Victória e o Patife [Resenha Literária]


Definitivamente romances de época não são o meu tipo de livro preferido, eu até gosto, mas me incomoda um tanto o excesso de conversas fúteis e a vaidade exacerbada como aconteceu no livro da Meg Cabot, Victoria e o Patife, mas é um livro de leitura fácil e rápida. 

Na verdade, o maior “problema” na história é a protagonista, Victoria é tão vaidosa que se importa com o tamanho do colarinho, cinco cm mais baixo que o tamanho usado, do Capitão do navio Harmonia, Jacob Carstairs. Ela assumiu uma antipatia gratuita pelo Capitão durante os meses em que ficou no navio vindo da Índia para a Inglaterra, onde Victoria vai morar a mando de seus tios que acreditam que ela, com 16 anos, precisa arrumar um marido e eles já não suportavam mais os mandos da sobrinha. Órfã, a protagonista acha que o seu maior talento é resolver os problemas dos outros, o dela ela já resolveu, pois durante a viagem, em uma linda noite de lua cheia, o Nono Conde de Malfrey, Hugo Rothschild a pediu em casamento e ela aceitou. 

O que Victoria não sabia era que o Capitão Carstairs tinha motivos suficientes para aconselhá-la a não continuar com o relacionamento com o Conde, alegando que ele não é quem Victória acredita que seja, o que a irrita mais ainda, mais até que o colarinho cinco cm mais baixo. (O problema do colarinho é explicado pela autora no fim do livro).


Já na Inglaterra, a protagonista tenta colocar ordem na casa dos tios onde foi morar, coloca limites nas crianças bagunceiras, orienta a cozinheira e os empregados da casa, administrando assim os problemas da residência, enquanto aceita que seu noivo esteja com ela inclusive pelo dinheiro que ela tem, e isso não a incomoda porque ela acha que é sua função ajudar os que precisam e se casando com Lorde Malfrey ela pode ajudá-lo com suas dívidas. No entanto, o Capitão Carstairs têm ideias diferentes e vai alertar Victória sobre as intenções do Conde, e assim ela bola um plano para descobrir se as intenções de seu noivo são realmente as melhores.

Victória se envolve em uma grande confusão, precisa chamar alguém para tirá-la de uma situação constrangedora que pode manchar sua reputação para sempre e ainda atrapalhar o casamento da prima e isso ela não pode permitir. Entre bailes, roupas e problemas de colarinho baixo, Victória descobre os motivos para o Capitão a irritar tanto!

A história é graciosa, o romance é doce, é previsível demais, e a época é tão recheada de regras de conduta que eu dei graças a Deus por termos evoluído em algumas questões bem importantes, pois eu não sobreviveria tendo que me preocupar com colarinhos e vestidos!


Eu adoro tudo que Meg Cabot escreve, mas desta vez ela ficou me devendo um algo mais, porém, pra quem quer só passar o tempo, sem sofrimento e com uma leitura bem leve, Victória e o Patife vai agradar. 

O que me preocupa realmente é não saber se eu não gostei muito porque li e não gostei ou porque eu já não gostei antes só porque a Michele Lima me avisou que ela não tinha gostado. Jamais saberemos a verdade.

FICHA TÉCNICA

Título: Victória e o Patife 
Autora Meg Cabot
Onde Comprar: Amazon

 

Marise Ferreira
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

8 comentários:

  1. apesar de chicklit nao fazer mt meu estilo tenho mt curiosidade em ler algo da meg cabot, adorei conhecer mais esse livro

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Oi Marise,
    Você sabe que eu estou com um pé atrás com a Meg, porque a acho muito infanto juvenil.
    Quando vi um romance de época lançado pelo nome Meg e não Patrícia, fiquei meio curiosa para ver o que vinha por ai. Confesso que agora, me alegro por ter esperado para comprar a obra.
    Definitivamente: não é para mim.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Marise!
    Da Meg eu so li a coleção da Mediadora, mas confesso que tenho vontade de ler esses romances meio de epoca, porque julgando escrita e tramas da autora, parecem ser divertidos e leves.

    Abraços
    David
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Marise. Pra quem não gosta de romance de época, eu não indicaria Victoria e o Patife para ler. Eu amo o gênero e quase matei a Victoria de tão chata que ela foi. Por isso também achei que a Meg poderia ter feito mais, infelizmente fui lendo com altas expectativas e no fim acabei frustrada.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com

    ResponderExcluir
  5. Sou muito curiosa pra ler esse livro e quero muitooo, mas nunca tinha lido uma resenha negativa dele. Sério que a Victoria é chatinha? Odeio protagonistas assim :/

    Beijos
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
  6. Oi Marise, tudo bom?
    As meninas lá o blog amam a Meg. Já li O Diário da Princesa e alguns livros soltos dela, mas acho que a narrativa não me conquistou do jeito certo.
    Que pena que a leitura não foi de todo um agrado ç_ç Eu sempre levo uma influência comigo pras leituras, mas mesmo com as opiniões de fora acaba que é muito de mim quando gosto ou não de um livro. Vai ver foi um pouco dos dois contigo!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ao contrário de você, eu adoro romances de época, e assim como você, adoro as obras da Meg, então provavelmente vou amar a história hahaha imagino que o lance do colarinho, da vaidade e da inocência se deva talvez pela idade da protagonista, mas de qualquer forma a maioria das mocinhas da época tinham um pouco desse mesmo jeito, então acho que é questão só do século onde tudo passa. Adorei a resenha e a sinceridade!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br
    Leia a resenha do meu livro O Poder da Vingança lá no blog e aproveite para adquirir o seu exemplar!

    ResponderExcluir
  8. Oie Marise =)

    Nós tivemos o mesmo problema com esse livro, a Victoria. Eu peguei birra desde do primeiro capitulo com a personagem e quando pego birra a história não flui muito bem comigo.

    O romance é clichê e previsível, como você mesma comentou é uma leitura leve para ler sem compromisso.

    Ótima resenha!


    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir