O Fim da infância [Resenha Literária]


O Fim da infância permanece, depois de mais de meio século, uma das obras mais ousadas e incomuns. É um romance de invasão alienígena em que os alienígenas invasores nos matam, essencialmente, com bondade. De acordo com as origens da Guerra Fria, há um cinismo dominante sobre a corrida aparentemente implacável da humanidade em direção à sua própria destruição. E em tempos de conflito, as pessoas sempre procuraram um poder superior para nos salvar de nós mesmos. 

É como se a humanidade estivesse presa na infância perpétua, incapaz de abandonar seus medos, superstições e ideologias nós-contra-eles, mas ao mesmo tempo tragicamente consciente dessas deficiências e impotente para fazer algo a respeito que não seja o desejo de um celestial, figura paterna todo-poderosa para vir e nos dar um abraço. Mas e se esse poder superior surgisse, e não era quem ou o que esperávamos? E se a transcendência que ela nos salvasse viesse com um pequeno problema ...?

Como o trabalho de Arthur C. Clarke naquela época era tão difícil, a maneira como ele mergulha no fundo do poço filosófico desse livro pegou muitos leitores de surpresa. De fato, sua mensagem é um repúdio tão gritante ao futurismo otimista de romances. Com o benefício da retrospectiva, vemos o livro como a plataforma de lançamento de todo um novo conjunto de preocupações temáticas que Clarke iria refinar em 2001. Suponha que não estamos sozinhos no universo, afinal, e não só é que a má notícia, não é nenhuma boa notícia. 


Não é que os alienígenas sejam um bando de tentáculos tentados a lançar um raio de morte em nossas cidades em lodo derretido e expulsando nossas mulheres. É que eles são tão espetacularmente avançados em comparação a nós que podem muito bem ser deuses, e não somos mais que crianças. Não existem muitas epifanias que podem esvaziar o ego dessa maneira, especialmente o ego de uma espécie que passou milênios se convencendo de que simplesmente devemos importar no grande esquema das coisas, seja o que for.

Quando os Senhores Supremos chegam em suas naves espaciais colossais e prontamente assumem o controle da Terra, as coisas começam a melhorar a raça humana pela primeira vez em nossa história quadriculada. Todos devem ter paz e prosperidade. Guerra e contenda são abolidas. A utopia está finalmente aqui. Não é que a maioria das pessoas tenha uma vida em que, pela primeira vez, ninguém deve lutar para sobreviver, e riqueza e felicidade estão fora do alcance de ninguém. Mesmo aqueles suspeitos dos Senhores Supremos estão dispostos a reconhecer o bem que fizeram. Mas uma existência utópica é decadente, na qual poucos se sentem motivados a se destacar. Até as artes estagnam, como revoluções estéticas, como as militares, só nascem em um clima de tensão e rebelião. 

Na verdade, o romance apresenta alguns problemas de narrativa, à medida que o autor nos leva a seus capítulos finais e elegíacos. A introdução de uma nova fase da evolução humana que soletra efetivamente o fim de nossa espécie, como a conhecemos, é simplesmente abrupta demais para se acreditar inteiramente. E suas questões de plausibilidade não são ajudadas pela meticulosidade de Clarke nos conceitos paranormais - delírios populares como a telepatia que ele emprega em sua história enquanto se esforça ao máximo para garantir que ele realmente acha que é uma completa bobagem. Aqui ele se envolve com muita facilidade na conveniência do autor (tempo retrocede quando é conveniente avançar a trama), e a narrativa é logicamente enfraquecida por essa indulgência.


A obra, no final, merece sua posição clássica pelo impacto emocional que tem e pela facilidade com que alguém pode perdoar a história por suas falhas lógicas à luz de suas ideias e inovação. Clarke estava explorando um novo território de contar histórias aqui. O fato de ele perder o seu caminho de vez em quando é irrelevante, pois acaba no ponto em que pretendia. O capítulo final é magistral. E impressiona com o quão suave e inevitavelmente o romance segue da fantasia utópica ao réquiem, sem nunca seguir o caminho óbvio ou ficar indevidamente saturnino.

O Fim da Infância é um livro que talvez, com toda a honestidade, alcance demais. É possível que seja verdade que nossas únicas opções futuras como espécie são a aniquilação por uma guerra total ou pelas mãos caprichosas de algum poder superior inefável? Eu acho que não. Mas posso ver como, mais de 50 anos atrás, com duas superpotências belicosas apontando armas de destruição em massa uma para a outra, as coisas pareciam sombrias para o pobre Homo sapiens em geral. 


Se esse livro era a maneira de Clarke chegar a um acordo com um mundo hostil e excessivamente armado enlouquecido, como muitos de seus colegas escritores estavam fazendo na época, então a eloquência com a qual ele faz isso continua se movendo até hoje. Claro, a raça humana está uma bagunça. Mas em nossas imperfeições reside a nossa humanidade. Com tantas grandes conquistas para contrastar todos os nossos males, isso diz muito que um dos Soberanos de Clarke pode dizer, mesmo quando a cortina desce sobre nossas pobres espécies condenadas: "Lembre-se disso - sempre o invejaremos”.

FICHA TÉCNICA

Título: O Fim da Infância
Autor: Arthur C. Clarke
Nota: 4/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

5 comentários:

  1. Uau, achei muito interessante o livro. Adoro quando trata de temas mais sérios, reflexivos sobre a propria sociedade, sabe? Maaaas confesso que não gosto muito das temáticas de aliens kkkk
    Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nat! Tudo bom?
    Eu conhecia esse título só de vista assim, mas nunca tinha parado pra ler mais a respeito. Agora eu QUERO? Nunca li nada do autor, mas esse vai pra wishlist só pelo poder da premissa e da narrativa.

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Natália,
    Vou te falar que nunca tinha visto ou lido algo sobre essa obra. E me parece do tipo que todos precisam conhecer, né? Não acho que seja uma leitura fácil para mim, mas super valeria conhecer!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá! Não conhecia esse livro, gostei muito da sua resenha. Confesso que quando vi a capa amei o livro mas, não imaginei que o assunto abordado fosse esse. Gostei dos pontos abordados e achei essa edição linda!
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  5. waw nice..
    https://www.phototrims.com/

    ResponderExcluir