O Diário de Myriam [Resenha Literária]


Hoje estou aqui para falar com vocês sobre um livro que foi realmente muito importante para mim, uma obra que fala sobre a Guerra na Síria e a vida cotidiana das famílias, mas de uma maneira bem diferente do que costumamos ler. 

Ela foi expulsa de seu bairro, e tornou-se uma refugiada em sua própria cidade na Síria: Myriam Rawick, uma adolescente hoje com treze anos. Como muitas meninas, ela começou a escrever um diário quando tinha seis anos, onde fala sobre os seus dias, seus amigos, sua família. Esse diário não é como os outros... Ela também, não é como as outras crianças, porque vive em Alepo, em uma área onde o caos reina. Philippe Lobjois, um escritor e repórter de guerra, ajudou Myriam a organizar e enriquecer as páginas de seu diário. Sua mãe a incentivou a escrever para que assim, quando crescesse, pudesse se lembrar de tudo o que aconteceu.

Uma das cidades mais antigas do mundo, Alepo, estava cheia de tesouros classificados como Patrimônio Mundial da Humanidade, antes de se tornar o principal campo de batalha da guerra na Síria, até a retomada dos últimos setores rebeldes pelo exército de Bashar al-Assad, apoiado por seus aliados da Rússia e Irã, no final de 2016. 


Myriam fala do começo da guerra de uma maneira simples e desconcertante, mas que, no entanto, resume cruelmente esta visão do conflito sírio: de um lado os bons, e do outro os maus. Conflito esse, que já fez mais de 400.000 mortos. O livro nos trás uma nova visão dessa guerra, e das pessoas que apoiam Bashar al-Assad. É um livro que nos faz penar, afinal, enxergamos esse conflito com nossos olhos ocidentais, e raramente estamos interessados em alguém que ainda está vivendo naquele caos.

Sem falar da guerra propriamente dita, Myriam se refere a ela em muitos momentos: nomes de armas, sua família sendo atacada, bombas, aviões, amizades desfeitas. O perigo constante quando ela tenta ir para a escola, ou simplesmente quando ela atravessa a rua. Acompanhamos nesse diário momentos comoventes, tristeza e muitos momentos difíceis. 

Conhecemos esta família que sofreu com a guerra, que tiveram que deixar seu lar para trás e toda a sua história para tentar sobreviver. E nós pedimos por duas coisas: que tudo corra bem para ela e sua família, e que essa guerra termine o mais breve possível.


Admito que às vezes é difícil não chorar por essa garotinha que cresceu rápido demais. Apesar da pouca idade, ela certamente viveu milhares de anos em apenas treze, fazendo com que sua infância e parte de sua adolescência fossem vividas de uma forma bem distante daquilo que consideramos adequada. Às vezes fico revoltada por nós, os ocidentais, que vivemos nossas vidas em silêncio, enquanto centenas, milhares de pessoas são mortas a centenas de quilômetros de nós. 

Sua família, como pôde em todos esses anos, cuidou de Myriam e de sua irmã caçula, Joelle, com todo amor do mundo. Sempre querendo o melhor, mesmo com todas as adversidades da guerra, Myriam não deixou de ir à escola nesse período. O cuidado materno esteve presente em inúmeras vezes onde a mesma se sentiu tremendamente ameaçada, com carinho, muito amor e com tantas preocupações, Antônia cuidou das filhas mesmo diante de toda a impotência nos momentos de guerra. 

O livro nos mostra o que a falta de energia, de água e de comida fazem com a vida de um ser humano, coisas básicas para sobrevivência. Nos trás um relato sincero e comovente de uma menina e sua família tentando sobreviver em meio à um caos, infelizmente uma guerra muito atual que mexe com o emocional e nos faz questionar em que mundo estamos vivendo.


O Diário de Myriam é um livro emocionante, real, e tenho certeza que ele irá te tocar como me tocou. Precisamos de um mundo com mais empatia, com mais amor. Precisamos dar valor às coisas simples, coisas essas que fizeram tanta falta em mundo no meio de uma guerra. Uma história recheada de adversidades, medos, traumas, com vivências atordoantes que nos mostra o que de fato tem sentido na vida, o amor!

Sobre Myriam Rawick 

Ela começou a escrever em seu diário aos seis anos de idade. Seus registros sobre a Guerra na Síria compreendem o período entre junho de 2011 e março de 2017. Refugiada em sua própria cidade, Myriam viu seu lar ser devastado e conta como Aleppo, uma das cidades mais antigas do mundo, foi destruída num piscar de olhos. Desde o fim das hostilidades em sua cidade natal, Myriam voltou para sua antiga residência apenas uma vez. Ainda assim, algumas coisas continuam iguais: ela segue escrevendo sobre sua vida em seu diário. 

Sobre o livro

O Diário de Myriam faz parte do Selo Crânio, a nova linha de não ficção da editora DarkSide, onde estimula o leitor a entender e questionar o mundo que estamos construindo. 

FICHA TÉCNICA

Título: O Diário de Myriam
Autor: Myriam Rawick, com Philippe Lobjois
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

8 comentários:

  1. Oii Nathalia

    Esse livro está entre as minhas próxima leituras e não tenho nem dúvidas de que vai me tocar lá no fundo do coração. É ótimo saber que pouco a pouco as editoras estão trazendo para os brasileiros histórias assim, me assusta ver a quantidade de pessoas que não sabe nada ou muito pouco da Guerra Sírua que ja dura tantos anos (e ao meu ver dura tanto justamente por conta da ignorancia das pessoas que fingem não ver e simplesmente preferem ignorar enquanto não está na porta delas sabe?).
    A edição está linda, a editora caprichou mais uma vez.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Natalia, adorei a sua dica!
    No meu blog faço um desafio que é o Lendo o Mundo, onde leio livros de cada país do mundo, que retrate sua história ou cultura. Acho que vou incluir esse livro na minha lista quando chegar a vez da Síria, fiquei muito curioso para conferir
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse livro, mas já conhecia a história dessa menina através de uma reportagem do fantástico. Realmente esse é o tipo de livro que todos deveriam ler.
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com/2018/07/top-5-novidades-da-semana_13.html

    ResponderExcluir
  4. Oi, Natália
    Não fazia ideia que esse livro falava sobre isso, mas é algo de tanta importância porque é um assunto muito atual e que todos deveriam conhecer. Eu já li um livro, retrato também de uma pessoa que estudou e morou na Arábia Saudita, e eu gostei muito de conhecer a cultura diferente, os lugares e etc. Mas é importante também ver esse viés da guerra como também da religião, terrorismo e outros tantos. Com toda certeza quero ler.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  5. Ahh Naty! Eu nem sei o que dizer. O meu interesse pela obra foi primeiramente pela edição, mas só fui saber mesmo sobre tudo que há por trás da obra quando você me enviou aquele documentário. Como sabe, fiquei super desejando já que se trata de um livro necessário. Sua resenha está tocante, cheia de sentimento, além de nos mostrar exatamente o que iremos encontrar.
    Beijos lindona 😍

    ResponderExcluir
  6. Oi Natália,

    Quando vi que esse livro nos lançamentos da editora, imaginei que iria ser bom.
    Parece ser aqueles livros marcantes que ficam com nós por um bom tempo.

    Bjs e um bom fim de semana!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir
  7. Oi, Nat!
    Menina, esse livro deve ser daqueles que vai te fazer tremer na base de tão emocionante que ele deve ser
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  8. Não é o tipo de história que costumo ler, mas me parece uma espécie de Anne Frank, então deve ser bastante interessante =D

    ResponderExcluir