Clímax [Resenha do Filme]


Gente estranha em festa esquisita!

O polêmico diretor argentino Gaspar Noé adora chocar os críticos e o público. Seja com a interminável e nauseante cena de estupro em Irreversível (2002) ou a pornografia em 3D de Love (2015). Em seu novo filme Clímax, ele parece ter ouvido as críticas aos seus trabalhos anteriores, amadurecido e finalmente dosado os excessos - Clímax é o seu melhor filme. 

O elenco (liderado por Sofia Boutella) está extraordinariamente bem dirigido, todos atuam de maneira tão intensa e natural que nem parece uma obra de ficção. Exceto Boutella, que além de dançarina profissional já fez outros trabalhos como atriz, o que se vê é que os outros dançarinos fizeram dramaturgia de verdade. A trama é simples e a duração de apenas 90 minutos deixa aquele gostinho de quero mais.


Nos anos 90, um grupo de dançarinos urbanos se reúnem prestes a começarem uma turnê, em um isolado internato, localizado numa floresta. Durante uma festa de comemoração depois de três dias de exaustivos ensaios, todos tomam um ponche contaminado com LSD e simplesmente piram. Loucura, sexo e violência explodem na tela. Durante a abertura, que mostra as entrevistas feitas com os dançarinos e exibida numa TV de tubo, é possível ver uma pilha de livros do lado esquerdo e outra pilha de filmes do lado direito. Os que identificamos de imediato são Suspiria (1977) do diretor italiano Dario Argento e Possessão (1981) do diretor polonês Andrzej Zulawski. E curiosamente é a influência nítida e inegável desses dois filmes que vai ditar a estética e o andamento do filme. 


A claustrofobia do lugar em tons de vermelho, a atmosfera de pesadelo e os espasmos corporais vertiginosos, num excelente trabalho de expressão corporal de todo o elenco, parece realmente uma mistura de Suspiria e Possessão. Uma homenagem, talvez. Inclusive a clássica cena de Isabelle Adjani em Possessão é reproduzida de leve por Sofia Boutella

Imprevisível e incômodo, Clímax mostra não só os perigos das drogas sintéticas, mostra também que os demônios são individuais e internos, e que pra muitas pessoas, parafraseando o padre Quevedo, eles no eczistem!

Filme e trilha sonora imperdíveis!

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título Climax
Direção: Gaspar Noé 
Data de lançamento no Brasil: 31 de janeiro de 2019
Nota 5/5
Imovision 

Italo Morelli Jr.
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. Oi, Italo!
    Eu tentei assistir o Love mas não consegui passar da metade. Achei muito maçante. Mas quero conferir esse novo trabalho do Gaspar.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia, mas não me chamou tanto assim a atenção. Mas quem sabe dou uma chance.

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir