Sonho de uma noite de verão [Resenha Literária]


Este ano resolvi ler alguns clássicos que estão há muito tempo na minha lista de leituras e Sonho de uma noite de verão é um deles. Já assisti a peça de Shakespeare por diversas vezes, mas não tinha lido a obra, que apesar de ser no formato da peça de teatro, é fácil, fluida e divertida;

Teseu e Hipólita vão se casar e a cerimônia é um grande acontecimento. Egeu pede ajuda ao duque para lidar com sua filha, Hérmia que é apaixonada por Lisandro, mas o pai quer forçá-la a se casar com Demétrio. Teseu dá à filha de Egeu duas opções: o casamento ou ser uma sacerdotisa e abdicar de uma vida amorosa. Assim, Hérmia e Lisandro planejam fugir na noite seguinte e comunicam a Helena, que é apaixonado por Demétrio, o que pretendem fazer.


Paralelamente a isso temos a Rainha e o Rei dos elfos que chegam na floresta também para o casamento. Oberon está brigado com sua rainha por ciúmes de uma criança que Titânia considera como filho, e chama Puck para colocar a flor do cupido nos olhos da esposa quando ela estiver dormindo. Dessa forma, quando ela acordar ficará apaixonada pelo primeiro animal que encontrar e Oberon terá sua vingança. No entanto, Puck faz uma enorme confusão e usa suco da flor em Lisandro que acaba apaixonado por Helena e para tentar arrumar as coisas, eles acabam deixando Demétrio também apaixonado pela moça. Resultado, Hérmia fica furiosa por perder o amor da sua vida e acredita que Helena é uma traidora.

Além de toda a confusão na floresta temos também um grupo de teatro que está no local para encenar uma peça no casamentos de Egeu, Píramo e Tisbe, que além de ter semelhanças com a própria história de Lisandro e Hérmia, se parece em muitos aspectos com outro clássico de Shakespeare, Romeu e Julieta, inclusive com o final trágico. 


É interessante notar que Shakespeare usa a metalinguagem, com uma peça dentro da peça, em que se faz uma análise bem interessante sobre a crítica, censura e sobre o público, que muitas vezes tem um entendimento limitado sobre o que o autor quer mostrar. E tudo isso por meio do senso crítico dos atores amadores da história, que em um determinado momento quebram a quarta parede e conversam com a plateia de Teseu. E as características da peça também nos ajuda a identificar característica do teatro da época, com diálogos que nos descreve o cenário e os figurinos. Além de toda característica do Renascimento presente com referência à mitologia grego-romana.

Existe um claro estímulo ao uso da imaginação em Sonho de uma noite de verão, os ambientes, os elfos e o jogo entre o que é real e ilusão, afinal, os casais não sabem se tudo foi um sonho de fato ou armação de Puck, personagem importantíssimo na obra, travesso e leal ao rei dos elfos. E tudo no fundo, gira em torno da necessidade de ficar com a pessoa amada por meio de quatro casais principais: Teseu e Hipólita, Oberon e Titânia, Hérmia e Lisandro, Helena e Demétrio.


Apesar do drama dos relacionamentos amorosos, Sonho de uma noite de verão acaba sendo uma paródia inteligente sobre o teatro e o sobre o amor. Em quatro atos toda a confusão de Puck é desenvolvida e resolvida com muitos momentos de comédia, sendo bem mais leve que outras obras de Shakespeare. Se você ainda não conhece nada do autor, pode começar com esta obra. A edição da Martin Claret além de trazer uma capa bonita tem um bom texto de introdução que nos ajuda a entender o período em que a obra foi escrita. Recomendo

FICHA TÉCNICA

Título: Sonho de uma noite de verão
Autor: William Shakespeare
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O Que Tem Na Nossa Estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Oiii Mi

    Ainda não consigo ler autores como Shakespeare, o estilo do autor, embora mega inteligente e talentoso, ainda não me prende o suficiente, mas pretendo também esse ano investir em alguns clássicos que ja tenho na lista há anos.
    As edições da Martin Claret são tão lindas, eles deram uma renovada no estilo da capa, e deixaram o clássico com uma pinta de livro contemporâneo que chama demais a atenção, super bom gosto da editora.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi, tudo bem? Vergonha literária, nunca li nada de William Shakaspeare. Para ser sincera não sabia do que se tratava essa história, mas adorei a ideia dela, apesar de ter achado um pouco confuso por causa de tantos personagens entrelaçados nos acontecimentos, talvez lendo fique mais fácil de colocar cada um em um lugar e compreender a história.
    Adorei a indicação, está anotada, ainda mais nesse ano que quero ler mais clássicos também.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
  3. Oi Mi!!

    Ahhh e essa edição que coisa mais linda, a Martin sabe muito bem como reeditar livros! Eu só um apaixonada por essa história e fico encantada com a escrita dele! Um clássico pra vida!! Amei a resenha!!!

    Beijos
    Naty!

    ResponderExcluir
  4. Oi Mi
    Já ouvi falar muito desse livro mas não me interessei. Eu já li peças de teatro, mas fiquei muito confusa com os personagens, mal entendi a lógica da história haha acho que não é pra mim mesmo.
    Beijo!

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi,
    Essa capa... EU ADOREI!
    Estou com um projeto de leitura de clássicos esse ano, então há grandes chances de eu ler em breve (só falta eu comprar, rs).
    beeeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Michele.
    Teve uma época que trabalhei em uma escola e eles tinham uma biblioteca de dar inveja e li todos os do autor que tinha por lá. Esse é o meu favorito dele e preciso comprar para ter aqui na minha estante hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir