O Sol Desvelado [Resenha Literária]


Embora possa não ser a obra-prima nua de As Cavernas de Aço (CLIQUE AQUI), O Sol Desvelado é um pequeno e absorvente e divertido mistério de assassinato cujos elementos levemente datados e às vezes absurdos não atrapalham sua legibilidade, mais de cinquenta anos depois, de qualquer maneira, exceto das formas mais triviais. Desta vez, Elijah Baley é chamado a Solaria distante para ajudar a resolver o terrível assassinato de um de seus cidadãos mais importantes. Imediatamente há muita coisa estranha nisso. As hostilidades entre terráqueos e espaçadores são mais pronunciadas do que nunca. Com os terráqueos agrupados como toupeiras em suas cidades subterrâneas claustrofóbicas, os espaçadores controlam toda a galáxia. E a Solaria em particular, como o principal mundo de fabricação de robôs de todos eles, talvez seja a superpotência econômica entre todos os espaços habitados.

O próprio fato de Solaria pedir a ajuda de um detetive da Terra revela a profundidade de sua perplexidade. É o primeiro assassinato na história do local. Fundada como um mundo de resort, Solaria se tornou um modelo de isolacionismo. Com leis estritas de controle de natalidade que limitam a população mundial a 20.000 habitantes, os solarianos vivem em vastas propriedades individuais servidas por exércitos literais de robôs. Eles eliminaram a necessidade e o desejo de contato pessoal entre si, limitando esse contato apenas às projeções holográficas; o próprio pensamento de dividir um quarto com outro ser humano enche a maioria deles de pavor e repulsa. É claro que isso é apresentado em nítido contraste com as abundantes populações da Terra, agrupadas em suas cavernas de aço. Asimov também enfatiza a agorafobia de Baley.


Se tudo isso parece um pouco exagerado no departamento de plausibilidade, é mais fácil engolir quando você considera a vantagem satírica que Asimov está empregando aqui. Nos anos 50, a "era dos botões" foi tão emocionante quanto estressante. A automação e a tecnologia eram emocionantes, a seu modo, mas por trás de tudo havia o medo à espreita de a automação suplantar os seres humanos, tirar empregos, fazer coisas estranhas e imprevistas no cenário social e econômico da América. Solaria é a representação de Asimov dos piores medos da tecnofobia realizados, um mundo de "perfeição" utópica tão automatizada que a humanidade foi despojada de seus habitantes humanos. O povo de Solaria parece menos robótico que seus robôs. Que os solistas até acham difícil dizer palavras como "crianças".

Ninguém, no entanto, poderia acusar Isaac Asimov de ser um ludita, e mesmo em Solaria as paixões humanas não podem ser totalmente suprimidas. Baley, acompanhado mais uma vez por seu ex-parceiro robô Daneel Olivaw, tenta desvendar o mistério, cuja comissão parece impossível. Nenhuma arma de assassinato pode ser encontrada e, em um mundo em que até casais - que são "designados" um para o outro para fins de procriação, que eu não preciso dizer que não envolva sexo real - tentam evitar entrar em contato o máximo possível, empurra aqui os limites da possibilidade. E, é claro, com aquelas famosas Três Leis algemando seus encantadores cérebros positrônicos, é incompreensível pensar que um robô poderia ter feito isso. Ou poderia.


Gostei do enredo, o achei agradável, com a quantidade certa de novidades e surpresas que você quer ver nos lugares certos. Por outro lado, Asimov segue a fórmula do gênero misterioso um pouco demais. Como em todo romance que Agatha Christie já escreveu, em O Sol Desvelado Asimov, a narrativa segue um caminho trilhado em que Baley se encontra com todos os possíveis suspeitos (sua insistência no que hoje chamamos de face-time, provocando puro horror de quase todo mundo, fornece grande parte do humor do romance) e, depois, no clímax, reúne todos por seu grande monólogo em que tudo é revelado. 

É um bom entretenimento, se você gosta de mistérios nos quais atos enganosamente simples ocultam agendas mais amplas. E em suas melhores cenas, o autor mostra um presente para o calor real em seu manuseio de caráter que seria inspirador para toda uma geração de escritores de ficção científica, que perceberam que ela poderia ser sobre pessoas reais, independentemente de suas configurações fantásticas, e não apenas os arquétipos que encontramos por aí. Talvez os temas do livro sobre O que nos faz humanos pareçam, hoje, um pouco óbvios, se não totalmente mais engraçados. Mas, tomado pela compreensão da idade em que o livro foi escrito, o efeito cumulativo revela Asimov como o pensador avançado e o grande humanista de sua época.

FICHA TÉCNICA

Título: O Sol Desvelado
Autor: Isaac Asimov
Nota: 4/5
Onde Comprar: Amazon

 

Natália Silva
Compartilhe no Google Plus

Sobre O que tem na nossa estante

É amante de livros, filmes, séries e adora uma boa música. Escreve para O Que Tem Na Nossa Estante.

comentário(s) pelo facebook:

3 comentários:

  1. Oi, natália
    A editora Alpeh tem um catálogo bem diferente do que eu costumo ler, por isso as obras não me interessam tanto, saem da minha zona de conforto. Mas pra quem gosta de um suspense clássico acho que a obra funciona muito bem.
    Beijo
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiii Natália

    Ah eu gostei do estilão do livro, por ele ser assim cheio de surpresinhas e se mostrando bem mais do que é, por trás do que pensamos simples num primeiro momento. Parece ser uma leitura diferente e bem inteligente, nunca li nada do autor, mas fiquei com vontade.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, Nat

    Como eu não gosto do gênero não seria algo que eu leria, mas sempre me surpreendo com a originalidade das tramas do autor. Eu sempre costumo achar esse tipo de enredo meio limitado, mas ele mistura algumas propostas e aparentemente acaba saindo algo bem interessante, mesmo que algumas vezes haja algumas questões que precisariam ser melhor trabalhadas, mas que devido a época em que o livro foi escrito da para deixar passar.

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir