Na Hora da Virada [Resenha Literária]


Acredito que todo mundo que leu O ódio que você semeia tem boas expectativas para Na hora da virada e Angie Thomas não decepciona.

Brianna tem dezesseis anos e sonha se tornar uma das maiores rappers de todos os tempos, mas pra isso precisa ganhar sua primeira batalha no ringue onde os rappers se enfrentam. A protagonista é filha de uma lenda do hip-hop underground que teve o sucesso interrompido pela morte prematura ao se envolver com as gangues de rua. 

Bri leva o peso de ser filha de alguém famoso na região, mas ela é boa no que faz. O problema é que a vida dela não é nada fácil. Depois da morte de seu pai, sua mãe se tornou uma dependente química e a protagonista e o irmão passaram a infância na casa dos avôs paternos. Anos depois a mãe de Bri tenta se reerguer, mora com os filhos e luta todos os dias para pagar as contas da casa, sem muito sucesso. Jay se esforça, mas ao perder o emprego eles precisam escolher entre comer e pagar a conta de luz. 


Se a situação financeira não fosse boa o suficiente, Bri é hostilizada na escola. Um dia ao passar pelos seguranças é barrada e tratada como traficante de drogas, isso porque apenas tinha chocolates na bolsa. O fato é que por ser negra os seguranças a tratam mal e a consideram perigosa. Não só eles, mas Bri sempre tem problemas com os professores. É verdade que Bri tem uma língua afiada, mas é verdade também que o tratamento que ela recebe não é o mesmo que as alunas brancas. 

Inspirada na injustiça que sofreu, Bri faz uma música, Na hora da virada, que acaba se tornando sucesso no bairro e usada como símbolo de revolta de alguns estudantes negros na escola contra os seguranças. O problema é que a mídia agora trata Bri como marginal e devido a letra da música as gangues também não estão nada satisfeitas com ela. 

E Bri também precisa lidar com os sentimentos que sente pelo seu melhor amigo Malik e os novos sentimentos por Curtis, um garoto que ela nunca prestou muita atenção. No meio disso tudo ainda temos a Tia Pooh que tenta ajudar Bri a fazer sucesso, mas trabalha com coisas ilegais e a protagonista vive preocupada com ela. Destaque também para Sonny, amigo da protagonista e Supreme o ex-agente do pai de Bri que enxerga nela o sucesso, mas quer transformá-la em um produto diferente do que a personagem é de fato.


O livro aborda diversos temas de uma maneira leve e fluída. A vida de Bri não é nada fácil, a autora descreve bem a difícil situação de quem vive na pobreza e que as difíceis escolhas de quem não tem nada para comer. Não existe orgulho quando não se tem comida em casa e muitas escolhas feitas por Bri na tentativa de se tornar rapper estão baseadas na necessidade de ter dinheiro. Outro ponto forte é a relação da protagonista com a mãe. Bri tem um grande respeito por Jay e admiração pela persistência da mãe em lutar contra o vício, mas sente medo de ser abandonada novamente por ela. 

As relações de amizade também ganham destaque na trama, Malik não é um personagem que tenha me agradado, gosta de julgar Bri sem nunca ter passado por tudo que ela passou. Malik tenta forçar Bri a levantar uma bandeira que é dela sim, mas esquece de ter empatia pelos problemas que a protagonista passa. Já Curtis consegue entender melhor a protagonista desde o início.


Não foi fácil no começo a leitura devido a algumas palavras e referências ligadas ao mundo do hip hop, mas Angie Thomas escreve com maestria sobre seus personagens. Brianna é muito bem desenvolvida e os problemas que ela passa são reais, de fácil identificação e empatia. E apesar de ser uma protagonista jovem os temas são bem adultos. A ambientação do bairro, dos vizinhos, as situações na igreja, tudo é visivelmente bem real e nos insere por completo na vida de Bri. 

Na hora da virada é uma história grandiosa, mas não é um drama apelativo, é tudo muito bem dosado e vale a pena a leitura.

FICHA TÉCNICA

Título: Na Hora da Virada
Autora: Angie Thomas
Nota: 4,5/5
Onde Comprar: Amazon

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

7 comentários:

  1. Uau, é um livro bem forte e impactante, mesmo que essa seja a realidade de muitas pessoas, muitas outras ainda não entendem o que é passar por tudo isso. Fiquei bem curiosa com esse livro!

    https://www.kailagarcia.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Michele!
    Ainda não tive a oportunidade de ler O ódio que você semeia, mas morro de vontade de conferir. Acho legal que esse segundo livro seja tão bom quanto e aborde assuntos relevantes.

    Beijos
    Construindo Estante || Instagram

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mi
    Enrolei tanto pra ler o primeiro que fiquei com preguiça de ler as obras da Angie. Sei que são necessárias mas ainda não estão na minha wishlist, infelizmente. Quem sabe no futuro.
    Beijo!
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mi!
    Quero muito ler esse livro, mas ainda não o encaixei na tbr. Amo hip hop e estou bem curiosa pra saber como a autora trabalhou o ritmo na história.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderExcluir
  5. Oi Mi!
    Se a Angie Thomas lançar a lista de compras dela, eu vou ler KKKK. Depois de O Odio que Voce Semeia, eu sou apaixonado pela escrita dessa autora.
    Eu acho q esse livro tem tudo pra ser bem mais pesado e ativista do que o outro. Nao so pela tematica, como pelo pouco q conheci da protagonista.

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Esse livro é o meu mais desejado desse ano!! Vou ter que comprar pela Amazon pelo visto porque onde moro não tem nada.
    Eu me interessei por ele por ser algo tão forte e espero muito que o final seja bom porque estou apostando nisso. Não li nenhum livro da autora mas pelo visto sua histórias são muito boas.
    Jardim de Palavras

    ResponderExcluir