Ubik [Resenha Literária]


Morte, a fronteira final, o fato inevitável e evitável do que chamamos de vida. E se, mesmo depois de sua morte, você pudesse voltar por um tempo limitado e de alguma forma limitada para ver mais uma vez seus entes queridos e experimentar a existência linear que tantas vezes tomamos por garantida? Na visão, pintada por K. Dick aqui, os vivos podem, por um período muito breve, conversar com aqueles que passaram da serpente mortal; embora eles estejam restritos a encontrá-los em uma espécie de versão futura de um necrotério - um edifício de armazenamento virtual para as almas dos que partiram. Eventualmente, embora o tempo acabe mesmo para aqueles que vivem nesta “meia-vida” e, uma vez que isso aconteça, os mortos simplesmente desaparecem.

Os trabalhos de Philip K. Dick tendem a favorecer duas abordagens diferentes, aquelas que usam apenas um tropeço do gênero, de outra forma definidas em nossa realidade contemporânea (como O homem do castelo alto) e aquelas que estão claramente definidas no futuro com muitos avanços tecnológicos (como Os androides sonham com ovelhas elétricas). Ubik está firmemente colocado dentro deste último, uma realidade com muita tecnologia futura, telepatia e precognição, um futuro em que até a própria morte pode ser superada por breves períodos.


Sobre este livro, Dick mostra uma imagem sombria e satírica de um futuro, 1992 (o livro foi escrito em 1969) e nos apresenta Joe Chip, um técnico endividado e o herói anti-cotidiano da história. Há um esboço brilhante no início do livro que não apenas permite ao leitor conhecer Joe, mas fornece um ótimo exemplo do humor em exibição. Ninguém mais poderia descrever uma cena como o autor, um senso de tecnologia futura que consegue parodiar a crescente comercialização da sociedade. Espero que nunca cheguemos a esse estágio onde os itens elétricos do dia a dia são “pagos por uso”, mas meu cinismo natural no capitalismo teme que isso aconteça eventualmente. 

Joe trabalha para o magnata dos negócios Glen Runciter, em sua agência de segurança anti-psi, que fornece um serviço para bloquear “bisbilhotamentos” telepáticos indesejados e truques sujos paranormais. Quando Rucinter e seus funcionários caem uma armadilha, resultando em sua morte, as coisas ficam bem estranhas depois disso. Mensagens aparecem nas paredes, e ainda mais estranho é o fato de que a realidade parece estar se revelando, o rosto de Glen repentinamente começa a aparecer em moedas, os cigarros tornam-se obsoletos. Tudo parece estar envelhecendo e se transformando em versões mais antigas e simples.


É claro que sendo um livro de Dick nada é exatamente o que parece e, quando você acha que já entendeu tudo, a história lança algumas curvas e a realidade muda para uma nova perspectiva. Ubik também tem o melhor final que eu já vi em um romance do autor, bem no final, quando você acha que tudo deu certo, as últimas linhas novamente colocam tudo em dúvida – absolutamente brilhante.

O tema principal do livro é o do solipsismo, como podemos definir o que é “real” e o que não é, como podemos ter certeza de que o que experimentamos fora da nossa mente é de fato realidade? Estamos simplesmente sonhando aquilo que experimentamos ou somos talvez o resultado do sonho de outra pessoa? O tema da religião também aparece e, como sempre, essas ideias são deixadas para o leitor tomar partido ao invés de ser ponderado de qualquer maneira.


Ubik é Philip K. Dick, no seu melhor, uma montanha-russa que distorce a perspectiva de um romance e consegue fazer grandes perguntas sem se levar muito a sério, uma verdadeira obra-prima da literatura.

A edição repaginada da Editora Aleph está lindíssima, diagramação perfeita em uma edição sem falhas. Tenho lido alguns livros de K. Dick nessa nova roupagem e estou completamente apaixonada. Se você assim como eu é apaixonado por ficção, não deixe de comprar esses livros, eles realmente valem a pena!

FICHA TÉCNICA

Título: Ubik
Autor: Philip K. Dick
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. nossa muito interessante esse livro que trata dessa questão da morte, dessa meia vida num futuro que já virou nosso passado hehe fiquei bem curiosa pra ler

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Com certeza se eu ler esse livro, vou ficar uma nuvem de questionamentos... o assunto que o livro quer abordar é muito interessante e diferente.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, Natália!

    Nossa, que curioso esse livro! Pela capa eu não fazia a menor ideia do que esperar da história hahaha mas curti bastante a premissa, de vivos poderem falar por um breve período com os mortos, e certamente a trama vai muito além disso. Quero ler!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Uau!! Pirando aqui com essa resenha. Que livro é esse? Por que ninguém me falou dele ainda?
    Gente... Que demais, ele ter escrito a tanto tempo atrás e criar um mundo desses, imaginar um futuro desses é difícil as vezes. Amei conhecer esse livro, e preciso urgentemente ler um dos livros dele haha
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir
  5. Oie .Que resenha incrível.

    Gostei bastante da premissa do livro. Parece ser uma leitura interessante

    Beijos
    Meu mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir