome “Pascal” ser um destaque no filme, na obra de Blaise Pascal, quando ele não escrevia sobre hidrostática, física e matemática, ele era um filósofo ligado às correntes moralistas (além das existencialista e cristã também), e sendo assim, cheio de aforismos dignos de epígrafe de trabalho acadêmico, como o que diz: “É indispensável conhecermo-nos a nós próprios; mesmo se isso não bastasse para encontrarmos a verdade, seria útil, ao menos, para regularmos a vida” (Pensées, fragments et lettres de Blaise Pascal, Vol. 1, pp. 226, item CLIX, 1814). Ironicamente, em afinidade com um roteiro que referiu seu nome, esta sua frase resume a própria essência da trama de A Nona Vida de Louis Drax, e ao citá-la eu lavo minhas mãos e deixo para você decidir no cinema se ela é cabível ou não.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: A Nona Vida de Louis Drax
Título original:The 9th Life Of Louis Drax
Diretor: Alexandre Aja
Data de lançamento no Brasil: 20 de outubro de 2016
Gui Augusto
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

7 comentários:

  1. oi tudo bem?

    Não conhecia o filme, mas fiquei intrigada sobre o menino, vou procurar pra assistir.
    Também, quero ver como vai ser a atuação do ator Jamie Dornam. Adorei sua resenha.
    beijos

    Taynara Mello | Indicar Livros
    www.indicarlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia a obra e adorei o enredo, é super interessante.
    Art of life and books

    ResponderExcluir
  3. Nossa, é nestas horas que percebo que estou muuuuito por fora dos assuntos referentes à cinema, acho que tenho dedicado tempo demais aos livros...hehe. Não consegui identificar nenhum dos atores e não havia visto nada sobre este filme, mas adoro drama e ainda mais com um toque cômico... Valeu pela dica, de verdade!

    Bj, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ainda não assisti mas estou curiosa
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Oi! Eu havia ficado interessada em ler o livro, o filme não chamou minha atenção e lendo a crítica aqui ainda não me vi atraída para o mesmo.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  6. Oi Gui,
    Não conhecia o filme, mas confesso que não me chamou tanta atenção :| Acho que esse eu vou deixar passar.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Twitter

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bom?
    AAAAHHHH eu amo breaking bad, então pode continuar com as referências por favor <3.
    Não conhecia o filme, mas confesso que me interessei exatamente pq tem o Jesse, eu estou tentando mudar um pouco a minha vida vendo os filmes, eu tenho uma preguicinha sabe? Mas quando pego para ver eu assisto mesmo.
    Me parece super interessante, adoro filmes que mostram crianças 'estranhas'

    Sessão Proibida

    ResponderExcluir