A Filha do Rei do Pântano [Resenha Literária]


Quando comecei a ler A Filha do Rei do Pântano achei que fosse encontrar um pouco mais de suspense, mas me deparei com um drama que me envolveu mais do que imaginava. Isso porque Helena é uma personagem tão complexa que a cada momento eu ficava pensando nos sentimentos confusos dela com o pai.

Helena Pelletier é casada, tem um ótimo marido, duas filhas lindas e um segredo: é fruto de um sequestro. Sua mãe foi raptada quando muito jovem e mantida numa cabana no pântano por mais de dez anos. Seu pai foi preso, condenado, mas acaba de escapar da cadeia e Helena parte em uma caçada contra o pai em que vai relembrando sua infância.

O livro nos conta toda a história dos pais da protagonista, focado principalmente no pai que desde sempre mostrava sinais de ser uma pessoa com problemas. Ele sequestra a mãe de Helena quando ela ainda era praticamente uma criança, a estupra, a mantém em cárcere privado e ao longos dos anos a convence que escapar é inútil. Com o nascimento da protagonista, a situação só piora, uma vez que Helena, muito induzida pelo pai, o tem como o grande herói. Só anos depois é que ela descobre a verdadeira face dele.


A narrativa de Helena é muito honesta, tão honesta que é difícil ler alguns trechos em que ela quando criança apoia o pai. Mesmo em momentos de grande brutalidade, a protagonista de alguma forma tenta justificar as ações dele. É difícil pra gente entender num primeiro momento, mas quando se analisa a situação da protagonista, compreendemos que Helena foi moldada pelo pai, ele era sua grande referência, enquanto sua mãe mais parecia uma empregada do que qualquer outra coisa.

O pai de Helena era um homem controlador, conseguiu colocar a filha sempre a seu lado, como sua sombra. Helena amava caçar, ficar ao livre com o pai e aprendeu a atirar muito cedo, mas um dia ao conhecer outras crianças percebeu que o mundo poderia ser bem maior do que a National Geographic do pai mostrava. E Helena demorou pra perceber o quanto o pai era um homem sádico, frio, calculista e doente, quando percebe o choque é grande demais. 

A caçada de Helena para encontrar o pai que fugiu da cadeia é interessante pelo confronto dos dois, mas o mais interessante mesmo é a narrativa da protagonista e seu ponto de vista em relação a seu passado. Difícil não ter empatia pela mãe da protagonista, não se revoltar com os avós e com o pai de personagem. 


Helena não é uma personagem fácil e com um olhar mais superficial é fácil odiá-la por tentar defender o pai, mas a protagonista também viveu anos numa mentira e por isso consegui entender seus sentimentos conflitantes. Eu só esperava um pouco mais sobre a mãe dela, principalmente fora do cativeiro, mas não foi algo que tenha atrapalhado minha leitura. 

A Filha do Rei do Pântano inicia alguns capítulos com um conto homônimo. De modo geral o livro me surpreendeu em vários aspectos, tem uma narrativa fácil, com uma personagem bem interessante e valeu a leitura. 

FICHA TÉCNICA

Título: A Filha do Rei do Pântano
Autora: Karen Dionne
Nota: 4/5
Onde Comprar: Amazon

 

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Olá, Michele.
    Eu gostei bastante desse livro. Só não dei nota máxima porque não tive empatia pela protagonista. Não me conformei que mesmo depois de saber a verdade ela ainda defendia o pai e tinha um certo afastamento da mãe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi, Mi!
    Não sei de onde eu tinha na cabeça que esse livro era da Intrínseca hahahhahah Enfim... acho a premissa dele bem interessante, mas acho que minha xará (rs) não me agradaria muito
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mi
    Jurava que era um suspense daqueles, mas eu gostei do enredo. Já li livros com personagens que são sequestradas, e é sempre difícil ler relatos, mas nunca um que fala sobre uma terceira pessoa que viveu a situação mas de outra forma. Talvez eu leia!
    Beijo
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  4. oi
    a capa me remete a história de terror, mas suspense é um tipo de leitura que gosto, deve ser complicado para ela ser filha desse mostro e as lembranças do passado deve ter voltado e mexido com a protagonista, que bom que acabou gostando mais do que esperava da história.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir