Carry On [Resenha Literária]


Carry On – Ascensão e queda de Simon Snow foi um dos livros mais aguardados pelos fãs de Rainbow Rowell, afinal de contas, seu protagonista, Simon Snow, aparece em trechos de outro livro da autora, Fangirl, como um “personagem fictício-fictício semi-imaginado” (de acordo com as palavras da própria Rowell) de uma série de livros infantis escrita pela autora fictícia Gemma T. Leslie, e objeto de fascínio de milhões de leitores pelo mundo, e consequentemente de milhares de fanfics, uma delas sendo escrita pela protagonista de Fangirl Cath. 

Rainbow decide então escrever Carry On e contar a história completa (ou quase) do bruxo órfão Simon, e as relações com sua amiga Penny, sua namorada Agatha, seu rival e colega de quarto, Baz, e ainda, com seu mentor, o Mago. 

A jornada dessa turma começa com Simon retornando ao último ano da Escola de Magia Watford, já com 18 anos, e ainda sem controle de seus poderes, os quais o qualificam como o bruxo mais poderoso do mundo, o “Escolhido”. Mas essa não é apenas mais uma história de um escolhido. Além de não ter domínio de sua magia, acompanhamos seus problemas de relacionamento com Agatha, a linda amizade dele com Penny e ainda e principalmente, Simon com a pulga atrás da orelha pela ausência de Baz nas primeiras semanas de aula. 


Quando Baz finalmente retorna, um mistério apresentado a Simon, envolvendo a morte da mãe de seu rival, ocorrido há muitos anos, faz com que ele ofereça uma trégua entre os dois. Passamos então a acompanhar a história também pelo ponto de vista de Baz, e percebemos que na verdade, a rivalidade dos dois tem motivos bem diferentes dos imaginados por nosso protagonista. 

Ao se aliarem para descobrir o que realmente está por trás da morte da antiga diretora de Watford e mãe de Baz, os dois se aproximam e começamos então a perceber como essa relação de antagonismo se deu durante os anos de escola e como ela passa a mudar quando os dois passam a colaborar, posteriormente Penny, também se junta ao grupo. 

O mais bacana neste livro é que vemos adolescentes falando como adolescentes, nada de sabedoria profunda vindo deles, inclusive alguns debates internos sobre sentimentos, que nos trazem alguns trechos muito engraçados, especialmente por parte de Baz, para mim, o melhor personagem do livro.


Penny é a personagem criada para retratar o verdadeiro sentido da amizade. Além de ajudar seu amigo Simon nas situações mais perigosas, ela é muito inteligente e de família tradicional, sendo a segunda melhor aluna da turma, ficando atrás apenas de Baz, o que faz dela uma personagem feminina muito inspiradora, mas de forma alguma petulante. Apesar de as circunstâncias não serem favoráveis a amizade dos dois, ela é muito leal e não deixa a amizade deles ser abalada por pouca coisa. 

Carry on tem muitas semelhanças com outras histórias sobre escolhidos, mas muitas diferenças também, sendo o principal destaque a narrativa leve e descontraída de Rainbow Rowell

Minha experiência, no entanto, teve suas pedras no caminho. A história tem capítulos narrados em sua maioria por Simon e Baz, mas também por Penny, Agatha, a misteriosa Lucy e até pelo Mago. Fiquei confusa em alguns trechos sobre quem era o narrador, tendo que consultar o inicio do capítulo para me certificar de quem era, mas tendo confirmado quem narrava, a leitura volta a fluir. 

Outro ponto que me deixou insatisfeita foi a questão de a origem da personagem não ter sido revelada ao Simon, mas ao leitor sim. Aos poucos vamos descobrindo quem são os pais dele e isso, foi bastante surpreendente, pelo menos para mim. 


Por ser um livro em volume único, alguns acontecimentos não são retratados, apenas suas consequências. Já li algumas histórias de escolhidos (as), portanto, estou habituada a acompanhar toda a jornada de personagens deste tipo. O formato de Carry On acabou me deixando um pouco perdida nesse sentido, o que não o torna um livro ruim. 

Gostei das nuances e dos novos ares dados as histórias de escolhidos, com a discussão de forma leve e natural sobre o que é ser um jovem gay, graças a criatividade e narrativa maravilhosa de Rainbow Rowell, mas principalmente fiquei encantada com o carisma dos personagens Simon e Baz, e pela lealdade de Penny.

FICHA TÉCNICA

Título: Carry On – Ascensão e queda de Simon Snow 
Autora: Rainbow Rowell
Onde Comprar: Amazon

Luciane Leite
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

22 comentários:

  1. Oi, tudo bem? Realmente é muito gostoso quando lemos histórias com personagens que condizem com as falar: adolescentes + sabedoria profunda, não combinam.
    Eu ainda não tinha ouvido falar desse livro e já estou mega interessada.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priscila. É sim, a Rainbow tem esse dom, nos outros livros com adolescentes nós vemos isso também. São YA contemporâneos que discutem problemas sérios,como ansiedade social da personagem Cath em Fangirl e o romance fofo, mas cheio de profundidade pelos problemas da Eleanor, de Eleanor & Park.
      Eu sou apaixonada pela escrita da Rainbow Rpwell.

