O Protegido [Resenha Literária]


O que faz um livro de fantasia se tornar épico? O herói corajoso e abnegado que coloca a vida de outros a frente da sua própria? Batalhas épicas contra os inimigos? A união de diferentes povos contra um inimigo comum?

É verdade que em O Protegido, primeiro volume do Ciclo das Trevas, escrito por Peter V Brett, publicado no Brasil pela Darkside Books, podemos encontrar tudo isso, mas me surpreendi durante a leitura ao perceber que o autor não se limitou a contar a jornada apenas daquele herói que enfrenta os perigos de frente, mas também daqueles heróis que agem confortando, curando ou trazendo um alento para as pessoas. E mais importante, dando a importância que essas pessoas merecem. 

Nesta jornada vamos acompanhar a trajetória de três personagens desde a infância até a fase adulta. Arlen, natural do Riacho de Tibbet, que com apenas 11 anos já sabe desenhar proteções melhor do que muitos aprendizes da função de protetor e mensageiros experientes, é filho de fazendeiros. Leesha, natural da Clareira do Lenhador, filha de um fabricante de papel e uma dona de casa, que sonha em se casar com seu prometido. E por último, mas não menos importante, o mais jovem dos três, Rojer, natural de Pontefluente, filho de estalajadeiros, que começa sua jornada com apenas 3 anos. 


Teoricamente, a vida dos três já está traçada, os filhos seguem a profissão dos pais com frequência nestes pequenos vilarejos. Porém, a vida destas crianças não tem nada de comum, pois elas vivem em um mundo assolado por terraítas, seres equivalentes a demônios, que se dividem em várias espécies, tais como, pedra, fogo, vento, água, areia e madeira. Estes demônios têm como prato favorito a carne humana, e todos os dias após o pôr do sol, se erguem da terra para se alimentar de pessoas desprotegidas. A única forma de se proteger é colocando proteções em suas construções ou no terreno, mas a menor falha é capaz de causar grandes tragédias, e com isso a humanidade se torna refém do medo de serem consumidos por estes seres misteriosos. 

Há alguns séculos surgiu um Salvador, que conseguiu não apenas se defender, mas atacar os demônios através da magia das proteções e liderar exércitos de homens. Após levar a considerada extinção dos terraítas, a humanidade deixa de ter um inimigo em comum e passa a lutar entre si pelo poder. O Salvador foi então convocado a liderar exércitos nesta guerra, porém se recusou e preferiu desaparecer. Após um longo período de batalhas, os homens se espalharam pela terra e deu-se início um período conhecido como Era da Ciência, em que o principal erro foi deixar a magia de lado. 

Três mil anos se passaram sem que um terraíta fosse avistado, e o homem chegou ao ponto de duvidar que esses seres realmente existiram. No entanto, como nem tudo é tão bom o quanto parece, eles apenas estavam juntando forças para se reerguerem mais fortes do que nunca, e como os seres humanos achavam estar livres dos demônios, a maior parte do conhecimento sobre proteção se perdeu, e o máximo que o homem consegue mais de trezentos anos Depois do Retorno é se trancar em suas casas e torcer para que as proteções aguentem durante a noite, aguardando o dia em que um Salvador irá se levantar e liderar novamente os humanos contra o inimigo. 


A mitologia criada pelo autor se assemelha muito com a teologia judaico-cristã-muçulmana, não somente nesta questão do Messias, o Salvador, mas também no que se refere ao papel do homem e da mulher na sociedade, e na culpa da humanidade por seu sofrimento. Os sacerdotes deixam claro que a fé deles acredita que os terraítas foram enviados pelo Criador, por conta dos pecados da humanidade. O autor não nos poupa de personagens e situações em que o machismo se mostra de forma intensa, principalmente enquanto nos conta a história de Leesha. 

No começo eu estranhei um pouco essa questão de meninas de 13 anos grávidas, sendo tratada como algo comum, mas então entendi com o que o autor estava trabalhando, alta taxa de mortalidade, seja pelos ataques dos terraítas ou por doenças, e baixa taxa de natalidade, e vi que poderia muito bem acontecer isso mesmo, os jovens serem incentivados a se casarem e terem filhos bem cedo. 

Diversos personagens me marcaram durante a leitura, mas preciso destacar Bruna, ervanária da Clareira do Lenhador e professora de Leesha. Além de garantir momentos hilários, a personagem nos faz refletir sobre a forma como julgamos o próximo e como deixamos certos conceitos morais, mas principalmente religiosos e patriarcais ditarem os rumos de nossa sexualidade, principalmente a feminina. O próprio Arlen é uma personagem que se mostra feminista em diversas situações, especialmente durante sua estadia em Krasia, o que me fez gostar dele um pouco mais. 


A construção de mundo é perfeita, descritiva sem ser cansativa, e os diálogos muito bem construídos. Apesar de estranhar nos primeiros capítulos a forma como as crianças falam, tive de abrir a minha mente e levar em consideração que apesar da pouca idade, essas pequenas pessoas já viram muito coisa e são criados para se tornar independentes muito cedo, então comecei a entender o porquê de apesar de serem crianças, não serem personagens infantis. 

Nossos protagonistas são assolados quando seus lares sofrem ataques dos demônios, muitas perdas, sejam das vidas de pessoas queridas ou da inocência com relação aos que os cercam, irão ajudar a traçar seus caminhos. Arlen deixa o lar e o futuro como fazendeiro para se tornar aprendiz de mensageiro, Leesha irá se tornar aprendiz de ervanária, e Rojer, aprendiz de menestrel. Essas três profissões são de extrema importância neste mundo, pois a única forma de comunicação é através dos mensageiros, que dormem muitas vezes ao ar livre durante a noite para chegar a cidades distantes e levar mensagens e fazer comércio de alimentos e outros produtos, as ervanárias são curandeiras e parteiras, e os menestréis, trazem um pouco de alegria e distração dos problemas, pois são artistas que contam histórias, tocam músicas e divertem as pessoas de diversas formas. 


Quando o caminho dos três finalmente se cruza, foi no momento de maior tristeza para mim no livro. Chorei e tive que tomar um tempo para retomar a leitura, pois como já acontece na parte final da história deste primeiro volume, eu já estava me sentindo muito próxima das personagens. Neste momento também começa a ser traçado o novo caminho que se mostra para os três, que parece já estar claro, mas a reunião de suas forças traz novas possibilidades e novas formas de lutar contra os terraítas e ajudar realmente a humanidade. É bacana ver que além do sofrimento, o grupo passa a compartilhar a fé em derrotar estes seres malignos, não confiando em um Salvador, mas na força da humanidade. 

O Protegido foi mais que uma simples leitura para mim, foi uma experiência, o tipo de livro que mais me motiva a entender as entrelinhas e buscar realmente a entender as ações e palavras das personagens, mas também consegue entreter de forma mais do que satisfatória. Se a história virar filme, torço para ser uma adaptação bem fiel e bem produzida, pois este livro merece.

FICHA TÉCNICA

Título: O PROTEGIDO (CICLO DAS TREVAS, volume 1) 
Autor: Peter V Brett
Onde Comprar: Amazon

Luciane Leite
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

18 comentários:

  1. Olá...
    Tenho muita vontade de ler essa série depois que assisti uma indicação da Tamiris do Resenhando Sonhos, ela super elogiou os livro, e pelo que vi vc também adorou aumentando ainda mais minha vontade...

    Divagando Palavras
    www.divagandopalavras.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline.
      Amo as resenhas da Tamirez. Já tinha feito meu pedido de O Protegido quando saiu a resenha dela, mas assisti mesmo assim. E para você ver, nós duas tivemos experientes boas, mas diferentes com esse livro. Acredito que seja esse tipo de livro mesmo, que faz cada um vê-lo de forma diferente.
      Leia e depois me conte o que achou!

