Rita Lee: uma autobiografia [Resenha Literária]


Finalmente foi lançada a autobiografia da “diva-mor das brazucas” (como costumo chamar Rita Lee... rs)! Esperei muito para ler e ainda hoje lamento por não ter ido ao lançamento em Sampa (perdi a oportunidade de vida de tirar foto com ela, sonho com isso desde criança... Snif Snif)... Mas tudo bem, Rita Lee sempre será a pessoa que me inspira com suas letras e ideias únicas (aqui na Estante já fiz outras postagens sobre ela). Foi pensando nisso que resolvi trazer para vocês um pouco do livro dela. Sem demoras, vamos lá!

Já na capa (desenvolvida pela própria autora) é possível perceber o objetivo: falar sobre as várias “personas” que compõem a Rita conhecida nas letras, na mídia (em termos... afinal, mídia é sempre um problema...), a Rita filha, mulher, mãe... e todas as outras faces da capricorniana com ares pra lá de aquarianos mais adorada do Brasil (sim, se um dia ela ler isso, ela deve discordar. Mas não tem jeito Rita, seu legado jamais será esquecido. Eu mesma vou tratar introduzir meus filhos no mundo Leemaníaco... rs)!


Sem medo de reviver o passado, Rita Lee nos conta sobre como foi uma criança “pentelha”, sua fase para lá de complicada (pelos altos e baixos) com os Mutantes e os Tutti Frutti até chegar na sua eterna parceria com Roberto de Carvalho. O livro em si, tem uma cronologia genérica, o que passa a impressão de um bate papo muito divertido e informal (bem a cara da Rita!). Alguns detalhes são esclarecidos ou pontuados pelo divertido e único “phatom”, que de cara surpreende pela belíssima crítica feita as pseudo-autobiografias (pedir alguém para escrever é mole, né?) e por adorar comentar que a Rita é crítica demais e meio esquecida... (meia hora ou outra phantom aparece no meio do texto e fornece informações extras sobre a carreira e vida de Rita, bem como corrige algumas informações que a memória dela tratou de esquecer ou interpolar)

Outro ponto alto do livro é a forma densa e descontraída de comentar todas as suas produções. Se havia alguma dúvida de onde estavam vindo toda a inspiração para compor Mania de Você ou Ovelha Negra, seus problemas acabaram! Sem nenhum pudor Rita nos conta em que contexto (se em estado alterado ou se um santo desceu nela, como ela mesma gosta de frisar) se deu e as constantes censuras que passou para aprovar suas letras ousadas, modernas e engajadas (digo engajada, porque ela não negava suas posições políticas quando quis expor e falar sério, ela é a primeira rockeira a escrever, e muito bem, sobre o universo feminino. Exemplos não faltam: Pagu, Elvira Pagã, Lança Perfume, Menopower e Cor de Rosa Choque). O que significa dizer que ela também faz um constante balanço a partir de sua autocrítica capricorniana o que achou bom e o que ela faz questão de “deletar da memória”.


Não bastasse isso, Rita vai fundo e transparece todas as mazelas que o vício nas drogas e bebidas proporcionaram em sua vida, usadas por vezes como mecanismo para esquecer as perdas de amigos e familiares ao longo de sua trajetória como “pop star”.

Não poderia ficar de fora a sua história de amor eternizada em diferentes letras por Roberto de Carvalho e sua trajetória de rockeira para “admirável mundo novo dos normais” (p.262).


Enfim, a obra de Rita Lee mostra não apenas o lado da cantora em sua história recortada pela mídia, mas também mostra mais um lado de Rita que talvez não estejamos tão acostumados: escritora (ou já estivéssemos, mas encantados com sua voz esquecemos que como boa compositora que é não poderia ter feito feio como escritora).

FICHA TÉCNICA

Título: Rita Lee: uma autobiografia
Autor: Rita Lee
Ano: 2016
Onde Comprar: Amazon

Até a próxima!

Bjs,
Ju

Ps: Sim, meu sonho é esta humilde resenha chegar até Ritinha (outra forma que me habituei a chamá-la ainda criança. Não sei o que ela achará de um humilde texto de uma ariana com ascendente em capricórnio... mas se chegar até ela, vamos ver no que dá!)
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

11 comentários:

  1. Oi Ju! Eu não sou muito de ler biografias mas como sou muito fã da Rita, essa eu quero ler!
    bjs

    Amor Por Livros
    http://amo-os-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. minha amiga tb falou desse livro essa semana. como vc ela tb gostou. eu adoro a capa. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha Ju. Gosto da Rita Lee e de algumas canções suas como Ovelha Negra e Lança Perfume e uma autobiografia sobre a rockeira é no mínimo interessante. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Tenho muita vontade de conhecer melhor a história e origem dessa cantora tão marcante e importante. Adorei a resenha <3 Abraço :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ju!
    Gosto muito das músicas da Rita Lee, e tenho certeza que essa autobiografia é um prato cheio para os fãs.
    Confesso que fiquei curiosa para conhecer mais sobre a vida!
    Parabéns pela resenha!

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Adoro a Rita Lee haha
    Por algum motivo, ela me lembra uma tia minha.
    Leria com certeza ♥

    tenha um ótimo final de semana =D
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  7. Olá Ju,

    Ainda fico na dúvida em relação a esse livro, tem momentos da cantora que eu gosto mas hoje em dia não gosto dela, talvez seja por esse motivo o meu receio, mas estou curioso e quem sabe...bjs.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ola Ju, adorei a resenha e to louca pra ler esse livro, lendo seu post so fiquei com mais vontade.
    Parabens pelo blog

    Bjinhos
    Ana Paula
    http://paixaoporleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ju,

    Tô curiosa pra ler esse livro, mas confesso que também estou um pouco receosa. Ouvi muita gente dizer que em alguns momentos ela infantilmente rancorosa. A verdade é que, diferente de uma biografia feita por terceiros [uma bem feita, coisa que nem todas são], uma autobiografia inevitavelmente mostra uma única perspectiva, sem falar que, conscientemente ou não, algumas coisas são deixadas de fora, coisas que seriam ótimas para nos deixar mais próximos do personagem. Enfim, eu sou uma adoradora de biografias e, consequentemente, meio enjoada. Por isso que estou receosa e ansiosa ao mesmo tempo para ler a autobiografia da Rita. Vou providenciar a leitura, depois te conto o que achei.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Oi Ju, tudo bem?
    A Rita é uma porra loka das boas! Eu adoro! Suas músicas embalaram minha adolescência e as escuto até hoje. Bom demais. Eu não curto ler biografias, mas é legal saber que você curtiu a leitura e saciou suas curiosidade sobre ela. Espero que seu desejo se realize e ela possa algum dia ler seu ótimo texto.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Ju!
    Adoro Rita Lee. Amei sua resenha, impossível não perceber o quanto você é fã da cantora. Espero que ela leia sua opinião.
    Beijos
    http://lua-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir