Judy - Muito além do Arco-Íris [Resenha do Filme]


Judy Garland foi atriz, cantora, dançarina, considerada por muitos uma das principais estrelas da Era de Ouro de Hollywood dos filmes musicais. Bastante conhecida por ser a protagonista de O mágico de Oz e Nasce uma Estrela. No entanto, apesar do sucesso artístico, Judy sofria várias problemas pessoais. Na adolescência foi obrigada a trabalhar até a exaustão, sem dormir por muito tempo e nem comer direito, afinal, uma artista deveria ser magra e tudo isso ocasionou problemas de insônia, de insegurança, vício, crises de ansiedade. O preço que Judy paga para ser uma grande estrela é muito caro. 

O longa começa com Judy (Renée Zellweger) lidando com problemas financeiros e lutando para manter a guarda dos filhos. Sem ter emprego e nem onde morar a protagonista é obrigada a deixar os filhos mais novos com o ex-marido, o que a deixa ainda mais depressiva. Entretanto, surge uma oportunidade em fazer shows em Londres e apesar de não estar preparada emocionalmente, ela aceita porque assim terá direito e irá lutar pela guarda dos filhos.


Os ingleses adoram Judy, são fascinados por ela, mas a cantora passa por diversos problemas no seu período na Inglaterra, principalmente ocasionados pela ausência de sono. E o longa vai mostrando por flashbacks o passado de Judy, bastante explorada pelos estúdios, sendo controlada por eles e inclusive acabando com sua autoestima. No entanto, também vemos alguns momentos de rebeldia da protagonista. Fica claro o paralelo do controle vivido no passado com os problemas psicológicos na fase adulta. 

Renée Zellweger é uma atriz fantástica e aqui não fica devendo em nada. Fisicamente bastante parecida com Judy, bastante magra, trejeitos iguais e transmite muito bem a montanha russa de emoções que era a vida da protagonista. As cenas finais do show são realmente um grande espetáculo, não à toa Renée Zellweger está ganhando vários prêmios por sua atuação.


Como é comum em cinebiografias, não temos quase nada do lado sombrio de Judy Garland. Sabemos que ela foi negligente como mãe, ainda que amasse seus filhos, mas o roteiro traz certa leveza aos erros de Judy, muito bem justificado pelo seu passado, o que não deixa de ser uma verdade. No entanto, Judy era uma mulher muito mais complexa, com mais camadas de profundidade e por ser um recorte na vida da atriz, apenas dos últimos anos de carreira, o filme acaba não explorando tudo que poderia. 

Ainda assim é um longa excelente, emociona demais nas cenas finais, nos faz ter uma empatia enorme por Judy e uma grande admiração pelo trabalho de Renée Zellweger.

Trailer:


FICHA TÉCNICA

Título: Judy - Muito além do Arco-Íris
Título Original: Judy
Direção: Rupert Goold
Data de lançamento: 30 de janeiro
Nota: 4/5

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

6 comentários:

  1. Eu amo filmes biográficos, não conhecia a história da Judy, mas já vi que é uma história emocionante e marcante! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  2. Mi, a Renée realmente está ganhando vários prêmios com essa atuação, né?! Eu sou apaixonada por O MÁGICO DE OZ, mas acredita que não sei nadinha sobre a Judy? Com certeza vou conferir esse filme!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

    ResponderExcluir
  3. Olá, Michele.
    Eu não sou tão fã de filmes nesse estilo. Mas fiquei interessada principalmente por causa dos seus elogios a atuação da Renée. Se der vou assistir ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Mi! Não costumo ver muito filmes assim, mas eu fiquei curiosa por querer saber mais sobre a Judy. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Oi mi, tudo bem?
    Estou bem ansioso por esse filme, quero ver logo!
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  6. É impressionante a evolução e amadurecimento da Renée Zellwegger se compararmos a sua atuação em Chicago (2002) com este Judy. Tanto seu trabalho como atriz quanto sua capacidade de canto subiram muito no meu conceito. A Academia fez bem em não premiá-la por Chicago, realmente não era o momento.

    ResponderExcluir