Todo Dia [Resenha do Filme]


Todo Dia é uma adaptação do livro de David Levithan, publicado no Brasil pela Galera Record, em que A é um ser misterioso que acorda em um corpo diferente todo dia, até que desperta no corpo de Justin e se apaixona pela namorada do rapaz, Rhiannon (Angourie Rice).

Justin é o típico popular da escola e não trata muito bem sua namorada e A nunca interfere na vida da pessoas que possui, mas não consegue ficar indiferente a Rhiannon, criando lembranças bem bonitas para moça. No entanto, no dia seguinte Justin não se lembra do que acontece e para tentar ficar ao lado de Rhiannon, A se aproveita do fato de estar sempre no corpo de alguém por perto para ficar mais próximo da protagonista, até que não consegue mais esconder o que ocorre.

A não tem gênero, às vezes está no corpo de um menino, outras vezes no corpo de uma menina e Rhiannon se apaixona pelo o que ele é, sem se importar com a aparência de A, o que é bem interessante na história. Pouco se sabe o que exatamente o protagonista é e porque ele possui o corpo das pessoas por 24 horas, mas ele tem perspectivas de vidas diferentes e entende melhor o ser humano, mais até do que Rhiannon. É divertido ver as diferentes pessoas que A possui, sempre muito distintas e seu relacionamento com a protagonista supera qualquer tipo de rótulo ou estereótipo.


O longa aborda além da questão de identidade de gênero, um pouco também sobre depressão e a importância de valorizar a si mesmo. Rhiannon começa como uma garota insegura, que aceita as babaquices do namorado, mas passa a questionar o relacionamento e os valores da vida. Enxerga o pai de uma maneira diferente e amadurece bastante ao longo do filme, um aspecto bem positivo.

Como A passa por diversos personagens, o longa acaba não abordando muito todos eles, o que teria sido talvez enfadonho, mas poderia ter dado mais profundidade no caso da garota com depressão. Já a relação familiar de Rhiannon foi bem abordada e gostei bastante da irmã mais velha, Jolene, de Debby Ryan. E Angourie Rice sustenta bem a trama criando uma boa química com as diferentes pessoas que compõem A.


Todo Dia pode não abordar de modo mais profundo os temas que levanta, mas cumpre bem o que propõe ao tocar num tema importante e sensível como a identidade de gênero. Certamente é um longa que muitos adolescentes irão se identificar e se sensibilizar, além de ter um bonito romance que nos envolve até o fim do filme.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Todo dia
Título Original: Every Day
Diretor: Michael Sucsy
Nota: 4/5

*conferimos o filme na cabine de imprensa
Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

12 comentários:

  1. Oi, Mi
    Acho que qualquer adaptação seria boa de assistir, principalmente porque o livro é muito paradão. Gosto dessa dinâmica que o filme apresenta, eu já até estou marcando de tentar assistir antes de ir pra SP. Agora que voltei ao cinema não posso perder tempo.
    Beijos!
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Mi!
    Eu queria ler o livro, mas vi muita gente falando que ele é meio arrastado, então deixei para assistir o filme mesmo. Estou bem curiosa e quero muito acompanhar esse romance. Acho que vou gostar!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
  3. Olá, Michele.
    Eu gostei muito do livro, mas não sei se vou assistir porque o que gostei é isso de vermos A por dentro e não sei como me sentiria com ele representado nos atores.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Olá Mi!!!
    Eu amei o livro quando li e adorei a ideia de trazê-lo para o cinema. Assim podemos assistir essa história linda e fazer com que os personagens fiquem mais reais. Espero vê-lo em breve
    Beijinho
    EVENTUAL OBRA DE FICÇÃO

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi, sua linda, tudo bem?
    Eu não sei qual vai ser a minha reação, imagine estar no lugar dela, rostos diferentes sendo a mesma pessoa. Não me refiro a questão da identidade do gênero ou a imagem da pessoa, e sim porque deve ser uma mensagem difícil do cérebro aceitar, são vozes diferentes, aparências diferentes, como podem ser a mesma pessoa? Estou muito curiosa sobre a explicação desse fenômeno. Estou aqui com o livro para ler antes do filme. Adorei sua crítica!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mi!
    Como você viu no meu post, eu curti a história, mas esperava bem mais, principalmente foco em A.
    Jolene muito ícone, super me representa caso eu tivesse carteira de motorista hahahaha
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  7. Oi Michele!
    Que bom que o filme não decepciona, afinal o livro tem uma legião de fãs hehe. Eu gosto da história, mas não me apaixonei por ela como muitos blogueiros, talvez por isso não tenha tanta vontade de ver o filme. Pena que podia ter ido mais a fundo, mas, como você disse, o tema que aborda é sempre valido.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oie Mi =)

    Não li o livro, mas sempre vejo resenhas lindas dele e espero poder um dia conferir a história. O filme vêm sendo bem criticado e confesso que estou bem curiosa para assistir.

    Mas, como ando com dois problemas: tempo e dinheiro rs... talvez vou ter que esperar chegar no Telecine rs...

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  9. Oi Mi!!

    Não tive oportunidade de ler o livro ainda, mas vi resenhas muito positivas. Estou curiosa pra assistir o filme também!! Agora fiquei em dúvida se leio ou assisto primeiro!! Rs

    Beijos
    Naty!

    ResponderExcluir
  10. Michele, não é um filme que me desperta a vontade de assistir. Mas depois de conferir sua resenha, sabe que até fiquei a fim de vê-lo? Parece bem interessante mesmo!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  11. Achei a sinopse do filme bem polêmica. Assistiria, com certeza.
    Bom restante de semana!


    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Estamos em Hiatus de Inverno, mas tem post novo no JJ. Retornaremos dia 09 de agosto, mas não deixaremos de acompanhar seu blog.

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  12. Oi Mi!
    Eu adorei o modo como a história foi contado tanto no livro quanto no filme. Apesar do filme não retratar metade do que o livro é, mas eu curti. Achei muito bom o desenvolvimento, principalmente em relação a menina do par. Eu acho que o livro em si ela não tem muita voz, e no filme deram destaque que só para ela.
    O final eu também curti. Bem mais do que o livro. E velho, como não adorar a irmã dela. KKKK Eu dei muita risada.

    Abraços
    David
    https://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir