O Museu das Coisas Intangíveis [Resenha Literária]


Para Hannah e Zoe, que residem em uma pequena e empobrecida cidade de Nova Jersey, onde a classe média é uma memória que desaparece rapidamente e a classe alta é um sonho impossível, é difícil imaginar um futuro que não envolva ser enredado em uma vida de mediocridade e estagnação como aqueles que antes delas fizeram. As duas estão presas; presas em um caminho que parece tão sem esperança quanto inevitável. O que elas têm, no entanto, é uma a outra. Inseparáveis ​​desde a promessa de uma infância de nunca deixar a outra para trás, Hannah e Zoe viram-se através do melhor e do pior que a vida tem para oferecer. Então, juntas, elas fazem o que podem para tornar sua situação um pouco menos desesperadora. 

Depois de trinta e dois anos de vida (a maioria deles foi gasta lendo), é extremamente raro que eu não saiba como me sentir sobre um livro depois que eu viro a página final. Mas esse foi precisamente o problema que enfrentei ao terminar o livro de Wendy Wunder. O que torna difícil admitir depois de muita reflexão, enquanto eu amava o conceito e estava encantada com o estilo narrativo de Wunder, a execução do mesmo conceito deixou um pouco a desejar. 

Em uma irônica reviravolta do destino, foi (em parte) o intangível, o inexplicável, que me impediu de apreciar verdadeiramente esse livro tanto quanto eu esperava. Enquanto eu gostaria de acreditar que sou uma leitora racional e analítica, acima de tudo, como qualquer leitor, eu frequentemente confio em meu instinto para separar os livros "bons" dos "ótimos". 


Não há absolutamente nenhuma dúvida de que Wunder é uma escritora tecnicamente proficiente com muito talento, mas não consegui investir emocionalmente e me conectar com os personagens tanto quanto eu gostaria. Por alguma razão - seja um ritmo frenético, um desenvolvimento superficial de caráter, expectativas irrealistas ou incorretas da minha parte ou simplesmente o inexplicável – o livro ficou um pouco aquém do esperado. 

Embora seja dito exclusivamente da perspectiva de Hannah, ele conta a história das melhores amigas Hannah e Zoe, e de seu irmão – que sofre de uma síndrome rara - que foi tão pouco explorado na história bem como os outros, que não receberam a profundidade que deveriam. Os dois personagens são um estudo em contraste e Hannah é o mais fundamentado dos dois. Calma, racional e meticulosa, Hannah foi forçada a crescer muito rapidamente depois de ser obrigada a compensar as deficiências de seus pais. Como resultado, ela construiu uma série de mecanismos de enfrentamento para lidar com essa responsabilidade e pressão adicionais, sendo a mais notável sua fascinação pela cultura escandinava, que ela percebe como um paraíso idealista de igualitarismo e prosperidade. 


Quando Zoe sugere que elas embarquem em uma viagem, uma chance de “fugir” e escapar das vidas que parecem ter sido deixadas em uma confusão ao redor delas, Hannah concorda, convencida de que ela pode persuadir Zoe a ter boa saúde e conter seus impulsos. Infelizmente, apesar do suposto comprimento e profundidade de sua amizade, Hannah nunca parece capaz de entender a gravidade da doença da amiga. Ela minimiza os sintomas de sua doença e dá desculpas ao longo da história, mesmo com o comportamento de Zoe piorando. Apesar disso, Hannah era a mais realista e interessante dos dois personagens. 

Zoe, infelizmente, é menos bem renderizada. Em suma, ela é a garota a quem todo homem é atraído e para quem tudo é fácil. Mais preocupante de tudo, sua caracterização começa e termina com sua doença mental. Embora não haja dúvida de que isso constitui uma parte fundamental de quem ela é, eu seria duramente pressionada a nomear uma única característica sobre esse personagem que não envolvesse seu transtorno bipolar e depressão maníaca. Zoe é estritamente definida por sua doença e seu desejo sincero de ajudar Hannah a florescer em uma pessoa mais completa. Por mais que me doa admitir, eu também sentia como se a doença mental de Zoe fosse romantizada e trivializada na medida em que é frequentemente retratada como "peculiar" ou "estranha" em oposição a ser tratada com o respeito e a seriedade que ela merecia. 

Dado o estigma que já envolvem doenças mentais e àqueles que sofrem com isso, eu esperava que Wunder combatesse, ao invés de contribuir, com o problema. Infelizmente, minhas esperanças não foram concretizadas. Embora a autora demonstre as terríveis consequências da doença mental quando não tratada, a história de Zoe não tinha a coragem e franqueza cruas que eu esperava do gênero contemporâneo e me deixou indiferente em alguns momentos.


O Museu das Coisas Intangíveis está repleto de histórias que pediam para receber maior atenção, mas que não aconteceram. Eu queria mais. Eu precisava de mais. Eu queria ter amado esse livro. Infelizmente, lutei consistentemente para conciliar o que ele pretendia ser com o que ele realmente é. Comercializado como uma história positiva e empoderadora sobre a amizade feminina e o autodesenvolvimento, em última análise, O Museu das Coisas Intangíveis é um conto muito mais sombrio que não teve a profundidade emocional para deixar uma impressão significativa. 

Não há dúvida de que o romance é um empreendimento ambicioso, com um conceito interessante e um estilo narrativo magnífico. Infelizmente, o desenvolvimento superficial do caráter e um retrato problemático da doença mental se uniram para tornar essa experiência de leitura não muito favorável. Acredito que o livro simplesmente não era certo para mim. 

Por ser psicóloga e estar em contato diretamente com a saúde mental, acredito que a autora poderia ter pesquisado e explorado o tema de uma maneira diferente. Digo isso porque o peso de uma doença nesse sentido e o estigma de ser definido por ela, trás inúmeros prejuízos para a saúde biológica, psicológica e social daquele que sofre. A escrita da autora agrada, mas o tema da história não atingiu o objetivo final. 

FICHA TÉCNICA

Título: O Museu das Coisas Intangíveis 
Autora: Wendy Wunder
Nota: 2,5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. Aquele livro que já vale a pena somente pela capa, né? Que coisa mais linda, tô encantada com ela!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Natália! Tudo bom?
    Eu tinha adorado a capa e a premissa, mas essa coisa de 'não dá pra se ligar emocionalmente com personagens' passo longe mesmo. Se não tem emoção na hora da leitura, não dá pra acompanhar com aquela coisa de coração na mão e torcida pra dar tudo certo. Ai preguiçaaaaa
    Adorei a resenha!

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Natália,

    Poxa uma pena que o livro não tenha sido tudo isso.
    Pela capa e sinopse eu achei que seria bem mais profundo.

    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderExcluir