A Garota no Gelo [Resenha Literária]


Um dos meus elementos favoritos de ficção policial sempre foi sua capacidade de transmitir “leituras de conforto” (o que pode parecer um pouco estranho), considerando o assunto que esses livros exploram, mas sempre foi verdadeiro para mim. Não há nada como a familiaridade e o conforto que podem surgir ao ler um suspense realmente fantástico - não importa quão escuro seja o assunto, a ficção criminal sempre parece exatamente o que eu preciso quando estou tentando fugir da realidade por um tempo (ou às vezes, quando eu estou olhando para entender melhor a realidade). Dos muitos subgêneros de ficção policial, um que fornece algumas das “leituras de conforto” mais confiáveis ​​para mim é o da polícia processual. Torcer pelos mocinhos enquanto eles rastreiam os bandidos e buscam a justiça é algo que eu adoro.

O destaque de hoje é exatamente esse tipo de leitura: uma ficção policial que você pode facilmente ler e se envolver. A Garota no Gelo, é o primeiro livro da série da Detetive Erika Foster de Robert Bryndza. Um livro com uma narrativa confortável – e digo isso da melhor maneira possível. Com sua atraente liderança feminina e seu ritmo vívido e tensão viciante, o livro do autor chama a atenção por sua maneira envolvente e descritiva.

Andrea, uma socialite muito importante, é encontrada morta no gelo, alguns dias após a queixa de seu desaparecimento. A detetive Erika Foster, que estava afastada de suas atividades, é chamada para assumir o caso, por ter um excelente currículo em desvendar desafios impossíveis, mas este, se mostra mais complexo do que parecia ser. 


O conceito do enredo parece bastante simples, mas o efeito é deslumbrante. A inclusão de pequenos detalhes evoca essa atmosfera. Desde a expressão assombrosa da vítima preservada pelo gelo, até a vida cotidiana de um alinhamento peculiar de suspeitos e suas excentricidades, tanto as testemunhas quanto os investigadores ganham vida até estarem próximos e pessoais e você estará completamente absorto.

Erika Foster é um desses personagens e sua energia explode na página. Ela é uma detetive que passou por um período muito turbulento na vida, e mesmo com tantas sombras em seu passado, ela se empurra para além do limite de qualquer pessoa razoável, o que inclui arriscar o pouco que ela tem, desafiando seus superiores enquanto escava a verdade, por mais desagradável que seja.

Muitas vezes imprudente, tecnicamente desamparada e atualmente sem amigos, Foster bate de frente com outro detetive que era líder no caso antes dela. Sparks não é cooperativo e ofensivo, e voltou a querer estar no centro das atenções deste caso, e lidera o clube “tenham ódio de Foster”.


Erika com seus métodos pouco ortodoxos e abrasividade suficiente, não parece irritar o restante da equipe, e sua paixão investigativa é o que lhe traz respeito. Quando as semelhanças de outras mortes não resolvidas levantam uma suspeita, a questão é: eles poderiam estar lidando com um serial killer em potencial? Como os assassinatos de prostitutas não têm nenhuma semelhança com a vida da Garota no Gelo, o motivo de sua morte se torna mais desconcertante. 

No entanto, seus superiores parecem estar mais preocupados em evitar publicidade negativa para àqueles que estão no topo da hierarquia; se ela seguir essa nova linha de pesquisa, suas perspectivas de trabalho passarão do sombrio para o inexistente. 

Independentemente das dificuldades que ela possa enfrentar, Foster mantém sua integridade. Ela não quer elogios. Ela quer resolver um assassinato. Com nada além de um instinto para levá-la adiante, ela ignora os avisos para avaliar seus sentidos e, entra de cabeça no que realmente acredita.


Bryndza escreve lindamente no caminho entre o acessível e o simplista – ele encontra o ponto ideal que torna fácil uma leitura sem torná-la previsível ou superficial, tanto que o assassino perfeitamente desequilibrado evitou a detecção pelo meu radar pessoal. Quando eu pensei que não havia espaço para mais choques, um novo entrava em cena. A única parte que faltou no final espetacular foi uma banda – tocando e dramatizando aquele final brilhante.  Leia Bryndza, você com certeza encontrará um mundo totalmente acessível, com personagens atraentes e cativantes, e o mistério central de suas histórias dignos de um roteiro de cinema. 

Robert Bryndza está lançando o quarto livro da série no país pela editora Gutenberg, O Último Suspiro, e a sinopse está incrível, mal posso esperar para dar continuidade nessa história! A Garota no Gelo é o primeiro livro da série, mas não foi o primeiro que eu li. A continuidade que existe é com relação a vida da Detetive, e ler fora de ordem não afeta a leitura, mas, se você não leu nenhum dos livros, comece por esse, você irá adorar.

A resenha do terceiro livro da série, Sob Águas Escuras, está disponível no blog.

FICHA TÉCNICA

Titulo: A Garota no Gelo
Autor: Robert Bryndza
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Ei Naty!!! Estou com esse livro parado na estante há meses, você acredita? Já tinha lido maravilhas a respeito, mas você trouxe uma perspectiva inédita; que me deixou ainda mais ansiosa para ler.
    Agora que estou deixando de comprar novos livros para ler os que estão na estante, quem sabe chego nele rapidinho?
    Resenha linda, como sempre.
    Beijos
    http://pausaparapitacos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Natália, nunca pensei na leitura de conforto como literatura policial. E não é que faz sentido?
    Hahaha
    Adorei as suas impressões do livro e o fato que contou muito pouco, assim não pegamos spoiler.
    Amo um thriller policial e tenho certeza que vou adorar, até porque a detetive é uma mulher, o que não é tããããão comum no gênero.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Nat!
    Com certeza literatura policial não é minha leitura de conforto hahahhahaha
    Bom saber que não ler na ordem não rola spoiler, mas meu toc não deixa hahhahaha
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Oi, Natália! Tudo bom?
    Eu tenho curiosidade pra ler esse livro, mas ao mesmo tempo tô extremamente saturada de thriller policial então tô querendo ficar bem longe por um tempo UHASUHUHASUHASUHASUH dar uma desintoxicada. No momento, só Gillian Flynn entra na wishlist.
    Quem sabe futuramente!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi, que legal a resenha. Vou colocar na minha lista.
    Ele tem fim ou tem que ler os outros da série.
    Não entendi qual é o segundo

    Obrigada

    ResponderExcluir