Entrevista Penelope Ward autora de Querido Vizinho


A entrevista da vez é com a Penelope Ward, autora de mais 11 romances que estiveram nas listas de mais vendidos dos jornais The New York Times e The Wall Street Journal. Penelope cresceu em Boston, nos Estados Unidos, com mais cinco irmãos. Ela se tornou escritora de romances, muitos deles eróticos, após deixar a carreira de apresentadora de TV para se dedicar mais a família, pois ela mora com o marido e os filhos em Rhode Island.

Aqui no Brasil, os livros da Penelope Ward estão sendo publicados pela Editora Planeta. O mais recente foi Querido Vizinho que está sendo muito bem elogiado pelos os leitores do gênero. Através de e-mails pude conversar com ela e a autora é super fofa e foi bastante atenciosa comigo. 

Confira a abaixo a entrevista:

Como você se sente ao ver seus livros pelo o mundo a fora?

Penelope: É muito empolgante ver pessoas de todo o mundo lendo e também postando fotos dos meus livros, especialmente no Instagram, onde muitos leitores internacionais juntam algumas das mais belas imagens de bookstagram. Como não posso estar em todo o mundo para ver os livros nas livrarias, agradeço muito quando meus leitores publicam fotos dos livros. Acho que tenho meus livros em mais de uma dúzia de países e sou muito grata por isso.

Eu e a Michele lemos juntas o seu romance “Amor imenso” e amamos. Como surgiu a história de Justin e Amelia na sua mente?

Penelope: Bem, eu sabia que queria escrever uma história ambientada em Newport, Rhode Island, que fica cerca de 40 min da minha casa. Além disso, eu nunca sei de onde vem minhas ideias para as histórias. Elas meio que simplesmente aparecem na minha cabeça. Eu sabia que queria escrever sobre duas pessoas que tinham que dividir um espaço de convivência, mas que não estavam se dando bem e então a história apenas evolui peça por peça. Particularmente, a reviravolta que acontece durante a segunda parte não foi algo que eu planejei na versão original. Mas uma vez que me veio à mente eu sabia que queria escrevê-la.


Algumas autoras sentem dificuldade em escrever o ponto de vista masculino. Você sente alguma dificuldade ou é mais fácil do que escrever sentimentos femininos?

Penelope: Eu cresci com cinco irmãos mais velhos e, em geral, sinto em meu coração que tenho um espírito muito masculino, assim como um feminino (rindo alto). Eu sempre achei muito fácil me identificar com os homens e seus sentimentos. Para mim, é muito fácil escorregar para o ponto de vista masculino e imaginar o que ele pode estar pensando e sentindo. Na verdade, é uma das minhas partes favoritas para escrever. Adoro imaginar ser o homem e expressar os sentimentos dele em relação a mulher. Então, eu realmente gosto de escrever ambos.

Você e a Vi Keeland já escreveram vários livros juntas. Como é escrever com ela?

Penelope: O processo de escrita colaborativa é muito divertido. Nós nos revezamos com o manuscrito, passando-o para frente e para trás. Nós duas escrevemos os dois personagens. Escrever com alguém, especialmente alguém com quem você tem muito em comum, é definitivamente mais divertido do que fazê-lo sozinho. O processo de escrita pode ser muito solitário, mas quando você está compartilhando essa responsabilidade com alguém e trabalhando com as ideias de cada um, isso pode ser bastante surpreendente.

O livro Querido Vizinho acabou de ser lançado aqui no Brasil, pela editora Planeta. O que os leitores podem esperar dessa história?

Penelope: Querido Vizinho é uma estória autônoma que não precisa ser lida em conjunto com qualquer outro livro. É uma história sexualmente tensa, de amigos a amantes e é um Slow Burn. Chelsea se muda para um novo prédio e descobre que o artista irritado ao lado pode ouvir tudo o que ela diz a seu terapeuta através de um buraco na parede. Isso provocou algumas conversas no começo e depois uma amizade que se transforma em algo mais.


Dos seus livros, qual é o seu favorito?

Penelope: Eu teria que dizer que “Querido Vizinho” é o meu favorito. Eu me apaixonei completamente por esses dois personagens quando escrevi e me senti muito ligado à história.

E para encerrar a entrevista, temos um recadinho da autora para os seus leitores brasileiros:

“Obrigada por amar meus livros. Eu gostaria de viver mais perto para poder abraçar todos vocês. Eu aprecio todo o apoio e mensagens. Espero levar mais histórias para vocês do Brasil nos próximos anos! ”

Durante a nossa conversa por e-mails, ela me falou que ficou muito feliz por um blog brasileiro ter a procurado para uma entrevista e que ela ama as capas brasileiras de seus livros. Então espero que vocês tenham gostado da autora e se quiserem saber mais dela e de suas obras acessem AQUI ou o site da Editora Planeta (CLIQUE AQUI), pois lá tem os livros da autora que a editora publicou aqui no Brasil, além de uma pequena biografia sobre ela.

Ariane de Freitas
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Oiii Ariane

    Entrevista maravilhosa, ficou linda. Realmente crescer com 5 irmãos deve ter dado bastante background pra autora desenvolver seus personagens masculinos com mais veracidade. Achei bacana saber que justamente Querido Vizinho é o favorito dela, vi muitos elogios mesmo sobre a obra.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oie
    Ainda não conhecia os livros da autora, mas adorei a entrevista e fiquei curiosa. Achei muito legal a questão dela escrever junto com outra autora e ter esta troca. Fiquei desejando muito ler este livro, parece ser bem no meu estilo de leitura.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. que bacana essa entrevista! gostei bastante de conhecer mais sobre ela e seus livros

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ari!

    Adorei a entrevista! Só tenho visto elogios também pra esse livro. Muito legal saber que o fato de ter cinco irmãos a ajudou a compreender seus pensamentos e saber como colocá-los num livro.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, Ariane.
    Parabéns pela entrevista. Ficou super bacana. E a autora pareceu ser bem simpática. Eu particularmente não sou muito fã do gênero que ela escreve, mas sempre vejo elogios aos seus livros.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Tô amando suas entrevistas Ari, da pra sentir o carinho que elas tem para com os leitores.
    Amo os livros dela

    ResponderExcluir