Uma quase dupla [Resenha do Filme]


Uma quase dupla é uma comédia nacional estrelada por Tatá Werneck e Cauã Reymond um tanto non sense, mas que acabou me surpreendendo por ter uma trama de investigação bem interessante.

Keyla (Tatá Werneck) é uma investigadora do Rio de Janeiro e vai para uma cidade pequena chamada Joinlandia ajudar o policial Claudio (Cauã Reymond) a solucionar um crime bem inusitado no local. Keyla é uma mulher bem competente, no maior estilo policial durão, e se acha capaz de resolver o caso sem a ajuda de Claudio, até porque o personagem além de se mostrar bastante ingênuo, não demonstra muita habilidade na profissão. No entanto, o caso se torna mais complicado à medida que outros assassinatos acontecem na cidade, demonstrando ser um caso de um serial killer e dessa forma, os dois policiais precisam se unir para desvendar o mistério.


Quem conhece Tatá Werneck sabe o que esperar do humor da atriz, um pouco sem noção e com piadas cheias de referências à cultura pop e piadas bem inteligentes. Keyla é uma ótima policial e não duvidamos da capacidade dela, aliás, a investigadora é capaz de descobrir muita coisa com apenas uma lambida! A parte mais “pastelão’ fica por conta do personagem de Cauã Reymond, já que Claudio em diversos momentos parece bobo e acredita em todo mundo na cidade. Inclusive é bom comentar que Joinlandia é um lugar bastante pacato, cheio de pessoas felizes demais, de um modo bem irritante. A maior ação da vida de Claudio foi tirar um gato de uma árvore e no fim das contas o bombeiro teve que ajudá-lo a sair do galho. Por isso, resolver o crime se torna bastante importante para o policial, que quer honrar a memória do pai que teve a mesma profissão.

A mistura de piadas non sense, inteligentes e mais banais funciona muito bem no filme, assim como a química dos protagonistas. A tensão entre os dois se mantém do início ao fim, brigam o tempo todo por terem personalidades diferentes, mas existe um claro flerte entre eles também e uma boa amizade no decorrer da trama. O caso do serial killer acaba se tornando interessante por conta da forma como ele mata suas vítimas, sempre de um modo bem inusitado e um tanto sádico também, embora seja fácil descobrir quem é o assassino.


A comédia é muito boa, com cenas bem engraçadas e os personagens se mostraram bem construídos, o que me surpreendeu bastante, inclusive toda a parte mais CSI que consegue manter o espectador envolvido em toda a história. O fato de ter descoberto quem era o assassino na metade do longa não atrapalhou nada, já que ficamos na expectativa de quem será a próxima vítima e como ela vai morrer. 

Confesso que não esperava muito de Uma quase dupla, mas me deparei com uma boa trama (que inclusive cabe continuação), com uma boa produção e ótimos personagens. 

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Uma quase dupla
Diretor: Marcus Baldini
Data de lançamento: 19 de julho de 2018
Nota: 4/5

*conferimos o filme na cabine de imprensa
Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

7 comentários:

  1. Eu vi o trailer um dia desses. Achei bem engraçado.
    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  2. Oi, Mi!
    Eu ODEIO a Tatá Werneck. Acho ela uma péssima atriz, uma péssima comediante, uma péssima tudo. Então, bem difícil eu conferir esse filme.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Oi
    que bom que curtiu o filme, é legal quando não esperamos muito de algo e acaba nos agradando, parece ser um filme legal de se assistir.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mi! Tudo bom?
    Esse não é o tipo de filme que eu conferiria no cinema, mas a trama até que me chamou a atenção. Faz tempo que não vejo uma história policial menos densa e mais pra comédia; tem um ar de Bad Boys, parece? Vou esperar aparecer em algum serviço de stream pra conferir.

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, Mi

    Mesmo com você falando que as piadas funcionam e tal, jamais gastaria meu dinheirinho para ver algo com a Tatá. Acho-a extremamente pedante e repetitiva, as piadas dela me fazem revirar os olhos, então passo esse. Hahahah

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mi
    Quando fala "nacional e comédia", eu já fico com um pé atrás. Acho que é mal de brasileiro mesmo. Eu super assistiria, adoro a Tatá e o Cauã e saber que o filme funciona mesmo com as piadas non sense me agrada.
    Beijos

    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  7. Eu já queria ver o filme, mas me preparei com uma resenha onde ele foi mal avaliado, agora li a de vocês, com uma boa avaliação. Gosto do estilo de humor desta atriz então isso não vai ser problema para mim.
    Me animei novamente em assisti-lo.
    abraços
    Gisela
    www.lerparadivertir.com

    ResponderExcluir