Deuses Caídos [Resenha Literária]


Deuses Caídos é o primeiro livro de Gabriel Tennyson que saiu pela Editora Suma em 2018 e possui 285 páginas. Fã de séries e RPG, o carioca Gabriel criou uma trama fantástica que se passa em lugares conhecidos do Rio de Janeiro. 

Parece que ainda existe um certo receio com o estilo fantasia quando é passado em terras tupiniquins. Normalmente esse tipo de história acontece em lugares criados exclusivamente para eles, mas em Deuses Caídos nós conhecemos o padre Judas Cipriano, descendente direto de São Cipriano que trabalha para uma organização secreta do Vaticano para controlar seres divinos que vivem em nossa terra e não deixar que eles se excedam. 

Para quem acompanha histórias em quadrinhos, como eu, logo de cara eu vi em Cipriano uma mistura de Constatine (das hqs, não do filme) e Preacher (esse pode ser o mesmo da série). A identificação veio logo em poucas páginas, e apesar dessa comparação, ao decorrer da trama, ele desenvolve a própria personalidade e as comparações ficam lá no começo do livro. 


Sempre que algo acontece envolvendo seres divinos ou celestiais (incluo os bons e os ruins), Cipriano é chamado para resolver. À primeira vista você pode confundi-lo com um integrante de algum moto clube ou pertencente de alguma seita maluca, mas o colarinho entrega o que ele é realmente. Ele tenta ser o mais discreto possível, mas nem sempre isso é possível. 

Alguns ícones religiosos e pessoas importantes estão sendo assassinados, e o mais bizarro é que o serial killer transmite pela internet e pede para que as pessoas escolham os destinos dos seus prisioneiros com likes e dislikes. Os argumentos são apresentados, e os espectadores vão escolher o destino daquelas pessoas.

A polícia não consegue compreender a complexidade desse caso, então Cipriano para auxiliar na investigação, pois, as cenas dos crimes possuem detalhes que qualquer “mero mortal” não entenderia, são características que deixam qualquer Sherlock em êxtase para saber o que houve. Julia é uma detetive recém transferida para a homicídios, e é escalada para ajudar Cipriano na investigação. À princípio ela não entende a razão de estar nesse caso, e nem mesmo o padre quer um parceiro. Mas a ajuda de Julia acaba mostrando-se essencial. 


Como o padre tem acesso aos mais baixos níveis ele procura auxílio de seres trevosos e outros divinos. Tennyson explora bem os lugares turísticos - e outros nem tanto - do Rio de Janeiro. A descrição dos lugares é ótima, assim como as cenas que Cipriano acaba por acompanhar. Acessar uma boate com seres demoníacos em uma suruba não é para qualquer pessoa. 

O autor, Gabriel Tennyson, consegue deixar uma narrativa fluída, sem enrolação, sem relacionamentos inúteis. Como a história se passa em poucos dias, não há mesmo muito o que enrolar, e Gabriel consegue prender o leitor ávido para saber o que vai acontecer na próxima página. Como dito no começo, é uma história fantástica, uma fantasia, mas há coerência, as coisas acontecem por um motivo, razão. Até mesmo quando o autor nos entrega algo de bandeja e achamos que perdeu toda a graça, ele consegue manter o nível e seguimos acompanhando se Cipriano e Júlia vão desvendar esse caso. Reviravoltas, cenas bizarras, outras inesperadas, perseguição, ação, medo, raiva e tristeza. Existe de tudo nesse livro. As vidas dos envolvidos nunca mais será a mesma. 


Para mim, uma das coisas mais legais que li até o momento. Estava desacostumado com livros, já que estou focando em histórias em quadrinhos, mas em Deuses Caídos não teve como não querer terminar o mais rápido possível. Quando terminei a leitura, além dos parabéns ao autor (que eu acabei por enviar), fiquei imaginando como seria essa história em uma série na Netflix. Quem sabe um dia.

FICHA TÉCNICA

Título: Deuses Caídos
Autor: Gabriel Tennyson
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Oi Renato, tudo bem? Nesse ano estou redescobrindo fantasias, mas essa história não despertou meu interesse, apesar de parecer completa e instigante. Essa diversidade literária é espetacular, acho maravilhoso como esse universo apresenta histórias distintas para atrair e atender todos os interesses.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Que incrível, acho que se passasse por esse filme não daria atenção, mas lendo sua resenha é impossível não querer conhecer!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  3. Oie Renato =)

    Fantasia é um dos meu gêneros literários favoritos! Já tinha visto a capa desse livro, mas a sua resenha é a primeira que leio. Achei a história instigante. Se tiver uma oportunidade vou dar uma chance.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  4. Renato, gostei muito da indicação.
    Não tenho problema com livros que acontecem em terras brasileiras, mas acho que nunca li uma fantasia que passa por aqui.
    Fiquei interessada. Deve ser bacana demais!
    E gostei muito da premissa do enredo.
    Adoro uma fantasia e o padra Cipriano me parece ser muito legal e badass!

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Renato! Tenho o Gabriel entre os meus amigos do face, mas não conheci (ainda) sua escrita. Foi ótimo ler sua resenha, se antes eu já queria ler, agora mais ainda.
    Beijos
    http://pausaparapitacos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Renato!!!

    Te confesso que nunca li fantasia nacional, falha minha eu sei!! Sou apaixonada pelo gênero, e adorei a sua resenha. Não conhecia o autor e fiquei bem curiosa pra conhecer essa história!!!

    Beijos
    Naty!

    ResponderExcluir