Á primeira vista [Resenha Literária]


A maioria das vidas é longa, e a maioria das dores é curta. Os corações não se partem de verdade; eles sempre continuam batendo. pg. 170
À primeira vista é um romance jovem adulto escrito em parceria entre os autores David Levithan, conhecido e queridinho do público brasileiro, e Nina LaCour. A história de Mark e Kate começa exatamente no primeiro dia da Semana do Orgulho Gay de São Francisco, um dia bastante especial para ambos, pois ambos são jovens gays muito bem resolvidos com relação a sua orientação sexual. No entanto, como ainda são jovens estão vivenciando diversas experiências pela primeira vez em suas vidas e tendo que lidar com muitos dilemas, principalmente as dificuldades relacionadas a vivência do primeiro amor. 

Mark é jogador de beisebol e apaixonado por seu melhor amigo Ryan, que é poeta e colaborador da revista da escola, a relação não é nenhum pouco platônica, e os dois eventualmente dão uns pegas, chegando a transar, inclusive. Mas enquanto o protagonista tem certeza dos sentimentos que nutre pelo outro, os sentimentos de Ryan são tão misteriosos para Mark, quanto para nós, leitores. A relação dos dois vai dar uma guinada quando eles vão até um bar durante a abertura da Semana do Orgulho Gay, e lá Mark aceita um desafio de beleza que consiste em dançar somente de cueca em cima do balcão. Porém, não é somente Ryan que vai admirar a coragem de Mark, é neste momento que Kate entra na história. 

Kate é artista plástica e já está no último ano do ensino médio, e diversos caminhos se apresentam para ela, mas nenhum parece satisfazê-la totalmente. Seu grupo de amigas mais próximas consiste em Lehna, sua melhor amiga desde a infância, June e Umma, sendo que as duas últimas formam um casal, mas as quatro são lésbicas. Lehna tem uma prima, Violet, que mora na Europa, e por quem Kate é apaixonada, mesmo antes de conhecê-la pessoalmente. Violet está de mudança para os Estados Unidos e as duas finalmente vão poder se conhecer, porém, assim como em diversos outros casos, Kate sem saber como lidar com a situação, acaba fugindo da festa onde o encontro fora planejado e acaba indo para o bar onde Mark está. 


Um detalhe muito importante é que os personagens estudam na mesma escola e até fazem aulas de cálculo juntos, mas nunca deram muita atenção um para o outro. Foi naquele momento de bravura de Mark que Kate percebe que quer ser amiga dele e faz o convite de forma bastante espontânea, e a partir deste momento, um será o apoio do outro em diversas situações. Uma das coisas que mais os aproxima é justamente o distanciamento que cada um tem com seus melhores amigos, Mark por ser apaixonado por Ryan, e Kate por estar fora de sintonia com suas amigas.

A história toda começa e termina durante a Semana do Orgulho Gay, um período curto, mas que justifica o título de À primeira vista, uma vez que os dois desenvolvem uma amizade de forma rápida, mas nem por isso, deixa de ser uma amizade profunda e verdadeira. Esse inclusive é um dos pontos mais positivos sobre este livro, apesar de ter dois romances em desenvolvimento, a amizade entre todas essas pessoas, não apenas entre os protagonistas, não fica em segundo plano. 

Com Kate vamos acompanhar as amizades que esfriam, por um motivo ou outro, e as pessoas ficam sem saber como consertar o que não sabem nem como foi quebrado. Será que as amizades tem data de validade? Será que nossos amigos são capazes, ou até mesmo obrigados, a nos compreender 100%? Perdoar todo e qualquer deslize nosso? Estas são algumas das perguntas que surgiram para mim com a história de Kate e suas amigas. 

Eu tenho um pouco de implicância com histórias LGBT em que todo o círculo de amizades de uma pessoa é formado única e exclusivamente por pessoas com a mesma orientação sexual, o que acontece com Kate. Achei este um ponto negativo no livro. No entanto, isso foi amenizado quando Kate nos conta a história de como ela e Lehna se deram conta de que ambas são gays, achei bastante plausível e comecei a pensar em como isso está se tornando cada vez mais comum. 