      Excluir
  2. Adorei a resenha, deu vontade de ler o livro!

    ResponderExcluir
  3. Ameiiiiii ❤❤
    Eu só li um livro dessa autora e amei. Quero ler esse. Parabéns pela resenha��������

    ResponderExcluir
  4. Gostei da resenha Luciane. Ainda não li nada da Rainbow Rowell, mas só ouço vários elogios a respeito. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa. É uma autora que tem livros para todos os gostos, este que é YA com toques de fantasia e aventura, YA contemporâneos como Fangirl e Eleanor & Park, e romances adultos, meus favoritos dela, Anexos e Ligações. Beijos! :)

      Excluir
  5. Oi Luciane,
    Amei Carry On, tomara que a Rainbow faça continuação pq muita coisa ficou em aberto.
    Adorei o Baz ♥
    Ótima resenha :D

    Tenha um lindo 2017.
    Que seus dias sejam prósperos, sábios e saudáveis ♥
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nana. O Baz é sensacional né! Amei os diálogos internos dele. Um personagem que me fez rir o tempo todo.
      Obrigada pelas palavras e um ótimo 2017 para você também!

      Excluir
  6. Respostas
    1. Oi, Isa. Não passe vontade, não! Eu li todos os livros dela em 2016, só ficaram os contos para 2017, e fiquei pensando pq demorei tanto. A Rainbow é uma autora sensacional.

      Excluir
  7. Oi, Luciane!
    Gostei muito da sua resenha!
    Quando soube desse livro, eu fiquei com muita vontade de ler, mas depois a vontade foi sumindo... Quem sabe um dia volta?
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de três anos de Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza. Apesar de não ser meu favorito da Rainbow, eu recomendo a leitura, até porque a maioria dos fãs amou.
      Mas não deixe a vontade de ler Rainbow sumir. A escrita dela é gostosa de ler e as histórias são maravilhosas.

      Excluir
  8. Adolescentes sendo adolescentes: porque eu não vejo isso em livros? É muito raro, geralmente escrevem como se eles fossem adultos, e pensassem (e adolescente lá pensa? hauuhahuauha brincadeirinha).
    Amei a resenha!

    Bjinhos,
    ❥ AmigaDelicada.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi. Nos livros da Rainbow vc vê e o melhor é que não são aqueles adolescentes mimizentos.
      A Cath de Fangirl sofre de ansiedade social, então tem uma razão de ser como é e eu a entendo, pq também sofro disso.
      A Eleanor de Eleanor & Park tem uma vida mega sofrida e um ambiente familiar nada ajustado, e mesmo assim, não é mimizenta.
      Enfim, amo as personagens adolescentes da Rainbow, mesmo preferindo as adultas, porque tem problemas reais desta fase da vida e não são exageradas, por isso, são maravilhosas.

      Excluir
  9. Eu já li uma ou outra resenha de livros da Rainbow Rowell e fiquei com vontade de conhecer a autora e suas histórias. Sua resenha ajudou a alavancar esse desejo, fez ele voltar a fluir. O ano mal começou e minha lista de leituras já começa a... hahah Adorei te ver aqui Lu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pandora.
      Acho que você deve começar por Ligações, principalmente pela discussão feminista que permeia o livro, mas também porque é lindo. Mas acho que a educadora em você também vai amar Eleanor & Park.
      Leia Rainbow! <3

      Excluir
  10. Eu achava que esse livro tratava de um assunto completamente diferente! :) agora estou super curiosa para ler! É muito bom quando os personagens são carismáticos, né? Acho que isso ajuda muito a gostarmos da história! Ótima resenha! Beijos e um ótimo 2017 para você! <3
    http://colorindonuvens.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dai.
      Para mim, todos os personagens são carismáticos, mas entendo que para outras pessoas pode ser um exercício de empatia, e em alguns casos, um exercício muito importante. Li todos os livros dela, só faltam os contos, e tanto enrendo, quanto as personagens, foram muito importantes em diversos pontos.
      Ela usa de uma escrita leve para abordar diversos assuntos em um mesmo livro, mas sem ficar raso, sabe? <3 Ótimo 2017 para vc tbm!

      Excluir
  11. Olá, Luciane.
    Eu li Fangirl e amei o livro. Devorei ele em um dia. E não sabia dessa ligação de Carry On com ele. Agora me animei ainda mais para ler ele. Assim que der vou ler, mas por enquanto vou tentar ler os livros que estão parados na minha estante hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil.
      Boa sorte com seu projeto, eu consegui desencalhar muitos livros em 2016, o que me fez me sentir menos culpada pelos livros que comprei e pelos que vou comprar em 2017.
      Dá um baita orgulho!

      Excluir
  12. Olá!
    Adoro a Rainbow, e esse livro e mais alguns dela estão na minha meta de leitura desse ano!
    Parabéns pela resenha =)
    Beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Raissa. Primeiro, obrigada.
      A Raibow me conquistou em 2016, consegui ler os cinco livros dela neste ano que passou. Agora só faltam os contos, mas já to providenciando.

      Excluir