A Criada [Resenha do Filme]


O diretor Chan-Wook Park deu ao mundo o impactante Oldboy e Sede de Sangue, um dos melhores filmes sobre vampiros de todos os tempos, e toda sua legião de fãs sempre fica ansiosamente aguardando o que virá depois! Seu mais recente trabalho, A Criada, compensa a espera. 

Como se fosse uma mistura de Azul é a Cor mais Quente e Ju-Dou – Amor e Sedução com toques de Hitchcock, ficamos diante de um filme de quase duas horas e meia que não enrola, apesar dos flashbacks e reviravoltas. A roteirista Seo-Kyeong Jeong (que pode inclusive ser uma das finalistas do Oscar 2017) adapta o livro Fingersmith da escritora Sarah Waters e transpõe a ação da Inglaterra pra Coréia da década de 30 durante a ocupação japonesa, mas não se atém apenas ao que tem em mãos – gera dois plot twists que surpreendem bastante e tornam o filme totalmente imprevisível, fugindo do jogo de gato e rato/mulheres vs homens que poderia ter um resultado chato e cansativo.


A jovem e talentosa Tae-ri Kim interpreta a vigarista Sook-Hee, que se passando por uma criada com a ajuda de um golpista que se apresenta como um Conde japonês (interpretado por Jung-Woo Ha) tenta dar um golpe na frágil e milionária Hideko (em atuação superlativa da atriz Min Hee Kim) que mora com seu tio. Durante o dia, Hideko vaga tediosamente pela casa e durante a noite, já vestida como uma Gueixa, lê contos eróticos para uma plateia de senhores ricos e pervertidos que colecionam livros raros. Treinada desde criança pelo tio e sua esposa, com a chegada da nova criada, vislumbra uma chance de mudar a situação. Contar mais do que isso, estragaria qualquer das inúmeras surpresas ou qualquer revelação do passado dos personagens. 

Carregada de tensão, a trama chega a ser um triste retrato de sua época, mostrando a exploração feminina numa sociedade extremamente machista, com uma direção de arte e fotografia estupendas, o que rendeu ao filme o prêmio de Direção Artística no Festival de Cannes. O empoderamento feminino é mostrado como a única chance de sobrevivência, e mesmo já se passado tanto tempo, é duro constatar que pouco foi mudado.


O diretor Chan Wook faz aqui o seu filme mais erótico e ainda que tenha diminuído a violência quase gore dos seus trabalhos anteriores, ela está presente e ganha contornos mais psicológicos. Mesmo tendo vários prêmios de melhor filme estrangeiro de 2016, infelizmente ficou de fora da pré-lista de possíveis nomináveis ao Oscar 2017, mas ainda tem chances na categoria de Melhor Diretor, Roteiro Adaptado e toda a parte técnica. Merece muito.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: A Criada
Título Original: Agasse
Diretor: Park Chan-Wook
Data do Lançamento no Brasil: 12 de janeiro de 2017

Italo Morelli
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

10 comentários:

  1. eu quero muito ver esse filme. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Fiquei em dúvida quando ele estava nos cinemas. Agora fiquei curiosa. Vou assistir assim que tiver oportunidade.

    ResponderExcluir
  3. Não fazia ideia da existência desse filme. Azul é a cor Mais Quente e toques de Hitchcock... poderia ser mais interessante? Assisti ao trailer e fiquei bem interessada, vou dar uma. Acho que é o primeiro filme oriental que me chama a atenção desde Memórias de uma Gueixa.

    Beijo
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, Italo.
    Não conhecia esse filme, mas fiquei interessada principalmente por ter o empoderamento feminino como destaque. E é muito triste que a situação continue praticamente a mesma depois de tanto tempo mesmo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi I!
    Não conhecia esse filme e infelizmente mesmo com a resenha não me atrair a ver o filme, acho que esse tipo gênero não me atrai muito. :(

    Beijinhos,
    www.auniversitaria.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, td bem?
    Eu adoro Oldboy! Adorei saber que esse filme é dele, tenho certeza que vou gostar!
    Parece ser meio forte né?
    Já anotei na lista pra ver!
    Adorei a resenha!
    Beijos
    www.somosvisiveiseinfinitos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Gostei bastante do enredo e lembrou um pouco de senhora, uma obra brasileira que amo.
    Mas difere em alguns pontos, eu amei.
    Art of life and books

    ResponderExcluir
  8. Oi
    nem conhecia esse filme e olha que gosto muito de assistir coisas com asiáticos, pena que esse filme ficou fora do oscar, pelo que falou ele pareces ser um ótimo filme, bem interessante.

    momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. me interessei logo de cara, o diretor me parece muito bom, a história em si perece ser bem instigante. vou assistir beijos

    Taynara Mello
    www.indicarlivros.com

    ResponderExcluir