O Instituto [Resenha Literária]


Os protagonistas de Stephen King foram caçados por todos os tipos de seres malévolos, do palhaço demoníaco de It ao diabólico Randall Flagg em Dança da Morte. Mas, por mais assustadores que possam ser os bandidos sobrenaturais, os antagonistas mais inquietantes de King são do tamanho humano.

Podemos ver algo de nós mesmos nesses personagens e reconhecer neles nossa própria capacidade para o mal, O Instituto, pertence a esta categoria e é tão consumadamente aprimorado e cativante quanto o melhor de seu trabalho. Não possui fantasmas, vampiros, entidades diabólicas ou invasores de outras dimensões, com a intenção de atormentar crianças inocentes. Crianças inocentes são atormentadas no “Instituto”, mas as pessoas que fazem isso são muito parecidas com você e eu.
“Você sabe o que dizem sobre o abismo, não sabe?
- Quando você olha pra ele, ele olha pra você.”
O romance começa com Tim Jamieson, um ex-policial vagando para o norte da Carolina do Sul, pegando carona e fazendo trabalhos estranhos até desembarcar em DuPray, uma cidade ferroviária com vitrines fechadas e um motel em ruínas. Ele consegue um emprego como vigia noturno e aprende a gostar do local. Essa é a última vez que ouviremos dele por um bom tempo, mas essas primeiras 40 páginas do livro - discretas e relaxadas, uma descrição afetada e genialmente convincente de uma certa caminhada não celebrada da vida - demonstram como a ficção de King é envolvente e pode ser incrível mesmo sem um gemido baixo subjacente de pavor.


O Instituto então se volta para Luke Ellis, um garoto de 12 anos de idade, com um cérebro extraordinário. Extraordinário de uma maneira comum, ou seja, exceto por uma habilidade telecinética pequena. Luke é brilhante. Ele lê livros, devora o trabalho de William James, e tudo o que grandes nomes escreveram. Mas ele também é um garoto que assiste Bob Esponja, tem amigos e uma vida que gosta. E, ocasionalmente, quando ele está realmente animado, pode fazer com que um prato de pizza vazio saia de uma mesa sem tocá-lo. 

Seus pais estão se acostumando com a ideia de mudar para Boston para que ele possa ter aulas no MIT, e quando menos esperamos uma equipe de agentes misteriosos invade a casa dos Ellis. Luke acorda em um quarto decorado como o seu, mas com uma porta que não se abre para sua casa, a partir desse ponto, O Instituto nos prende sem demora.

Ele conhece uma garota chamada Kalisha, que lhe dá a posição da terra e o apresenta aos outros presos, todas são crianças. Os adultos que dirigem O Instituto as sujeitam - todas com habilidades - a experimentos inexplicáveis ​​que variam do inócuo ao desconfortável e ao aterrorizante: injeções; luzes stasi; amostras de sangue. E inúmeras coisas horrendas.
Caia na real. Se você trabalha aqui, você faz parte de tudo. Do bom ou do ruim.
Como você mantém sua dignidade e sua humanidade em um ambiente projetado para tirar você de ambos? Esse tema, tão urgente na literatura a partir do século XX, se enquadra bem no âmbito usual de King. Seus heróis costumam ser humildes ou aparentemente fracos: crianças, pessoas da classe trabalhadora, mulheres abusadas, pobres, deficientes e esquecidos - pessoas que precisam reunir coragem para lutar contra probabilidades aparentemente impossíveis. "O Instituto" segue esse padrão, mas tem alguns peixes adicionais para fritar. 


A maior parte da ação ocorre no próprio Instituto e diz respeito aos esforços conjuntos de um grupo de crianças traumatizadas para entender e utilizar suas próprias habilidades, e para transformá-las contra seus captores. O resultado é um cenário que corresponde aos pontos fortes do autor. Poucos escritores têm a capacidade de King de criar jovens credíveis cujas qualidades nascentes prefiguram os adultos em que eles (com sorte) se tornarão. E menos ainda têm os recursos imaginativos que King traz para seu retrato da vida no Instituto, uma vida cheia de pequenas e grandes crueldades e com uma indiferença assustadora ao efeito que essas crueldades têm sobre os mais vulneráveis ​​entre nós. 
O Instituto é como o que dizem sobre a máfia: quando você entra, não consegue mais sair.
O Instituto, diz King, não destrói apenas as vítimas escolhidas. Também destrói a "bússola moral" daqueles que trabalham lá por muito tempo. De novo, duas ironias notáveis ​​levam o romance à sua conclusão. 
A primeira é o fato de que o pessoal do Instituto, ao se concentrar tão completamente nas habilidades telecinéticas menores de Luke, ignora a única arma que ele pode usar contra eles: seu intelecto prodigioso. Segundo, ao criar “armas” humanas para serem usadas contra inimigos percebidos, O Instituto criou uma arma para ser usada contra si mesmo. 

Como um ser humano se torna alguém que pode considerar o abuso de crianças como, primeiro, um mal necessário e, finalmente, como uma questão de rotina? Essa é uma pergunta com relevância política inegável neste momento. King deixou seu desprezo pelo atual presidente, seu governo e suas políticas muito claros em suas redes sociais. O Instituto que leva mais de uma escavação aberta a Trump e permeando vários governos, inclusive o nosso, reflete sobre as pessoas que executam as políticas do governo no terreno, e como isso influencia a vida de milhares de povos.


Ao longo de sua longa carreira, King se comprometeu com a noção fundamental de que as histórias são importantes, de que elas nos ajudam a entender a nós mesmos e ao mundo em que vivemos. O Instituto, cheio de raiva, tristeza, empatia e, sim, esperança, reitera esse compromisso com poder inabalável. É um entretenimento de primeira classe que tem algo importante a dizer. Todos nós precisamos ouvir.

A edição está impecável, e fiquei completamente emocionada com o agradecimento do nosso Rei ano final do livro. King tem um poder, tem um dom, e eu sou completamente grata por ter oportunidade de conferir seus diversos trabalhos. Obrigada King!

FICHA TÉCNICA

Título: O Instituto
Autor: Stephen King
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Olá, Natália.
    Respeito seu gosto pelo autor, mas depois que li It, eu que já achava os livros dele chatos, fiquei foi com raiva de ver como ele pode escrever uma cena daquelas e ainda hoje achar que fez certo em escrever. A premissa da história é interessante e se fosse de outro autor eu até leria, dele não.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Olá Natália,
    sou apaixonada pelo mestre também. O cara é demais!
    O Instituto está na minha fila interminável.... pretendo lê-lo em 2020.
    Parabéns pela resenha.
    beijos,

    Amor por Livros

    ResponderExcluir
  3. Oi, Nat!
    Faz tempo que um livro do King não me desperta interesse, mas esse conseguiu essa proeza. Realmente os piores vilões dele são os humanos.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  4. Com certeza quero ler um livro dele algum dia. Mesmo não sendo bem um gênero que leia com frequência, quero ter essa experiência.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir