Sombras da Noite [Resenha Literária]


Publicado originalmente em 1978 (No Gooreads a informação é de que foi publicado em 1979), Sombras da Noite (Night Shift) é uma reunião de 20 contos clássicos do mestre do terror, Stephen King, tendo cinco destes servido de inspiração para filmes do gênero, tais como As crianças do milharal (Colheita Maldita, 1984), O homem do cortador de grama (O passageiro do futuro, 1992), A Máquina de passar roupa (Mangler: o grito de terror, 1995), Último turno (A criatura do cemitério, 1990) e Às vezes eles voltam (Às vezes eles voltam, 1991). 

Considerado por muitos fãs como o melhor livro de contos do autor, Sombras da Noite explora especialmente eventos bizarros, que parecem inacreditáveis, mas que nos fazem olhar para acontecimentos cotidianos de outra forma após a leitura. Algumas das histórias curtas do livro se entrelaçam com romances do escritor, que não vou fingir conhecer profundamente, pois é um autor relativamente novo para mim, li o primeiro romance dele em 2016. Sei do que me contaram e de pesquisas que acabei fazendo. 

A introdução é do autor John D. Macdonald, falecido em 1986, autor best-seller que escrevia especialmente livros do gênero suspense e crime. Ele cita inclusive que uma de suas obras, Condomínio de Luxo estava na lista de mais vendidos ao mesmo tempo em que O Iluminado. Um texto introdutório, no mínimo, interessante. 

Já o Prefácio, valeria a leitura somente dele, porque a cada dia que passa, eu tenho mais a certeza de que King sabe escrever textos de não ficção tão bem quanto ficção. Eu amo como ele fala da própria vida sem soar nada pedante, apesar de ser um autor que é considerado um mestre.


O conto de abertura Jerusalem’s Lot e o conto Saideira, por exemplo, tem relação com o livro Salem (1975), que já inclui na lista de desejados, porque é aquele tipo de conto que além de aterrorizante, pois envolve coisas sobrenaturais, meu tipo favorito de terror, também inclui bruxaria pesada, portanto, é um “tenho que ler em breve”. 

A história do primeiro conto gira em torno de um dos herdeiros da propriedade onde se passa o livro, e coisas macabras acontecem neste lugar, além de utilizar do medo coletivo, outro componente que amo em histórias de terror. O conto Saideira nos mostra um homem desesperado que acaba em Salem’S Lot durante uma tempestade de neve, e para sair da situação ele deixa a esposa e a filha no carro para pedir ajuda, e a partir daí, vamos conhecer mais um pouco do medo da população do vilarejo vizinho. Gostei de ambos, mas acredito que teria gostado ainda mais se já tivesse lido Salem, o que pretendo fazer em breve. 

Ondas Noturnas tem relação com o livro A Dança da Morte (1978), pois o vírus Captain Trips que assola o mundo no romance, também faz parte da trama do conto. A sociedade, totalmente amedrontada pela doença, se comporta de maneira bastante agressiva e muitas pessoas se juntaram em pequenas gangues, e é nesse cenário que o conto se passa. Apesar de não ter me agradado, o conto me instigou a ler o livro também. 

A máquina de passar roupa é um conto que eu gostei bastante, e mesmo não tendo visto o filme “Mangler: o grito de terror”, só consegui pensar em algo totalmente trash, pois se trata de uma história de terror que se passa em uma lavanderia industrial. Uma das máquinas, uma passadeira e dobradeira, após experimentar sangue em um acidente, acaba se tornando viciada e sugando pessoas para seu interior com o objetivo de continuar se alimentando. Parece tosco, mas é um tosco que certamente agrada quem gosta de terror clássico. 


Eu sou o tipo de pessoa que fica profundamente envolvida quando a história envolve crianças, o que é o caso de alguns dos contos do livro, tais como O Bicho-papão e Crianças do milharal. Mas vou falar apenas do primeiro, porque foi o que mais mexeu comigo, por se tratar de uma trama em que as crianças sofrem mortes violentas que me fizeram refletir. 

Contado pelo ponto de vista do pai dos pequenos, um homem do interior com todos os preconceitos estereótipos. Fiquei pensando até um bom tempo depois em quem é o bicho-papão, se um ser sobrenatural ou o próprio pai, mas ainda não cheguei a uma conclusão. Todos os filhos são mortos em seus quartos quando ainda mal sabem falar, mas conseguem indicar que tem algo de errado, e o pai, apenas ignora chamando de manha, e a mãe por ser uma típica mulher da época não consegue enfrentar o marido. É o tipo de conto que tem todos os absurdos de um homem machista, personagem comum em livros do King pelo que posso perceber, e com resultados trágicos diretamente relacionados a esse comportamento. 

A coletânea trata de diversos medos do ser humano, um deles é algo metafórico que vira realidade, os fantasmas do passado, do conto Às vezes eles voltam. Um menino e seu irmão são perseguidos por um grupo de adolescentes quando são crianças e um deles é morto, mas com a promessa dos bandidos de que eles vão voltar para pegar o outro, e é o que acaba acontecendo. Eu gostei que Jim, protagonista da história, apesar de ter muito medo, conseguiu enfrentá-lo, e ainda mais que o conto tem elementos sobrenaturais que me agradam bastante. Além disso, o clima me lembrou bastante do conto Garotinho malvado, presente no livro O Bazar dos Sonhos Ruins (tem resenha AQUI no blog).

Dois contos tratam de serial killers, outro tema de terror e suspense que eu gosto bastante, são eles Primavera Vermelha e o Homem que adorava flores, gostei de ambos, com potencial para romances. 


Pelo que entendi em uma entrevista que assisti do autor, a trama de Primavera Vermelha se assemelha bastante a um conto Um bom casamento (adaptado para o cinema com roteiro assinado pelo próprio autor), presente no livro Escuridão total sem estrelas (tem resenha AQUI no blog), que trata de um assassino que é casado e a mulher não tem a menor noção das atividades extras do marido. Já queria ler a outra coletânea antes, agora mais ainda. 

Apesar de o gênero terror predominar nesse livro, o conto que mais me tocou é justamente um drama familiar, um dos gêneros que menos me atraem, mas por incrível que pareça, geralmente as leituras acabam sendo surpreendentes. O último degrau da escada trata de amor fraternal e como na correria do dia a dia, acabamos nos distanciando das pessoas a quem um dia fomos mais próximos. 

As crianças que um dia foram tão unidas e acabam passando por um tremendo susto, com o tempo se afastaram, o que resulta em destino trágico para uma delas. A forma como o autor contou essa história, com situações tão comuns em nosso cotidiano, me deu a sensação de que eu poderia estar lendo a história de uma pessoa próxima a mim. Foi estranho, emocionante, e por isso, meu conto favorito do livro. 


Outras histórias como O Ressalto e Ex-Fumantes Ltda. me agradaram bastante, uma porque é história de um mafioso e o amante da esposa, e não tem o que não gostar do enredo, e a outra porque é só o King poderia escrever a história de uma instituição que utiliza de métodos nada convencionais para fazer as pessoas terem hábitos de vida mais saudáveis e me fazer rir de toda a situação. Além de me imaginar na posição do Morrison, porque já fui fumante, e só pensar em como eu não iria aguentar a pressão. Eu amo o humor do King. 

Por fim, algumas ressalvas. Eu estava com as expectativas lá em cima, e o livro como um todo, não foi tão bom assim, tem alguns contos que não gostei mesmo. É uma boa obra, que me motivou a ler os romances relacionados do autor, mas alguns contos excluem o livro da categoria de favoritos do autor. Por último, é bom lembrar que o livro não está revisado de acordo com a reforma ortográfica, o que me incomodou um pouco. No entanto, não é lançamento, mas já está na 4ª reimpressão, talvez seja hora de pensar em uma nova edição.

FICHA TÉCNICA

Título: Sombras da Noite
Autor: Stephen King
Nota: 3,5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Luciane Leite
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

10 comentários:

  1. Olá Luciane!
    Adorei a sua resenha! Esse foio primeiro livro de contos que li do King e concordo com você, tem contos que eu adoro e outros que não curto nem um pouco. O último degrau da escada é um dos meus contos favoritos de todos que já li do King, achei ele bonito de um jeito triste e muito tocante. No fundo eu não foi muito fã de contos, mas adoooro o Escuridão Total Sem Estrelas. Os contos são mais longos e realmente curti muito todos.
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thalita.

      Apesar de preferir O bazar dos sonhos ruins, sou bem novata em King, Sombras da noite é certamente indispensável pela importância.

      Beijos!

      Excluir
  2. eu gosto demais dos livros do King, esse de contos nunca li, mas seu post me deu uma saudade e vontade de ler algo dele

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lívia.

      Contos são uma ótima forma de matar saudades dele.

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi Luciane,
    Eu tenho uma admiração especial por quem lê Stephen King, rs.
    Eu não consigo me interessar, sei que é um clássico e deve ser fantástico, mas não me prende, sabe?
    Uma pena, porque adoraria me exibir com os livros dele HAHAHAHAHAH
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Amei eu resenha, não gosto muito desse gênero. Mas sempre ouvi comentários positivos sobre esse autor!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, Luciane.
    Apesar de já ter lido muitos livros do autor, não me considero fã. São poucos que realmente gostei. E prefiro os livros de contos dele porque os outros demoram tanto para pegar no ritmo. Esse eu gostei bastante de alguns dos contos e de outros nem tanto. A edição que eu li era bem feia hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil.

      A Suma está dando uma ótima repaginada nas edições do King, né.
      Eu ainda não me considero fã também, li apenas 5 títulos dele, e estou com outro em andameban no momento, mas dos 9 favoritos do ano passado, 2 foram dele, então tem grandes chances dele se tornar um autor senão favorito, um queridinho, pelo menos.

      Beijos!

      Excluir
  6. Oi Luciane, tudo bem?

    Eu tenho como meta ler algum livro do Stephen King algum dia, mas com certeza este da resenha não é para mim.
    Sou extremamente nervosa, não lido bem com livros que exploram a essência do medo das pessoas, fico aterrorizada por dias e muito impressionada, especialmente quando envolve espíritos ou seres sobrenaturais.
    Quem sabe um outro dia... mas acho que devo tentar algo mais "leve" escrito pelo autor.

    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Luciane!
    Quero ler esse livro há tanto tempo mas sempre acabo passando outros do King na frente.
    Foi a primeira vez que li uma resenha tão detalhada sobre ele, gostei muito e fiquei ainda mais curiosa. Talvez ele seja meu próximo King!
    Sobre o que vc disse do autor escrever não ficção muito bem, já ouvi muitas recomendações para ler Sobre a Escrita, de autoria dele, vc já leu?
    Beijos!

    Mais Uma Página

    ResponderExcluir