Original Netflix: Death Note


O mangá e anime de Death Note alcançaram tamanho sucesso dentro e fora do Japão que mesmo 14 anos após seu lançamento conseguem manter uma legião de fãs. O anuncio da Netflix sobre uma releitura ocidental deixou grande parte desses fãs com os dois pés atrás, e com o lançamento na última sexta-feira, o filme se concretizou como uma decepção.

A história original segue Light Yagami a partir do momento em que encontra um caderno nomeado Death Note, possuí o poder de matar aquele que tiver seu nome escrito em suas páginas. Com isso em mente, Light decide se tornar o deus do Novo Mundo, matando bandidos, é adorado por muitos que nomeiam o novo “deus” de Kira, enquanto a polícia cria uma força tarefa liderada pelo jovem excêntrico detetive L. Tsugumi Ohba e Takeshi Obata criaram uma história cheia de questões éticas e psicológicas, um embate intelectual entre L e Light/Kira que faz com que o leitor perca o ar e devore as páginas do mangá, mas tudo isso foi completamente ignorado na produção original Netflix, tornando o filme um suspense frio, digno de bocejos.

O tom de suspense adolescente é apresentado logo nos primeiros minutos com uma cena clássica de High School, líderes de torcida, valentões, nerds e a garota esquisita fumando no meio da quadra, depois apresentada como Mia, na obra original, Misa Amane. Na adaptação Light é apaixonado por Mia, e o romance dos dois passa a ser o foco principal, uma espécie vazia e rasa de Bonnie e Clyde, o casal divide o Death Note, de modo que a garota se mostra muito mais decidida e sangue frio, causando uma inversão de papéis entre o casal original.


O Light de Nat Wolff é extremamente sonso e mimado, com direito a gritinhos e chiliques, definitivamente uma criança brincando de deus. Toda a inteligência e megalomania do personagem original foi perdida, ele é mandado e desmandado pela namorada, quando o espectador já está pedindo pelo amor de tudo que ele morra, finalmente é apresentado um plano um pouco mais elaborado vindo do personagem.

L (Keith Stanfield) apresenta os trejeitos do original, porém não são explicados no filme, transformando o personagem em um doido viciado em doces, não tão inteligente quanto devia, e com sacadas que foram atiradas na cara do espectador por alguns minutos.

Ryuk, interpretado por Willem Dafoe, é a salvação do filme, infelizmente mal explorado, o shinigami, e dono original do Death Note de Light é quem rouba a cena, possuí grande influencia nas ações do personagem, reforçando a imagem do protagonista como uma criança perdida.


Com uma história tão rica em mãos toda a produção ficou perdida, pontos importantes foram ignorados para dar espaço ao besteirol americano. Um exemplo disso é a clássica cena americana dos bailes escolares, claro que aqui não poderia faltar, toda uma produção desnecessária e tempo de tela gasto com um clichê que já estamos cansados de assistir.

O filme não funciona como adaptação e até mesmo como uma releitura para quem não tem conhecimento do original. Os personagens são mal apresentados, com motivações rasas, uma trilha sonora completamente fora de tom, tornando cenas forçadas de drama e câmera lenta em uma palhaçada digna de gargalhadas. Falando em palhaçada, é impossível não citar a quantidade completamente exagerada de regras que foram criadas no filme para o uso de Death Note, tornando hilária a quantidade de brechas existentes nas ações de Light, que acaba se tornando uma marionete do caderno, de Ryuk e Mia.

Como se não fosse o suficiente, apresenta uma mistura muito louca de gêneros, mortes no estilo gore, cheias de sangue e pedaços de carne, com romance adolescente fraco e um suspense água com açúcar de final extremamente tosco.


Uma adaptação ocidental seria possível sim, mas Death Note tentou ser muito e não foi nada, a Netflix deveria focar em suas produções originais, pois errou feio e parece que não irá parar em Death Note ou em só um filme da franquia. Para quem ficou interessado, a história possuí uma trilogia live action japonesa, muito mais do que indicada.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Death Note
Diretor: Adam Wingard
Data do lançamento: 25 de agosto de 2017
Netflix
Rafaela Alves
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

10 comentários:

  1. Falou tudo!! A Netflix tinha uma obra prima nas mãos mas não soube aproveitar isso, acredito que o filme seria menos criticado se não fossem usados os nomes das personagens do mangá e anime, eu ficaria contente com um João Turner, uma Maria e um Leandro, mas não, desfiguraram totalmente as personalidades dos originais. Usaram o nome de Kira e L em vão hahaha
    Tenho visto que as pessoas que não possuem informação alguma sobre a história original gostaram desse filme, queria eu não ter conhecimento disso para poupar minhas energias passando raiva ao assistir.
    Resenha muito bem escrita e elaborada, parabéns, Rafaela!

    ResponderExcluir
  2. Oi Rafaela,

    Poxa que pena, eu estava com altas expectativas com esse filme, pois vi várias divulgações.
    Death Note sempre me chamou atenção por esse ar de mistério.
    Acho que mesmo assim eu ainda assistiria.
    bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu não sou fã de séries, mas achei linda as fotos desse seriado.
    Pra quem gosta, vai amar essa dica.
    Beijos. ♥

    Diário da Lady

    ResponderExcluir
  4. Todas as pessoas da minha tl do Twitter estão revoltadas com essa produção, acho que a Netflix errou feio dessa vez.
    Mil Beijos!
    https://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/2017/08/overdose-vma-2017.html

    ResponderExcluir
  5. Oi, Rafaela.
    Sou do time que assistiu o anime e achou horrível o tanto de erro que a Netflix acabou cometendo ao produzir esse filme. Não assisti ele, mas tanta gente que conheço que assistiu e falou tão mal que percebi que não gostaria de perder meu tempo. O negócio é que o anime sempre será muito melhor que qualquer filme que criem, a história é muito original e eletrizante. Pena que a Netflix acabou ridicularizando toda a obra.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, Rafaela.
    Como não conheço nem o mangá nem o anime eu gostei do filme. Achei bem interessante e fui surpreendida em várias partes, principalmente no final. Mas sei como é isso, já estou cansada de ver meus livros favoritos sendo estragados no cinema.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Olha, eu me recuso a assistir kkkk gostei muito do mangá e do anime p ver algo "ocidental" kkkk

    Bjinhos,
    ❥ AmigaDelicada.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, Rafaela!

    Que pena que você não gostou :( vi muita gente que também não curtiu muito. Nunca assisti o anime nem o mangá, então fico meio perdida quando falam sobre Death Note haha

    Beijos,
    Isa
    http://viciadas-em-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Essa adaptação deu o que falar e não foi no bom sentido. Ahhahaha
    Eu sequer sabia da existência desse anime antes de todo mundo começar a falar que a netflix ia adaptar e blábláblá.
    Pena que não deu certo. Vou dar uma conferida quando estiver de bobeira. Já que eu não tenho nenhum comparativo posso até gostar.

    Beijo
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir