Um lugar silencioso [Resenha do Filme]


O som, como destruí-lo? Seria possível? Algo tão usado de várias maneiras para a comunicação humana, inclusive adquirir informações sobre o ambiente, como viver sem ele? Porque mesmo sem audição, o som está em todos os lugares, na natureza, em um simples objeto caindo no chão, mas no filme Um lugar silencioso o ser humano precisa aprender a eliminar o barulho o máximo possível e viver em quase silêncio absoluto para sobreviver a um ameaça que encontra suas presas pelo som.

O silêncio durante todo o longa é palpável e se torna um personagem essencial na trama, é tudo tão silencioso que qualquer ruído é motivo de nos dar um tremendo susto! É neste contexto que vive a família dos protagonistas, sem fazer qualquer barulho para sobreviver num mundo que aparenta ter sido devastado por monstros terríveis.

A sequência inicial já tem uma morte triste que nos mostra bem que o filme não vai nos poupar ou aliviar no terror psicológico, a tensão existe do início ao fim e ao longo da trama o clímax só vai aumentando e deixando o espectador cada vez mais envolvido com a família.


Lee (John Krasinski) é o líder, um homem que cuida muito bem de todos, evitando qualquer tipo de ruído. Evelyn (Emily Blunt) está grávida e claro que a primeira coisa que pensamos é como ter um parto sem fazer barulho ou filho pequeno sem chorar, mas o casal é inteligente e foi encontrando modos de sobrevivência. Junto com eles temos os filhos Regan (Millicent Simmonds) e Marcus (Noah Jupe), o menino sempre bastante assustado e a adolescente se sente culpada por uma morte no início do longa. Regan tem sérios problemas com o pai e isso acaba os afastando. Entretanto, vemos que Lee faz de tudo para filha poder ouvir, já que ela tem problemas auditivos e ensina Marcus a ser independente, para conseguir agir bem nos momentos de perigos.

Ao longo da trama vemos a rotina da família e como eles conseguem viver em silêncio. A linguagem dos sinais é bastante usada, mas temos também sussurros e gestos bem expressivos para facilitar a comunicação. Tudo vai nos levando ao ato final do parto de Evelyn, mas no meio do caminho alguns acidentes ruidosos acontecem e vamos ter vislumbres do que realmente são esses monstros. Junto com a angústia da família, vamos levando alguns sustos no meio do caminho e o diretor John Krasinski (também protagonista) sabe trabalhar muito bem com momentos de surpresas sem cair muito nos clássicos clichês do gênero. Até as tarefas mais simples do nosso dia a dia acaba criando grandes momentos de tensão no longa.

Claro que em alguma cenas o espectador já sabe o que esperar, mas ainda assim a forma como foi conduzida a trama nos prende e nos surpreende, é impossível não se sentir agoniados com o sofrimento da família, principalmente no terceiro ato em que tudo parece dar errado. Sem nem sabermos os nomes dos personagens (que só aparecem nos créditos) a empatia por eles é estabelecida logo nos primeiros minutos do filme.


Noah Jupe se mostra um ator mirim bem versátil desde Extraordinário e aqui entrega mais uma vez uma excelente atuação, a atriz Millicent Simmonds que também tem problemas auditivos na vida real também atua muito bem com suas expressões intensas. Já o casal John Krasinski e Emily Blunt também não decepciona.

Trabalhar com o silêncio em filmes de terror psicológico pode não ser original, mas ainda é algo que se pode explorar bastante como John Krasinski fez, poderiam ter deixado o filme todo em absoluto silêncio, talvez tivesse sido uma jogada mais original e ousada. No entanto, de qualquer forma, o suspense e o terror vivido pela família nos prende, nos angustia e cria boas tensões ao longo da trama e o final foi bem condizente com tudo apresentado, não decepcionando. Em suma, é um filme que vale bastante a pena ser conferido.

PS: Não comam pipoca durante o filme na sala de cinema, é tudo muito silencioso e o barulho da pipoca fica parecendo uma explosão!

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Um lugar sombrio
Título Original: A Quiet Place
Direção: John Krasinski
Data de lançamento: 05 de abril de 2018
Data: 4,5/5

*conferimos o filme na cabine de imprensa
Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

12 comentários:

  1. Caramba, que enredo interessante! Eu não conhecia esse filme, mas eu achei o enredo bem criativo e fiquei com muita vontade de conhecer melhor essa história. Amei sua resenha!
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com/2018/04/resenha-do-filme-fala-serio-mae.html

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus que tenso, ao ler já fiquei angustiada porém curiosa rsrs. Sua resenha foi muito bem construída (como sempre) o que me deixa com vontade de conhecer. Já anotei a dica.

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi!Mulher, vi o trailer e já fiquei com medo. Eu gosto de histórias mais de assustar, mas em livros.Para filmes sou medrosa e acho que esse aí ia me deixar desesperada. Quem sabe uma hora dessas crio coragem de ver, mas não agora.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  4. Olá, Michele.
    Lembro que fiquei sabendo do filme aqui no seu blog mesmo. Eu acho essa ideia do filme bem diferente porque o que geralmente assusta nos filmes do gênero são os sons. E não sei como alguém vive em silêncio, eu tenho certeza de que não ia conseguir hehe. Vou querer conferir é claro.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mi!
    Eu não gosto de filme de terror, mas gosto de suspense assim.
    Não assisto terror tipo de espíritos.
    Mas fiquei interessada nesse desde que vi o trailer que passou em quase todo intervalo do Oscar.
    Adorei saber que o Krasinski é o diretor.
    E é engraçado ver ele assim, geralmente comediante.
    O Noah Jupe é uma graça em Extraordinário.
    Sua resenha foi a primeira que li do filme e quero ver.

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Michele, tudo bem!
    Ainda não tinha visto falar do filme, mas a trama parece ser bem tensa e também criativa. Fiquei curiosa para assisti-lo.

    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. nossa senhora, deve ser um filme super tenso msmo, fiquei curiosa pra assistir!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  8. Oi, Mi!
    Nossa, eu vou passar longe desse filme.
    Pelo que vi, ele é o tempo todo no silencioso. Isso mais sala de cinema vai atacar minha claustrofobia.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  9. Oi Mi, adorei a resenha ainda não conhecia o filme mas pelo que pude perceber o filme tem momentos bem tensos que prende bem quem esta assistindo, já quero assistir.
    beijos boa semana www.bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oie Mi =)

    O enredo é interessante, porém eu ia ficar morrendo de medo depois de assistir a esse filme XD

    Passei o link do seu post para um amigo meu que está querendo assistir ao filme. Acho que depois de ler ele vai ficar mais empolgado.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  11. Oieeeee Miiiiiiii
    Meu Deus que tenso esse negócio de thriller psicológico onde o som, ou melhor, o silêncio é personagem
    Como disse a Sil aí em cima geralmente são os sons que dão medo nesses filmes
    Eu teria um treco no silêncio absoluto :/
    Fiquei super curiosa com sua resenha e siiiiim querooooo assistir
    Aahhhhhh não vou me jogar no balde de pipoca 😁😁
    Ameeeei essa sua inserção!
    Excelente fds pra ti
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Michele, tudo bem?
    Mais uma super resenha de filme! Eu sou medrosa, não costumo assistir filmes com esta pegada, mas te confesso que você me deixou muito curiosa!
    Bjus
    www.doceseletras.com.br

    ResponderExcluir