Mark tem amigos heteros, especialmente do time de beisebol, porém essas amizades não são exploradas no livro, apenas a amizade dele com Ryan, e posteriormente, com Kate. Vou ter que dar o crédito para Ryan aqui, pois ele sempre foi sincero com Mark sobre seus sentimentos e o que a relação dos dois representa para ele, a importância que tem. Entretanto, no começo da história e em certo momento por comentários de Kate e Violet, parece que Ryan é quase um vilão, o que ele não é, e posteriormente, comecei a compreendê-lo melhor. Gostei muito da forma como os autores abordaram o personagem. 

No entanto, o que realmente me chateou na leitura foi que mesmo com dois autores, escrevendo capítulos intercalados entre Mark e Kate, que narram em primeira pessoa, em alguns momentos eu achei as vozes muito parecidas. Cheguei a ficar perdida, tipo “ué, não estava lendo um capítulo do Mark?”, quando na verdade estava lendo um capítulo da Kate. A narrativa não deixou de ser fluida por conta disso, mas em alguns momentos eu tive este problema. 

A história destes jovens é leve, ao mesmo tempo densa, pois aborda muito mais que as amizades surgidas na infância ou na adolescência, ou o primeiro amor. Para mim, Á primeira vista trata também sobre a descoberta de quem somos e quem queremos ser, aliado à como nossa família e nossos amigos influenciam neste caminho, sem contar a representatividade LGBT, mas este aspecto é apenas a superfície do que este livro aborda. 


Para saber se a história de Mark e Ryan e a de Kate e Violet acabam bem, só lendo para descobrir. Cheguei a achar em alguns momentos que os dois casais terminariam juntos, depois que ninguém ia ficar junto, depois que apenas um casal seria formado, mas no final me surpreendi com as escolhas dos protagonistas e com o comportamento de seus pares românticos. 

Os dois capítulos finais são os melhores do livro todo, e isso, ao meu ver, é bastante difícil de atingir. Considero bastante positiva esta primeira experiência que tive com os autores David Levithan e Nina LaCour, principalmente porque YA está bem fora da minha zona de conforto, e pretendo ler outras obras de ambos, mas desta vez escrevendo sozinhos.

FICHA TÉCNICA

Título:Á primeira vista
Autora: David Levithan e Nina LaCour
Onde Comprar: Amazon

Luciane Leite
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

8 comentários:

  1. Parece ótimo o livro e gostei da primeira frase destacada!!
    É pura verdade, além das dores o coração sempre continua batendo, achei muito forte a frase, copiei ela já!

    Beijos!♥
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderExcluir
  2. Olá, Luciane.
    Eu amei Todo Dia, mas depois li alguns livros do autor escritos em parceria e acabei não gostando tanto. Mas esse me pareceu ser interessante pelos protagonistas não serem um casal e sim ter dois casais diferentes. Pode ser que eu leia ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Oi, Luciane.
    Essa é minha leitura atual, na verdade comecei hoje e aí vim dar uma curiada na sua resenha para ver se vou gostar.
    Um beijo

    Te Conto Poesia ♥

    ResponderExcluir
  4. A leitura parece ser bem leve e descontraía, ainda não tinha ouvido falar desse livro.

    Bjinhos,
    ❥ AmigaDelicada.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu!
    Novamente Levithan e suas citações <3 Sempre me apaixono pelos livros dele só pelos quotes tão verdadeiros. Ainda não li esse, mas quero. Na realidade faltam 2 livros do autor publicado aqui que eu ainda não conheci, mas estão na tbr. Adorei a resenha. Livro leve e rápido é o que eu tenho pedido esses dias.

    Abraços
    David
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nunca li nenhum livro com essa temática acredita? Que pena isso das vozes serem parecidas! Mas parece que não atrapalhou o livro, eu daria uma chance :3

    www.vestindoideias.com

    ResponderExcluir
  7. Já li um livro desse David, só não lembro qual... acho que é um com o John Green o.O Esse livro eu não conhecia, normalmente não curto muito esses colabs, mas gostei bastante da história, acho legal que tenha personagens LGBT e que explore as "mentes" também dela quanto dele. Fiquei interessada! Vou por na minha listinha :D

    Bom fim de semana :D
    tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Luciane, como vai?
    Eu li Um Dia do David, e lembro que gostei do livro, por isso vou colocar sua dica na lista.
    Bjus
    Doces Letras

    ResponderExcluir