Machismo é entretenimento?


Machismo não é entretenimento é uma frase que tem aparecido bastante na minha timeline do twitter por conta do Big Brother. Isso porque os participantes Babu e Prior tiveram momentos machistas no programa. O primeiro ao reclamar do modo que uma participante dançava e ainda comparou mulher com cardápio e o segundo desde o início se juntou a outros outros com o intuito de desestabilizar as mulheres comprometidas. Na visão do grupo de homens, o público não aceitaria uma traição feminina, a deles não seria tão grave.

O jogo mudou e os dois participantes ganharam uma enorme torcida. Para uns, o importante é reconhecer o erro e mudar, estamos sempre evoluindo e nos desconstruindo, para outros o que vale é o entretenimento. O primeiro ponto é bem pessoal, vai de cada um acreditar se mudaram mesmo ou não, o segundo ponto me fez questionar meu próprios gostos literários.

E foi olhando para o meu próprio rabo que lembrei que já gostei de muitas obras com protagonistas machistas só para esperar o momento que ele se dão muito mal. Sempre acho que esse momento é muito curto, como sou rancorosa e vingativa, sempre desejo mais páginas de sofrimento. Infelizmente, geralmente as mocinhas perdoam em cinco páginas ou menos. O fato é que esperar ansiosamente por essa parte não deixa de ser um entretenimento. 


Claro, no meu caso, eu separo a realidade da ficção, infelizmente, nem todos conseguem e realmente acreditam que uma pessoa muda como um virar de páginas. Fico me perguntando se não é o caso do reality show e acabei me deparei com outro pensamento, sobre a política do cancelamento e da passada de pano.

Sem a hipocrisia nossa de cada dia, o que eu vejo frequentemente é que o ato de gostar faz com que as pessoas passem pano. Existe sempre um "mas" para justificar o autor, o personagem, a obra, o amigo, um familiar, um ídolo. E quando a gente não gosta a política do cancelamento ocorre fácil e fico pensando se realmente é o machismo que nos faz cancelar. 

Se tampamos os olhos pra quem gostamos, mas não tampamos pra quem não gostamos, não seria o nosso feminismo seletivo? Apontar os erros não me obriga a odiar e gostar não me obriga a criar justificativas tolas que normatiza o machismo. E não seria melhor educar do que cancelar? E se é pra cancelar por que cancelar uns e não os outros? Por que odiar uma obra e não outra? 

Não, eu não tenho respostas para nenhuma das perguntas, mas fica a reflexão.

Michele Lima
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. menina, to super por fora desse assunto do BBB, mas com certeza temos que ser contra todo tipo de machismo!!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Digitando com os cotovelos pois as mãos estão ocupadas batendo palmas para esse ícone de texto!
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Rumo aos 4K no instagram

    ResponderExcluir
  3. Esse tema de machismo ganhou as redes sociais mesmo. Acompanhei algumas tretas do BBB que foram bem tensas e preconceituosas. Só de ter saído a maioria dos homens machistas já é uma resposta da população que não aceita mais isso.

    Bom final de semana.

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  4. Nossa!!!!
    Levantando aqui para bater palmas 👏👏👏👏. Texto mais que PERFEITO.

    ResponderExcluir