Cujo [Resenha Literária]


Envolta pelo brilho de memórias assombradas e um estranho sentimento de mau presságio, Cujo é um conto visceral, horrível por causa de seu realismo e da complexa dinâmica humana em torno dele. O livro em si é demais - uma colcha de retalhos de vida, um labirinto de costuras e relacionamentos rasgados, e as tragédias do acaso que destroem até um cão “bom” leal. 

É tudo um mistério, a maneira como as coisas se encaixam, batendo os eventos juntos e se unindo àquele momento de possibilidade redentora ou àquele momento perdido pela salvação. Tudo depende. Cujo não é sobre o horror que podemos ver ou mesmo o horror que pode facilmente nos despedaçar. É sobre as últimas horas da noite, quando nos vemos pelo que somos e pelo que deixamos de fazer. 

É um livro sobre casamento, amor, dever, criação dos filhos, carreiras, desejo, medo e o bom e velho ditado de que a “merda simplesmente acontece”. É um livro sobre começos, meios, finais e indo além. Cujo, com sua atmosfera hipnótica, múltiplas linhas de tensão afiada, vida imitando dilemas e personagens complicados, é uma história comovente, com conceitos universais que tocam os leitores de uma maneira direta e pessoal. O próprio Cujo, o infame São Bernardo, tem uma voz distinta própria, entrelaçando-se com a narrativa para mostrar a degeneração de um vírus e a perda de um bom cão, estrelando como o conflito central em torno do qual os outros tentáculos da história são desenhados lentamente.


De um lado do conto, encontramos os Cambers, uma família em desintegração liderada por um pai tirânico e abusivo. Como o jovem filho impressionável começa a imitar o comportamento "duro" de seu pai, Charity, sua mãe, (introspectiva sobre suas responsabilidades como mãe e as opções disponíveis para ela), nos dá um olhar perturbado na psique de alguém que se tornou tão usado abusar.

Charity leva seu filho para visitar sua irmã, acreditando que pode absolver-se da transformação de seu filho, mostrando-lhe uma versão mais completa do mundo para tomar sua decisão final, levando o leitor a alguns corredores obscuros da vida real, da dinâmica familiar e o fato de que, na verdade, a história tende a se repetir.

Do outro lado da história, vemos Tad, um menino de quatro anos com medo do monstro no armário, uma versão estranha e profética de seu futuro e a inevitabilidade do destino. Através dos olhos de Tad, vemos as mais horríveis visões de todos e experimentamos a derradeira crueldade do destino. Como narrador infantil, ele é estranhamente realista e compreensivo, sua percepção do mundo nos leva a uma profunda preocupação por ele, sem se sentir falso ou desagradável para o público adulto. Tad é o personagem infantil mais intrigante na ficção em muito tempo.


Donna e Vic Trenton, os pais de Tad, também estão engajados em consertar suas vidas, pegos por uma crise de consciência e uma mudança ditada por seu marido para o remoto Maine, o casal distante, ambos lutando contra seus próprios demônios internos, devem confrontar a realidade de cada necessidade e a possibilidade de seguirem juntos ou separados.

Grande parte do livro gira em torno de Donna e Tad, e seu amigo verdadeiro, Cujo, um imponente São Bernardo de 200 quilos que, de repente é mordido por um morcego raivoso logo cedo e nós somos levados por seu processo de pensamento trágico como a doença lentamente o transforma de amante animal de estimação a assassino cheio de raiva. Sua transformação é tão colorida e documentada em todo o livro que ouso dizer que Cujo é um personagem tridimensional bem realizado.

Todos esses enredos, são tão atraentes que é possível ter um vislumbre dos momentos: cada momento anterior de trepidação constrói nosso conhecimento e conexão com os personagens. Podemos sentir uma enorme empatia por Donna e Tad quando têm que lidar com um Cujo mentalmente degenerado. 


Curiosamente, o próprio King escreveu Cujo durante um estupor alcoólico e nem se lembra de ter escrito isso, um de seus melhores livros. O livro é afiado e mordaz, brutal e visceral e, acima de tudo, uma bela e perturbadora história que não pode ser esquecida, suas palavras e significados vivendo além da última página, seus personagens e eventos tão reais que você pode derramar várias lágrimas ao chegar ao final. 

É um livro tremendo - muito, a meu ver, quando você sabe como foi escrito e como King realmente estava ausente. É assustador, é tenso, é incrivelmente inquietante. E é outro livro não sobrenatural. É triste ver que King não se lembre de ter escrito, que ele não se deleitou com a criação de algo tão bom. O que temos não apenas enquanto leitores de grande ficção, mas como admiradores de um homem que estava sofrendo e não podia enfrentar seus demônios pessoalmente, foi ele ter colocado Cujo em páginas. 

FICHA TÉCNICA

Titulo: Cujo
Autor: Stephen King 
Nota: 5/5 
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Oi, Nat!
    Pelo visto, a maioria dos livros bons que o King escreveu, ele estava numa viagem muito louca nas drogas ahahaahah
    Beijos
    Balaio de Babados
    Concorra a quatro livros e mais um kit de marcadores no instagram

    ResponderExcluir
  2. Nossa preciso desse livro ♡♡♡♡

    www.nataliloure.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Natália!
    Uau, adorei a sua resenha. Não sou muito fã do King e os livros dele não costumam chamar a minha atenção, mas a sua resenha até que conseguiu. hahahahahaha E gente, eu não consigo escrever direito sóbria, imagina loucona na bebida. hahahahahah

    bjs
    Queria Estar Lendo

    ResponderExcluir
  4. Oi, Natália

    Convenhamos que o estupor não era só alcoólico, né? Hahahaha
    Eu li esse livro há uns dois anos e adorei, principalmente a discussão sobre o livre arbítrio. Mesmo chapadão o SK levanta umas boas reflexões!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, Natalia!
    Quero muito ler algo do King (acredita que NUNCA li), mas não vou começar com Cujo, porque eu não quero ver o cachorro ficando doente.
    E esse tanto de temas entrelaçados e que formam algo tão complexo deve ser super interessante.
    Pode ser o melhor livro dele, mas acho que vou deixar passar a leitura, haha.
    E que bizarro ele nem lembrar de escrever esse livro.

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Natália!!
    Sou fissurada pelas obras do mestre King! Ainda não li esse clássico, mas fiquei com mais vontade depois de ler a resenha!
    Beijinho
    EVENTUAL OBRA DE FICÇÃO

    ResponderExcluir