      Excluir
  2. Gostei da resenha Luciane. Parece ser uma fantasia empolgante e muito bem escrita. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa. É sim, o que me surpreende de não ser mais comentada.

      Excluir
  3. Olá, Luciane.
    Eu gosto muito de livros do gênero, ainda mais os que abordam essa questão da religião e do machismo. Meu sobrinho tem ele e assim que lançar todos eu vou pedir emprestado hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sil, o livro 3 está para sair esse ano. O dois foi lançado em 2015, acho que a Dark vai levar alguns anos para publicar todos, viu.
      Mas vale a pena, são muito bem traduzidos e editados.

      Excluir
  4. Oie, tudo bem?
    Quero dizer que essa edição da Dark está linda demais, mas afinal qual não está né? háhá
    Adorei a resenha, já faz um tempo que quero ler esse livro, e sua resenha só me deixou mais curiosa ainda, vou procurar ler o quanto antes.
    Eu também iria achar estranhos ver meninas de 13 anos grávidas, mas como você falou que acabou entendendo acho que comigo também seria assim.
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline. Tudo bem, e contigo?
      Também estava na minha lista há um bom tempo, mas ainda bem que deixei para ler esse ano, pois a Darkside já nos confirmou que o livro sai esse ano. O dois saiu em 2015, e já está na minha estante aguardando ser lido.
      Beijos!

      Excluir
  5. Nossa, eu não dava nada por essa história, mas agora lendo sua resenha, e o quanto você gostou da história, só me fez ficar com muita vontade de conhecer também, afinal, eu amo fantasia :D

    http://www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Monique.
      Para quem ama fantasia, este é certamente um livro imperdível, tanto pela criação de mundo e personagens, quanto pela escrita do autor.

      Excluir
  6. Oi, Lu!
    Mirmãããã.. Que história é essa???? Eu via essa capa divosa mas não sabia que a história seria tão boa assim!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Sorteio Literário de Carnaval
    Resenha Premiada Paixão e Crime
    Sorteio Três Anos de Historiar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza.

      É aquele tipo de história que pode tirar risos, fazer chorar e refletir. Tem tipo melhor?

      Beijos!

      Excluir
  7. Que livro E resenha maravilhosos! Você soube explicar muito bem sobre o que se trata a história, e a forma como as crianças tiveram que crescer rápido, foram criadas para isso. Acho essa capa esplêndida, ainda mais por ser capa dura. E se eu já tinha interesse antes no livro, agora então, eu preciso pra ontem!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol.

      É o tipo de calhamaço que você lê e nem percebe o tempo passar, quer devorar.
      Aproveite para ler esse ano, pois a Darkside está para lançar o livro 3.

      Excluir
  8. Que maravilha!
    esse livro está na minha lista faz um tempo. Amo livros com essa pegada medieval. E que bom que o autor não se detém nos tipos de heróis que já conhecemos, é muito bom quando eles inovam de alguma forma. Achei interessante isso de ele relacionar a história que cria com a que já conhecemos. Quando li sobre "Salvador" já imaginei logo que tinha uma relação com o Cristianismo.
    Amei as fotos, haha
    Beijos,
    http://eusouumpoucodecadalivroqueli.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mirelle.

      A forma sutil como ele usou os fatos que já conhecemos, me fez ficar ainda mais instigada para saber como toda essa questão do Salvador será solucionada, pois é justamente esse aspecto da história que é explorado no cliffhanger para o próximo livro. Suspense demais!

      Excluir
  9. Oi Luciane, tudo bem?
    Apesar de gostar de histórias do gênero, esse não chamou minha atenção. Ainda mais se tratando de uma série. Fica pra próxima!
    Beijos
    [SORTEIO]Baile Literário
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priscila. Que pena, pois é realmente uma história que vale a pena ser lida.

      Beijos!

      Excluir