Detroit em rebelião [Resenha do Filme]


Detroit em rebelião é um longa da diretora Kathryn Bigelow, de Guerra ao Terror, vencedor do Oscar de melhor filme e tem como foco os 5 dias de uma manifestação que quase causou a destruição completa de uma cidade. No verão de 1967, Detroit se tornou uma zona de guerra em que o racismo e as atitudes violências da polícia leva a população às ruas, numa enorme rebelião, completamente descontrolada.

Baseado em fatos reais, Detroit em Rebelião narra um dos maiores e mais intensos distúrbios na história dos Estados Unidos em três atos bastante claros. No primeiro temos uma breve explicação histórica da situação dos negros no país e o motivo do estopim das manifestações. Uma batida policial numa festa e a revolta da população nos leva a crer que o povo perde a razão ao se tornar bastante insano e não nos mostra com clareza e profundidade os fatos. No entanto, já no segundo ato temos cenas mais intensas, mais fortes, mostrando o outro lado da moeda, o daqueles que sofrem com o racismo, principalmente por parte da polícia. E por fim, temos as consequências dos acontecimentos no Motel Algiers.


A princípio, o longa se mostra sem protagonistas e superficial, já que não temos uma abordagem anterior a rebelião nos dando a impressão de que os a população negra simplesmente perdeu a cabeça, mas a segunda parte compensa a primeira. Ao apresentar seus personagens, o longa foca na linha narrativa de todos que se une no fatídico episódio no Motel Algiers, onde uma brincadeira com uma arma de brinquedo levou a uma batida policial comandada por Krauss (Will Poulter), que já havia dado mostras de seu racismo e descontrole. Bigelow usa muito bem as câmeras a pontos de nos colocar dentro das cenas que vão ficando cada vez mais angustiantes, sufocantes e indigestas. Vemos um grupo de homens negros e duas mulheres brancas passando por uma enorme pressão psicológica, sendo espancados, ameaçados de morte.

Rendidos, o grupo fica a mercê de um grupo de policial que tem um questionável jogo de interrogatório que nos faz ficar tensos por todos que estão no local nas mãos daqueles que deveriam atuar pela verdade e justiça. Pior que além da polícia, outras autoridades passam pelo local, mas preferem não se envolver na situação, deixando os inocentes sem esperança de saírem vivos da situação. Mas ainda assim, quando pode, Dismukes (John Boyega) tenta ajudá-los. Segurança negro de uma das lojas da região, o personagem entra no Motel tentando ajudar e acaba virando testemunha de alguns dos fatos. O resultado de tudo é uma tragédia, o que nos leva ao terceiro ato um tanto apressado com o julgamento dos policiais.


As atuações de todos os personagens principais é primorosa, mas sem dúvida o grande destaque da trama foi Will Poulter, que também foi cotado para ser o palhaço Pennywise de It - A coisa. O ator entrega uma atuação excepcional, sem dúvida um grande vilão e carrega boa parte da trama.

O longa tem como parte real os depoimentos e notícias da época que ajudam a diretora a compor o filme, mas mesmo as partes fictícias parecem bem realistas, não nos deixando dúvidas que deve ter sido exatamente o que de fato aconteceu no incidente. O sentimento de impotência, injustiça permeia todo o longa e nos deixa um pouco atordoados ao final.

Trailer:

FICHA TÉCNICA

Título: Detroit em rebelião 
Título Original: Detroit
Diretora: Kathryn Bigelow
Data do Lançamento no Brasil: 12 de outubro de 2017.

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Gostei da dica Mi. Apesar da temática forte e até mesmo indigesta, achei o filme super válido e perfeito para quem quer se antenar um pouco mais sobre a história dos Estados Unidos. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi,
    Estou muito curiosa pra assistir esse filme e sua review me deixou mais animada. Adoro tematicas fortes e a Bigelow parece ter feito um bom trabalho.
    Espero que tenha boa recepção. Ah nunca esqueço do Will Poulter no último As Crônicas de Nárnia haha

    tenha um ótimo final de semana =D
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  3. Oi Michele, tudo bom?
    Eu tô muito ansiosa pra assistir esse filme, mas ao mesmo tempo sei que vou precisar me preparar psicologicamente pelos motivos que tu citou: sensação de impotência e injustiça. Esse tipo de história é muito importante e precisa continuar ganhando as mídias exatamente pra mostrar como falta justiça no nosso mundo.
    E PS. que tem mozão John no filme, mais um ponto positivo pra tudo nessa história!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mi

    Desconhecia o filme, mas a temática é bem interessante. A questão dos negros é até hoje motivo para muitos confrontos por lá, infelizmente.
    Acho que seria interessante ver uma história com esse pé na realidade.
    E não sabia que o Will tinha sido cotado para interpretar o Pennywise... que bom que não foi ele! Hahahaha

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  5. Olá Michele, tudo bem?

    Eu curto pra caramba esses filmes históricos com temática racial, nem sabia desse, gostei muito da dica. E o elenco, pelo que vi, só gente boa!

    Abraço!
    Marcelo Brinker
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir