Fábrica de Vespas [Resenha Literária]


Não foi fácil escrever sobre Fábrica de Vespas. Isoladamente os muitos fios formadores da trama contida nesse livro já são de complexa descrição: a escrita crua e precisa de Iain Bankes, a psicopatia como tema, a narrativa em primeira pessoa do cotidiano e memórias de uma pessoa sem limites como o Frank, a aflição pela expectativa do que está por vir a cada capítulo em si, são tanto elementos de um livro genial para o gênero quanto complicadores de uma escrita que pretende mostrar quão bom o livro é. Iain Banks conseguiu construir uma história capaz de oscilar entre chocante, perturbador, assustador, profético e por fim, mas não menos importante, atordoante!


Acompanhar a rotina de um psicopata narrada em primeira pessoa é chocante e perturbador! Frank conta a sua rotina permeada de violência contra seres indefesos como se fossem nada e coisa nenhuma, ele comete assassinatos e revela ao leitor os detalhes de como tramou e realizou cada um dos atos ainda criança com a frieza e entusiasmo de um documentarista. O "absurdamento" por todos os atos dele é todo nosso, pois no mundo e na cabeça de Frank tudo faz muito sentido, é natural, coerente, simbolico e equibrado.


Entre os motivos pelos quais decidi trazer a "Fábrica" para minha estante foi o anuncio de que o livro evocava o brilhante Precisamos falar sobre o Kevin da Lionel Shriver, livro também narrado em primeira pessoa só que não pelo psicopata e sim por sua mãe desesperada em busca de entender, explicar, justificar, perdoar, lidar com a psicopatia de seu filho tudo junto e ao mesmo tempo. Realmente os livros dialogam, no entanto, onde Lionel Shriver é visceral e emotiva em sua narrativa levando o leitor a sentir o desespero de situação daquela mãe, Iain Banks é tão cru e direto na forma como desenha seu personagem, sua família desajustada, seus TOCs, rituais e hábitos que chega a ser assustador.


Todavia, Fabrica de Vespas não gira unicamente em torno dos horrores que a mente de um psicopata é capaz de construir, ele também se detém na lucidez da análise da realidade a qual Frank é capaz de produzir. É impressionante a forma como Banks oferece uma observação instigante das neuroses sociais de nosso tempo, das mesquinharias da sociedade ocidental, da capacidade destrutiva que temos em relação aos grupos não hegemônicos, as minorias, aos seres que estão à margem. Em alguns momentos, dado os resultados das eleições presidenciais nos Estados Unidos da América e as eleições municipais no Brasil, as reflexões de Frank a respeito da politica e opinião publica chegam a ser proféticas.

Lembrei muito de O futuro de uma ilusão e de O mal-estar na Cultura de Sigmund Freud enquanto encarava o texto de Iain Banks. Há algo de incômodo na cultura ocidental, na forma como produz machismo, misoginia, racismo, furor armamentista. A mente dos psicopatas tende a frieza e maquinações, mas até que ponto a ordem social não alimenta essas mentes da pior forma possível e viabiliza atrocidades? Também me ocorreu o quanto muitas vezes a religião com seus rituais e fórmulas magicas figuram como um tipo de neurose. Em dado momento Frank se compara a um país e nesse momento me ocorreu o quanto certos países podem ser comparados ao Frank em sua capacidade de construir fábricas de vespas assustadoras em seus rituais, formas sádicas de prever o futuro e maneiras engenhosas de maltratar aqueles que não estão em condição de se defender.


Por fim, ao longo de todo livro um sentimento de tensão cresce passo a passo enquanto a leitura nos leva a descoberta de mais e mais detalhes sobre os persongens e seus familiares de maneira a construir no leitor uma ânsia e expectativa por um desfecho com sangue e fogo. No entanto, nada nos prepara adequadamente para o gran finale dessa história. Em poucas palavras, o desfecho desse livro é simplesmente atordoante!

FICHA TÉCNICA

Título: Fábrica de Vespas
Autor: Iain Banks
Tradutor: Leandro Durazzo
Editora: DarkSide Books
Ano: 2016
Adicione: Skoob

Jaci Clemente
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

9 comentários:

  1. Hey, tudo bem?
    Nossa! Só essa capa já me assustou, imagina o livro? hahaha. Infelizmente acho que não tenho estômago pra isso.
    Beijos!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Jaci!
    Eu vi muita publicidade da editora com o livro e sou curiosa pela história. A complexidade do ser humano sempre me atraiu e gostei muito do filme Precisamos Falar Sobre Kevin (ainda tenho que ler o livro!). Embora eu geralmente seja atraída por histórias mais emotivas, ainda quero por minhas mãos nesse! Quem sabe nessa BF né...

    bjs

    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Jaci. É difícil para mim me sentir atraída por um livro deles. A primeira coisa que me vem a cabeça quando leio uma sinopse de um livro assim é: psicótico. Tenho a leve impressão que eu não entenderia absolutamente nada do que seria me exposto em livros desse tipo. Todavia, adoraria conhecer um pouco mais sobre a história e tentar sair da minha zona de conforto.
    Beijo, Leitora Encantadalz.com

    ResponderExcluir
  4. Genial sua resenha! Esse livro está na minha estante e será uma das minhas próximas leituras! A Darkside está arrasando!

    bjs

    Amor por Livros

    ResponderExcluir
  5. Eu já havia lido outras resenhas sobre esse livro e acabei ficando ainda mais interessada, então venho e me deparo com a sua resenha hahah, um sinal me obrigando a ler <3 adoro esse suspense misturado com psicopatas, então já sei que amarei. ótima resenha!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Não sou de ler esse gênero, mas amei a edição, está linda. E sua resenha ficou bem completa para quem não conhece muito sobre o que o livro trata :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Mais um titulo da Darkside que eu almejo ter... Mais um em meio a tantos outros :/ hueuehueheu Enfim, livros com essa temática sempre me chamam atenção, não sou muito experiente neste tipo de literatura pois não li muitos livros do tipo, mas sei que os que eu li eu gostei bastante, e acho que não seria diferente com este.

    Abraços,

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Jaci!
    Eu não tenho um título sequer da Darkside. É horrível, eu sei, mas a crise fala mais alto.
    Eu realmente me interessei por esse livro. Não conhecia, mas fiquei deveras curioso. Parece ser bem atordoante mesmo, e interessante. Creio que irei curtir bastante a leitura.
    Ótima resenha!
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. GENTE, QUE RESENHA MARAVILHOSA! Eu estava em dúvida sobre esse livro, mas você falou tanta coisa boa sobre ele, assuntos e reflexões que com certeza vão me interessar. Com certeza entrará para a lista, beijos!!

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir