Traffik – Liberdade Roubada [Resenha do Filme]


Não nego que todo filme baseado em fatos reais me deixa animada para conferir. Histórias verídicas tendem a ser incríveis e Traffik – Liberdade Roubada tinha tudo para ser também se o roteiro tivesse trabalhado melhor o suspense.

Brea (Paula Patton, de Missão Impossível - Protocolo Fantasma) é um jornalista em crise no trabalho, mas tem um relacionamento sério com John (Omar Epps, de Dr. House) que a quer pedir em casamento. Para isso, os dois viajam para as montanhas e no meio do caminho encontram num posto de gasolina um grupo estranho de motoqueiro e uma mulher que parece em perigo. Brea suspeita de algo, os motoqueiros tentam atacá-los na estrada e no final das contas eles descobrem que a tal mulher havia colocado um telefone na bolsa da protagonista. O telefone está cheio de informações sobre um grande esquema de tráfico de mulheres.


Todo mundo sabe que não se deve acampar em florestas e muito menos brigar com motoqueiros e caminhoneiros em posto de gasolina! E toda vez que alguém comete esses erros somos obrigados a ver cenas clichês. A perseguição na estrada até que foi boa, mas bastante previsível. E quando o casal chega na casa completamente sem sinal de celular fica bem evidente o que vai acontecer. No entanto, Brea e John não estão sozinhos, um casal de amigos aparece e ajudam a estragar o clima romântico. Darren (Laz Alonso, de Avatar) é um personagem insuportável e só não é mais burro do que a própria protagonista, afinal, quem é que enfrenta vários criminosos com uma simples arma e acha que vai ficar tudo bem? Já a namorada dele, Malia (Roselyn Sanchez, de Ato de Coragem) é uma personagem que não merecia sofrer o que sofre.

Brea quando descobre o telefone poderia ter sido sensata, até eu que não sei nada de tecnologia suspeitei que tivesse algum tipo de rastreador no aparelho e sua necessidade de contar uma grande história acaba colocando em risco a vida de todos. Foi por uma boa causa, mas um pouco de sensatez nunca fez mal a ninguém.


A trama tem muitos momentos românticos talvez para nos fazer nos apegar aos protagonistas, mas destoa por completo do resto do filme. O começo é lento, um pouco desnecessário. O suspense foi pouco e poderia ter sido melhor desenvolvido e a protagonista não convence com seu lado justiceira.

Traffik – Liberdade Roubada não agrada nas atuações, peca na execução, mas tem uma boa história sobre tráfico de pessoas com direito a uma reviravolta no roteiro, mas que infelizmente não foi o suficiente para salvar o filme.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Traffik – Liberdade Roubada
Título Original: Traffik
Direção: Deon Taylor
Data de lançamento no Brasil: 20 de setembro de 2018
Nota: 2/5
Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Olá, Michele.
    Eu já sou diferente de você, quando vejo que é baseado em fatos reais fico com medo de assistir hehe. O enredo não chamou muito a minha atenção, por isso acho que não vou assistir.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi, Mi! Tudo bom?
    Pior coisa em filme é quando personagem toma atitude obviamente estúpida só pra avançar a trama, dá a maior preguiça desse tipo de história. Não conhecia o filme, mas não me interessei muito em assistir não :/

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mi

    Nem sabia da existência do filme, não vi trailer nem nada. Eu gosto bastante de histórias baseadas em fatos reais, que pena que essa deixou a desejar. Confesso que achei o trailer bem ruim! Hahahba


    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir