O Homem do Castelo Alto [Resenha Literária]


O Homem do Castelo Alto é um dos melhores livros escritos por Philip K. Dick. Esta é uma história alternativa completamente absorvente, inteligente e baseada na premissa de que a Alemanha e o Japão foram vitoriosos na Segunda Guerra Mundial. Nesse universo, após a guerra, os Estados Unidos foram divididos entre o Japão e a Alemanha, com o Japão assumindo os estados ocidentais e a Alemanha assumindo os estados orientais. A história começa quase 20 anos depois, em 1962, com um mundo muito diferente daquele com o qual estamos familiarizados. 

Nesse livro, Dick faz um trabalho magistral de extrapolar uma realidade alternativa muito realista até os mínimos detalhes. Isso realmente te leva a um mundo que parece ao mesmo tempo muito estranho e familiar. À medida que a história se desenrola, é fascinante descobrir quais mudanças ocorreram devido à perda devastadora da Segunda Guerra Mundial e aos esforços de reconstrução dos estados japonês e alemão. Embora isso seja muito mais uma história pensante do que de ação, isso não quer dizer que não haja ação. As poucas cenas de ação são incríveis emocionalmente falando e poderosas para o drama humano.


O livro viaja para o futuro e passado entre suas narrativas principais, que estão todas conectadas de alguma forma. Três das narrativas ocorrem na área da baía de São Francisco, que é muito ocupada pelos japoneses, enquanto uma narrativa segue uma mulher no Colorado, onde as pessoas mantiveram a semi-independência dos japoneses simplesmente devido ao fato de este território ter sido considerado de valor mínimo. 

A maioria dos personagens principais do livro são americanos, lutando para sobreviver na nova economia do pós-guerra com uma nova hierarquia social estrita. No entanto, um personagem principal é o oficial da missão comercial japonesa em São Francisco, que logo se vê envolvido com espiões e brigas entre várias facções do governo totalitário alemão, que mantém uma aliança desconfortável com os japoneses. 

O desenvolvimento dos personagens foi bem escrito, todos eles são complicados, têm falhas e são desenhados em grande profundidade. A maioria dos americanos tem uma mistura de aversão e admiração pelos japoneses. Os alemães, por outro lado, são vistos muito mais negativamente por muitos, mas, como você pode imaginar, existem aqueles americanos que apoiam totalmente os ideais nazistas.


O mundo alternativo criado neste romance é uma excelente caixa de ressonância para examinar ideias de filosofia, hierarquias sociais, política, raça, arte, destino, medo e esperança. De fato, há muita filosofia japonesa e chinesa encontrada na obra, pois quase todos os personagens, até os americanos, usam o I-Ching para ajudar a tomar decisões e prever o futuro. Através do Sr. Tagomi, Dick faz um excelente trabalho ao mostrar e descrever algumas das diferenças culturais entre o Oriente e o Ocidente, com algumas ideias sobre as filosofias japonesas. 

O Homem do Castelo Alto é um dos melhores livros alternativos já escritos. Se você nunca leu um livro de Philip K. Dick, este é um bom começo para iniciar. Este romance deve ser lido por todos para uma visão fascinante do nosso mundo de uma perspectiva completamente diferente.


A Editora Aleph trouxe uma nova edição completamente repaginada, lindíssima e apaixonante. Para quem é apaixonado pelo autor, recomendo de olhos fechados!

FICHA TÉCNICA

Título: O Homem do Castelo Alto
Autor: Philip K. Dick
Onde Comprar: Amazon
Nota: 5/5

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Oi, Nat!
    Eu comecei a assistir a adaptação mas parei. Fiquei sabendo que tem o livro e infelizmente não bateu aqueeela vontade de ler... Mas essa edição é maravilhosa!!!!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Oi Natália, tudo bem?
    Não conhecia o livro ou o autor, mas achei a proposta bem diferente. Dica anotada!!!


    *bye*
    Marla
    https://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Natália
    Que livro hein! Não é bem o que eu leria, mas eu adorei a premissa. Nunca tinha pensado por outro lado, se caso a Alemanha e Japão tivessem ganhado. Boa sacada do autor.
    Beijo
    https://www.capitulotreze.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu adorei essa capa que parece um comercial dos anos 1950. A história com certeza parece ótima e já fiquei curiosa.

    Beijos

    Imersão Literária

    ResponderExcluir