Como se tornar o pior aluno da escola [Resenha do Filme]

Conferimos a Cabine de Coletiva de Imprensa de Como se tornar o pior aluno da escola.

Como se tornar o pior aluno da escola é um longa baseado na obra homônima do Danilo Gentili em que o comediante ensina em um manual como realmente um aluno pode ser o pior da escola!

Dirigido por Fabrício Bittar, o filme toma como base o livro, mas vai muito além ao mostrar o protagonista Pedro (Daniel Pimentel) tentando não ser reprovado na escola depois da morte de seu pai. Assustado com a possibilidade, o rapaz encontra no banheiro uma caixa antiga cheia de coisas mirabolantes e um manual que parece ter sido do pior aluno da escola, embora a misteriosa pessoa sempre tirasse sempre notas altas. Focado em conseguir a mesma coisa e com ajuda de seu amigo Bernardo (Bruno Munhoz), o personagem parte em busca do dono do manual e se depara com o Pior aluno (Danilo Gentili)

Morando num lugar incrível, com dinheiro, sem preocupações e sendo um bom pilantra, o personagem de Gentili vai conduzindo os meninos para se tornarem os piores alunos da escola, mas sem serem pegos pelo diretor Ademar (maravilhoso Carlos Villagrán), um homem intransigente e um tanto hipócrita. Cansados com a política do correto que os impede até de comer coxinha na escola, os protagonistas começam a aprontar com os professores e fazer bullying. 


Como se tornar o pior aluno da escola tem como proposta ser polêmico, ser contra aquilo que é dito como correto, ir contra as regras, o bom senso e cumpre a proposta até o final. Não vemos nenhuma boa moral na história ou final condizente com uma proposta educacional decente. E confesso que o que mais me chamou atenção, além do exagero com o grotesco, nem foi o politicamente incorreto de fato, mas sua classificação para maiores de 14 anos. Temos crianças bebendo e fumando como algo positivo, pedofilia como algo engraçado, insinuação sexual e até mordida na genitália! De forma alguma me parece um filme para um público mais infantil. E embora seja incoerente, já que é um longa com personagens jovens, o filme deveria ser sem dúvida para maiores de 18 anos, no máximo 16. E entendo perfeitamente a proposta de Gentili e sei que não devemos subestimar a inteligência dos adolescentes, mas realmente acho que adultos possuem discernimento melhor para saber o que é certo e errado do que jovens de 14 anos. 

Polêmicas à parte, é importante destacar a atuação de Carlos Villagrán que conseguiu se desassociar por completo do personagem Quico. Ademar não nos lembra o queridinho da mamãe que não se mistura com a gentalha. Apenas em alguns momentos como quando solta a clássica frase “Cale-se, cale-se que você deixa louco” ou quando existe a quebra da quarta parede e o personagem, assim como do Danilo Gentili, se direciona ao público. Ademar é um antagonista que não soa como vilão e me agradou bastante, bem como o inusitado faxineiro da escola de Moacyr Franco. Ainda que politicamente incorreto, o personagem foi o que me pareceu que mais acertou o tom da comédia. Ao contrário do personagem do Fábio Porchat que foi de extremo mal gosto. E o elenco ainda conta com Joana Fomm, mostrando que houve de fato uma resgate de antigos atores, ponto positivo para o filme.


O longa é bem dirigido e produzido, existe uma clara preocupação na edição principalmente na cena de perseguição que foi muito boa, Danilo Gentili se inspirou nos clássicos da Sessão da tarde e isso ficou bem claro em muitos momentos.

Como se tornar o pior aluno da escola não é um filme que vai agradar a todos, é inconveniente, exagerado em alguns momentos, mas tem boas atuações, sendo bem ágil, já que não se arrasta no enredo. Cumpre aquilo que se propôs a mostrar, sem medo e nem hipocrisia. Embora seja a história de certa forma a realização de um sonho de muitos adolescentes, continuo me questionando se jovens de 14 anos devem assistir ao longa.

Trailer:


Sobre a Coletiva de Imprensa


Moacyr Franco, Bruno Munhoz, Daniel Pimentel, Danilo Gentili, Carlos Villagrán e o diretor Fabrício Bittar.

Os atores mirim comentaram um pouco da experiência de gravar um filme, já que foi a primeira vez deles e apesar do politicamente incorreto, os pais aprovaram. Já Carlos Villagrán disse que gostou bastante da produção brasileira e da qualidade da edição.

Tanto o Danilo como o diretor comentaram que conseguiram fazer exatamente aquilo que queriam, não cortaram nenhuma piada por medo e que a ideia é fazer uma trilogia usando temas como faculdade e trabalho.

Entrevista exclusiva

Tive a oportunidade de entrevistar pessoalmente o ator mexicano Carlos Villagrán que comentou um pouco sobre seu personagem Ademar e como foi gravar no Brasil. Confira:


FICHA TÉCNICA

Título: Como se tornar o pior aluno da escola
Diretor: Fabrício Bittar
Data de lançamento: 12 de outubro de 2017

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

9 comentários:

  1. Nossa confesso que eu nem sabia sobre o filme....fiquei sabendo agora kkkkk e parece ser divertido, eu gosto do Danilo. Acho ele super inteligente.

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderExcluir
  2. Olá Mi, tudo bem?
    Desde que fiquei sabendo desse filme, percebi que não era do meu estilo, mas não tinha ideia de que a história era assim. Eu achava que era mais uma comédia, com zoeira e tal, mas bem dentro do limite. Gostei muito da sua resenha , mas dessa vez, ela só confirmou a minha intenção de não assistir. :(
    Beijos!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi! Parabéns pela entrevista, vis suas fotos com ele nas redes sociais a achei muito legal. Eu não perdia Chaves de jeito nenhum. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  4. Eu já tinha intenções de passar longe desse filme só pelo trailer, e sua resenha me deu mais certeza de fazer isso mesmo hahaha não vejo lado positivo nesse filme. Os alunos já aprontam por si só, não precisam de um filme com um manual de como ser pior ainda kkk

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Estou louca pra assistir esse filme, parece ser muito legal e muito engraçado! Adorei a resenha!
    www.boas-depapo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Super post.♡♡♡
    https://kraljicadrameblog.wordpress.com/2017/10/08/pileci-paprikas-na-moj-nacin/

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Eu lembro de ter lido esse livro na época da escola. Eu sempre fui uma boa aluna. Li mais por diversão e tals e lembro de ter rido muito com ele. Acho que o filme, sendo polêmico como disse, vai chamar a atenção das pessoas para a situação nas escolas, pelo menos assim eu espero.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  8. Oi, Mi!
    Há alguns anos eu li o livro e achei interessante.
    A proposta de ser contado com desenhos e tal, fica legal para os jovens e a proposta dele se cumpriu sem me deixar muito preocupada com os temas usados.
    Eu não me lembro de algumas cenas que você citou, mas talvez eu dê uma chance ao filme para ver se ficou parecido com o livro ou não.
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  9. Oi Mi!
    Achei alguns tópicos que você falou bem absurdos para idade do público alvo, também acho que a idade indicativa deveria ser maior. Gostei do fato do Carlos não ter lembrado o Kiko, mas citou algumas falas pra não deixar o personagem de lado. rs
    Beijos

    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir