O fim da eternidade [Resenha Literária]


Este é o quarto livro de Isaac Asimov que leio neste ano e me vi completamente surpreendida mais uma vez pelo universo retratado nessa obra. À medida que o livro avançava, descobri que existia muito mais profundidade na escrita do que aquilo que originalmente eu conhecia e que os caracteres superficiais, eram superficiais com um propósito.

Asimov cria um grupo de cientistas que estão fora do tempo chamado Eternos. Enquanto todos na Terra pensam que seu trabalho principal é facilitar o comércio entre vários séculos, sua verdadeira função é manipular a história para torná-la mais favorável. Assim, os eternos se tornaram deuses sem que as pessoas do mundo soubessem disso. Eles se tornaram marionetistas para uma população que não sabe lutar, deixando assim os Eternos aparentemente intocáveis. Isso cria uma politeocracia interessante, onde as pessoas nem imaginam que seus cientistas se transformaram em deuses.


Parece que apenas as necessidades mais brilhantes, mais analíticas, mais inquestionáveis, mais inexperientes da vida e mais ingênuas se aplicam ao trabalho da Eterna. Os recrutadores precisariam encontrar alguém que vivesse a vida inteira com essas qualidades para garantir que eles não se transformassem em alguém que pedisse uma revolução na Eternidade, porque eles não poderiam mais concordar com o nível de controle e domínio das marionetes que os Eternos manejam. 

Com essa combinação de traços de personalidade, Andrew se apaixona pela primeira mulher com pouca roupa que se lança em seu caminho. E, ao fazê-lo, ele coloca em perigo a própria existência da Eternidade, porque está disposto a fazer o que for necessário para mantê-la. E com essa pequena rebelião, nossa história muda completamente.


Um mistério interessante é que os Eternos estão protegidos de poderem visitar o futuro além de um certo ponto. Aparentemente, os humanos do futuro não querem o namoro dos Eternos em seus assuntos. Asimov afirma que as espécies evoluem para se adaptar ao seu ambiente. No entanto, como os seres humanos são capazes de adaptar seus ambientes para se adequarem a eles, ele postula que os seres humanos têm e continuarão a evoluir em taxas muito mais lentas do que os seres incapazes de modificar o local onde vivem. Portanto, achamos que os humanos futuros não são muito diferentes geneticamente dos humanos atuais. 

Eu tenho uma forte intriga com relação aos "e se" de nossos possíveis evolucionários ou nosso futuro evolutivo. Acho que ficções como essa me atraem simplesmente porque só tenho uma vida para viver e nunca mais verei nosso futuro evolucionário daqui a milhares ou milhões de anos além da imaginação de um autor. Eu adoraria ver um futuro distante, como imaginado por Asimov.


Com uma leitura rápida de 255 páginas, o conteúdo me deixou com milhares de perguntas a serem respondidas querendo muito mais do universo fantástico escrito por Asimov. Em uma edição completamente repaginada, a Editora Aleph arrasou nessa edição!

FICHA TÉCNICA

Título: O fim da Eternidade
Autor: Isaac Asimov
Nota: 5/5
Onde Comprar: Amazon
 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

1 comentários:

  1. Olá...
    Pelo que pude perceber pelas fotos, a editora arrasou mesmo nessa edição!
    Ainda não tinha lido nenhuma resenha desse livro, mas, pelo que li através de sua resenha parece ser uma obra bastante interessante e me deu até vontade de ler alguns livros que tenho parado aqui na minha estante desse autor.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir